ENTRELINHAS || BUDAPESTE

Fotografia da minha autoria



«Talvez o mais belo dos três livros da maturidade de Chico»


O curso da vida leva-nos a palmilhar rotas desconhecidas, que nos desarmam e que tantas vezes nos fazem reconsiderar o seu sentido, quase como se fossem um teste à nossa lealdade e ao nosso discernimento. Por outro lado, é este traço imprevisível que nos mantém em movimento. E foi por este princípio que, a caminho da Feira do Livro do Porto, em 2020, aceitei a sugestão da Rita da Nova e adquiri um livro de Chico Buarque.

«Quando se abriu um buraco nas nuvens, me pareceu que sobrevoávamos Budapeste»

Budapeste permite-nos acompanhar um ghost writer em atividade, vendo-o dividir-se em realidades paralelas, com idiomas, amores e cidades distintos. Inclusive, a própria personalidade aparenta fragmentar-se, explorando camadas, até então, impensáveis - ou, apenas, reprimidas. Perdido de encanto pela língua húngara, José Costa, o nosso protagonista, abre-nos a porta para um jogo de duplos e de opostos, ao mesmo tempo que procura compreender o impacto que todas essas mudanças têm no seu quotidiano e no seu futuro.

«Passava os dias catatônico diante de uma folha de papel em branco»

A escrita do cantor e ficcionista tem música e poesia. Numa narrativa simples, cruza abismos, sentimentos complexos e acontecimentos que nos deixam no limbo, até porque colocam em causa valores humanos. Mas a leveza com que o faz consegue serenar-nos, ainda que não tente romantizar qualquer detalhe. Assim, prendendo-nos à sua dualidade, enfrentamos uma crise existencial e criativa. Refletimos sobre as escolhas que fazemos. E equacionamos o poder do compromisso e o respeito com que tratamos e cuidamos [d]os outros.

«Mas duas pessoas não se equilibram muito tempo lado a lado, cada qual com seu silêncio»

Budapeste é um labirinto emocional, que ultrapassa fronteiras geográficas, enquanto cria barreiras entre relações débeis. E é nesta dicotomia que percebemos que, por maiores que sejam os planos, a sensação de desajuste mantém-se, porque permanecemos incompletos, procurando preencher o vazio que habita em nós.

«O som que ainda agora me irritava foi me apaziguando, e no seu embalo adormeci»


// Disponibilidade //

Wook: Livro | eBook
Bertrand: Livro | eBook

Nota: O blogue é afiliado da Wook e da Bertrand. Ao adquirirem o[s] artigo[s] através dos links disponibilizados estão a contribuir para o seu crescimento literário - e não só. Muito obrigada pelo apoio ♥

24 comments

  1. Chico Buarque, so de ler este nome ja da vontade de ler este livro :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estava mesmo curiosa com a sua escrita e foi surpreendida :)

      Eliminar
  2. Tenho um livro do autor cá em casa, mas nunca o li. Tenho que ler este, o enredo parece-me muito bom.

    Obrigada pela sugestão, minha querida!

    Beijinho grande :*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Qual é que tens? Quero ver se me aventuro em mais obras suas!

      Eliminar
  3. Escrito por Chico Buarque é sinal de ser um livro muito interessante de ler.
    .
    Cumprimentos fraternos.
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
  4. Ótima resenha!
    Eu sempre fui muito fã de Chico Buarque, até que en contrei (alguém me indicou) um vídeo no qual ele declara que muitas de suas músicas n ão são de sua autoria, e que as comprava de outras pessoas.

    Nunca mais gostei dele. Eis o link: https://youtu.be/BYR7MGA3LBU

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Ana!
      Confesso que não estava a par dessa situação. Mas também não me choca, porque nem todos os cantores são autores das suas letras.

      Eliminar
  5. Que sim é mais uma sugestão boa para conhecer, acho que estamos sempre a conhecer novos livros, mais um que ainda não conhecia de todo
    Beijinhos
    Novo post
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  6. Uma familiar portuense ofereceu-me esse romance há já muitíssimo tempo.
    Nunca me apeteceu lê-lo.
    Após a leitura da tua excelente análise, provavelmente pego nele nos próximos dias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já há algum tempo que me queria aventurar na sua obra e compensou abraçar esta leitura. Chico Buarque tem uma escrita que embala :)

      Eliminar
  7. A língua húngara é idêntica ao filandês, isto é, têm as mesmas origens linguísticas. Ambas muitíssimo difíceis de aprender.

    ResponderEliminar
  8. Já li maravilhas sobre este livro. Quero muito ler.
    Beijinhos
    Coisas de Feltro

    ResponderEliminar
  9. Já quero ler o livro há algum tempo! Descobri com a Isabella Lubrano do canal de youtube Ler antes de Morrer :) Gostei da tua review!

    jiaescreve.blogspot.com

    ResponderEliminar
  10. Não conhecia. Obrigada por mais uma sugestão :)

    ResponderEliminar