ENTRELINHAS // A MÁQUINA
DE FAZER ESPANHÓIS

Fotografia da minha autoria



«(...] um dos mais importantes romances contemporâneos»

Avisos de Conteúdo: Luto, morte de um familiar, abandono


O curso da nossa jornada, enquanto seres humanos, apresenta etapas de desenvolvimento semelhantes. Contudo, são as entrelinhas que nos diferenciam, permitindo que as experiências sejam tão singulares. Portanto, quando a idade avança, ficamos com um retrato amplo dessa caminhada de emoções múltiplas. E se há alguém capaz de espelhar o impacto de cada transição, como se o escrevesse na primeira pessoa, é Valter Hugo Mãe - o que se tornou a verificar nesta que é uma das histórias mais inesquecíveis com que tive o privilégio de me cruzar.

«um dia seremos cidadãos de um mesmo mundo. iguais, todos iguais»

A Máquina de Fazer Espanhóis, escrita em minúsculas, numa clara utopia de igualdade, parte da vida de um barbeiro reformado para nos impulsionar a refletir sobre conceitos que nos transformam, durante o nosso crescimento: família, amizade e compromisso. Além disso, atribui voz à velhice, à solidão e ao luto. Através de um discurso poético, é impensável não ponderarmos o que nos reservará o futuro e quais as implicações de certas perdas: sejam elas referentes a um cenário de autonomia, sejam elas referentes à morte de alguém que é tudo para nós. Porque cada uma delas dilacera à sua medida, condicionando uma parte do nosso presente - mesmo que o final aparente estar próximo.

«(...) e o seu coração não sabia como parar de sofrer»

Feita de vulnerabilidade, esta narrativa é, também, um reflexo do quotidiano nos lares, da inerente sensação de abandono e dos fantasmas do passado que, neste caso, se associam a decisões pessoais, ao mesmo tempo que realçam o período da ditadura, tão pautado pelo medo. E é no epicentro desta portugalidade que somos surpreendidos pela candura que existe no caos. Sem nos privar da realidade, é a fragilidade do nosso protagonista que nos comove e que nos enlaça à sua dor, à sua angústia e à saudade que o ampara. Porque o Senhor Silva poderia ser qualquer um de nós, atendendo a que somos feitos de incoerências idênticas [apenas direcionadas por outros perímetros] e, sobretudo, por sermos falíveis. Assim, deambulando por todas as suas camadas emocionais, compreendemos muito melhor o que opõe a existência e a sobrevivência.

«eu sou um romântico e não se aprende a viver sem amor da noite para o dia»

Valter Hugo Mãe, com a sua escrita fascinante, desenvolveu um enredo onde cabemos todos, onde é percetível que o sofrimento nos tolda o discernimento e onde, naturalmente, desconstruímos a crítica social. E sendo palco de contrastes, ri na mesma proporção em que senti as lágrimas a cair pelo meu rosto. Porque há uma certa beleza nesta dor tão concreta. Por instantes, senti-me parte das conversas, vivenciei os mistérios e desfilei por um conjunto de memórias antagónicas, com tantas histórias dentro. Pudesse eu ter palavras suficientes para descrever o quanto este romance é precioso e a transbordar de coragem.

«precisamos que cada um exerça aquilo para que a natureza o dotou»

A Máquina de Fazer Espanhóis é mais do que um livro sobre solidão, fraquezas - físicas e da alma - e ficar velho. É, acima de qualquer outro tema, sobre o profundo amor que habita no lado esquerdo do peito e que, apesar de já não ser correspondido, continua a despertar o melhor que há em nós. Questionando a morte, o regime Salazarista e a sabedoria adquirida, repensamos a forma como nos posicionamos no mundo. E percebemos que, embora a terceira idade pareça ser o fim da linha, retirando-nos tempo, temos sempre a oportunidade de inventar um espaço seguro, enquanto a consciência não for só mais uma miragem.

«(...) precisava deste resto de solidão para aprender sobre este resto de companhia»


// Disponibilidade //

Wook: Livro | eBook
Bertrand: Livro | eBook

Nota: O blogue é afiliado da Wook e da Bertrand. Ao adquirirem o[s] artigo[s] através dos links disponibilizados estão a contribuir para o seu crescimento literário - e não só. Muito obrigada pelo apoio ♥

14 comments

  1. Olá!!! Não conhecia este livro, parece ser um bom livro mas não faz o meu género de leitura, no entanto, nada como experimentar e ver se me surpreendo! <<3


    www.pimentamaisdoce.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. A minha experiência com este autor não foi muito positiva, li a "Desumanização" e não gostei muito, mas acho que ia gostar deste livro.

    Beijinho grande, minha querida!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Desumanização é um dos meus favoritos, mas assim que li este fiquei na dúvida. É maravilhoso, mas é preciso ser lido com a predisposição certo, por causa do tema central

      Eliminar
  3. É um livro com temas que mexem com a gente, e que ao mesmo tempo faz a gente refletir, Andreia bjs.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderEliminar
  4. Eu tenho mesmo de ler este livro que fez chorar o meu Rui... <3

    ResponderEliminar
  5. Mais um que ainda não tinha ouvido falar, mas parece ter uma história bastante bonita para conhecer
    Beijinhos
    Novo post
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  6. Livro interessante, Estou lendo o poder da esperança, beijos

    ResponderEliminar
  7. Parece ser interessante, é uma grande falha minha nunca ter lido nada do autor!

    Bjxxx
    Ontem é só Memória | Facebook | Instagram | Youtube

    ResponderEliminar