1+3 | Os Líderes de Hoje

by - outubro 08, 2018

Fotografia da minha autoria


«Liderar não é impor, mas despertar nos outros a vontade de fazer»



Transparência. É o que associo e o que espero de alguém que assuma um cargo de liderança - por mais minoritário que seja. A pressão é constante e a exigência manifesta-se em dois sentidos: de dentro para fora e de fora para dentro. No entanto, em momento algum, isso poderá ser justificação para uma perda de valores, que deveriam ser inatos e transversais a qualquer circunstância. Porque um líder pode cair - como humano que é -, mas nunca deverá quebrar a sua essência.

Sinto que, atualmente, há um desfile de vaidades. Os propósitos são esquecidos, porque o importante é a exposição desmedida. As causas significativas são relegadas para segundo plano, uma vez que o foco é a imagem. E é impressionante a quantidade de promessas inconsequentes e ignoradas, na medida em que não eram a razão primordial. Eram, somente, um meio ilusório para atingir um final pouco ortodoxo e digno. E isso não é só triste, é também uma amostra da pobreza de espírito que move certas figuras - públicas ou anónimas, dependendo do grau de responsabilidade e do setor em que se encontram. O desejo de poder cega, sobretudo, quando as pessoas não estão bem resolvidas e, claramente, não têm noção da gravidade dos seus atos e do impacto nefasto que estes podem exercer sobre um grupo, uma sociedade, um país. Liderar não é criar uma montra de egos. Mas, atenção, também não pode significar uma anulação da personalidade do candidato. Liderar é, portanto, saber valer o que somos, atendendo a um bem maior; a um interesse comum a toda a comunidade.

Há, igualmente, uma forte pressão para que os altos cargos sejam atribuídos às designadas minorias, o que não me parece correto. E tenho esta perceção por uma razão muito simples: fazê-lo só porque, aparentemente, representam a parte menos numerosa é descredibilizá-las. É retirar-lhes, indiretamente, todo o mérito que possam ter e que as levaria a exercer funções desta magnitude com a mesma qualidade se não tivesse um rótulo associado. Pode existir um desfasamento quantitativo e, em consequência, uma certa relutância e hostilidade  - algo que sabemos que ainda acontece -, mas isso não é, nem nunca poderá ser, um indicativo de competências pessoais. Assim, a ocupação de um lugar de liderança, seja ele na política ou noutra área, tem que ser isenta de estímulos desestabilizadores, e que em nada contribuem para garantir uma gestão equilibrada e inteligente dos mesmos, para que se alcancem os melhores resultados possíveis. A criação de oportunidades, essa sim, deve priorizar a equidade, independentemente de géneros, nacionalidades, raças, cores de pele, orientações sexuais e nomes. Porque aquilo que se deve ter em conta é as características, os conhecimentos e as aptidões da pessoa. Tudo o resto é secundário.

Uma boa liderança passa - e muito - por essa valorização. Por essa igualdade de tratamento, pois estamos ao mesmo nível [deveríamos, pelo menos]. Numa perspetiva que me afeta com maior proximidade, orgulha-me que existam mais mulheres a representar-nos. Porém, confesso, o apreço é bem maior quando sei que o seu espaço foi conquistado com todo o mérito, porque foi desenvolvido um trabalho irrepreensível. Logo, retorno a uma ideia anterior para reforçar que abrir portas a uma chefia feminina [e não só] apenas porque se pretende camuflar mentalidades pequenas e/ou porque se pretende, de algum modo, recompensar anos de desigualdade não é o caminho, até porque essa postura nem apaga o passado, nem erradica as raízes do problema-base. Nem sempre uma figura masculina é a mais indicada para determinada posição. E o mesmo acontece com as mulheres. Porque não é o nosso género que nos define. É a nossa sensibilidade. O nosso compromisso. O nosso bom senso. E, claro, a nossa verdade. É isso que torna alguém num excelente líder - isso e o facto de não perder a humildade.

A linha é sempre ténue. Apesar de tudo, reconheço algumas melhorias. Mas ainda falta um desapego maior do umbiguismo, perpetuado por certas individualidades, que são a cara de um povo [mesmo que não na sua totalidade]. É fundamental lembrar que elas são o nosso presente e a consequência do nosso futuro. Por essa razão, acho necessário intervir. Reformular. Exigir. E votar com mais consciência, principalmente, porque os líderes de hoje caminham sobre o tapete que lhes estendemos. Nesta divisão de responsabilidades, enquanto membro ativo da sociedade, tenho a obrigação de eleger o melhor representante, aquele que tenha o coração no lugar certo e um sentido de assertividade perante situações desafiantes e adversas. Enquanto líder, a pessoa deve ser o farol que nos ilumina na escuridão e que nos impede de afogar num mar revolto; deve ser a âncora que nos transmite uma sensação de pertença e de casa, mas sem nos manter presos a ideologias que nos façam regredir. O líder é a voz de comando. Sem imposições. Sem superioridade. Sem sede de dominar. É um de nós. Com critérios. Com exigências. Com empatia. E com a noção clara de que faz parte de uma equipa.

Identidade. Perseverança. Genuinidade. Talvez sejam características em falta, mas acredito que podemos caminhar para que esta seja a realidade de todos os líderes - nos de hoje parecem adormecidas. Mas há sempre esperança no amanhã.



[Publicação inserida no desafio 1+3]

You May Also Like

22 comentários

  1. Parece-me que há lideres que assumem determinados cargos para gerirem os seus próprios interesses...

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente a nível mundial estamos a ficar sem verdadeiros lideres, o mundo está cheio de oportunistas vaidosos e incultos.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  3. Concordo com a Isa Sá:))
    Bom dia

    Hoje: O teu odor de Galanteador

    Bjos
    Votos de uma óptima Segunda - Feira.

    ResponderEliminar
  4. Durante os anos em que trabalhei apanhei de tudo... infelizmente existem mais chefes do que líderes. Há mais gente a gostar de mandar do que liderar. E sim, neste momento estou preocupada com a situação a nível mundial pois existe uma grande lacuna de líder bons líderes nos governos de muitos países. Eu neste momento não me identifico com nenhuma pessoa capaz de governar seja o Uk, seja Portugal, seja o Brasil ou os EUA... espero que seja uma fase e que os humanos melhorem a nivel de caracter e que tudo volte a ter bom senso.
    Bjinhosss e boa semana*
    https://matildeferreira.co.uk

    ResponderEliminar
  5. Oi, Andreia!

    Gosto dos seus textos... Reflexão interessante e atual...

    Abraços, Cris

    ResponderEliminar
  6. É uma infeliz verdade... Adoro que as pessoas escrevam acerca deste assunto, sem medo!
    Beijinhos,
    Blog An Aesthetic Alien | Instagram | Facebook
    Youtube

    ResponderEliminar
  7. Olá Querida,
    Tudo bem?
    Adorei dos seus textos!
    Beijinhos Karina
    Novo post: http://openklosetfashion.blogspot.com/2018/10/my-favorite-productsclinically-proven.html#disqus_thread

    ResponderEliminar
  8. A liderança anda toda ao contrário.
    Em várias situações isso se manifesta, não só na política, não só na sociedade, mas de um modo geral, perdeu-se a humildade, o saber estar e o lembrar de onde é que se vem.
    Esta-se a perder os valores.
    É triste.

    Beijinhos
    Sandra C.
    bluestrass.blogspot com

    ResponderEliminar
  9. Olá, um líder não se auto-nomeia, nasce naturalmente, sabe ouvir e evitar o problema antes de este aparecer.
    Andreia é uma verdadeira lidar da fotografia, consegue captara maravilhosamente.
    Feliz semana,
    AG

    ResponderEliminar
  10. Realmente é mesmo verdade, gostei bastante de ler a tua partilha
    Beijinhos
    Novo post //Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  11. Este texto fez-me lembrar a ideia com que fiquei das praxes, os ditos doutores só pretendem praxar para mostrar estatuto e vaidade e se sentirem superiores relativamente aos caloiros. Não acho normal que um doutor ande uma semana atrás de um caloiro para o obrigar a assinar um papel anti-praxe, como aconteceu comigo. As associações de estudantes deviam ser como as da Universidade de Coimbra e da Universidade do Porto, lutarem pelos direitos dos alunos, não é só para praxar, fazer jantares e beber copos. A liderança mudou muito.

    Beijinho grande!

    ResponderEliminar
  12. Infelizmente em muitos casos são lideres para seus próprios interesses.
    Gostei do texto.
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Hoje em dia há poucos líderes que resistam à competição com os "xicos espertos". O mundo está a afundar-se porque os pretensos líderes lideram apenas a sua ganância pelo poder.
    A nossa sorte é que isto (segundo estudos recentes) só dura mais 21 anos. E quando acabar, acaba para todos. eheheh

    ResponderEliminar
  14. Adorei a tua publicação sobre os líderes de hoje querida! É fácil mandar e ser patrão, mas ser um bom líder? É um trabalho constante e é importante saber fazê-lo!
    Beijinho, Ana Rita*
    BLOG: https://hannamargherita.blogspot.com/ || INSTAGRAM: https://www.instagram.com/rititipi/ || FACEBOOK: https://www.facebook.com/margheritablog/

    ResponderEliminar
  15. E como se costuma dizer, a esperança é sempre a última a morrer. Mas se queres que te diga e não será para o meu "tempo" a nível mundial, Jamais alguém irá ter força para impedir esses malucos que andam para aí a cometer atentados. Um dia, eles serão donos do mundo e aí todos serão iguais a eles.
    Beijinhos linda.

    ResponderEliminar
  16. maravilhoso seu texto, ainda mais pq reflete nosso momento de eleições por aqui com tanta falta de bons lideres como gostariamos

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderEliminar
  17. É mesmo, meu bem... e talvez por isso me tenha custado tanto, tanto a sair :( Mas pronto, pelo menos há esperança de eu voltar no Natal!

    O que muita gente - que tem cargos de alta responsabilidade a nível de gestão de tarefas, não sabe -, é que, efetivamente, existe uma enorme diferença entre "mandar" e "liderar". A primeira, na grande maioria das vezes, faz com que a equipa se torne frustrada, ao passo que a segunda, vai motivá-los e fará com que os mesmo trabalhem em prole de um objetivo. Só é de lamentar que esteja tão confuso na cabeça das pessoas!

    NEW REVIEW POST | CLINIQUE: PEP-START EYE CREAM
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  18. Eu gosto destes temas, gostei muito da tua abordagem e como me importa tanto saber o que pensam as pessoas acerca disto, li todos os comentários e não posso acrescentar nada q não tenha sido dito. Mas ainda bem que concordamos todos contigo.
    A ganância estraga o mundo. Enquanto houver ganância haverá sempre pessoas que querem ser mais, ter mais... Não importa como. Depois, hipocritamente, criticam os regimes fascistas e ditadores... Tem que haver humanidade e respeito, principalmente...
    Beijinho grande

    ResponderEliminar
  19. Como referiram algures em cima, há uma diferença entre "mandar" e "liderar". Muita gente não percebe isso e é o que faz com que se trabalhe melhor ou pior. Porque quando há bons líderes as coisas correm bem, trabalham todos e existe uma maior harmonia. Mas quando as pessoas se armam em chefes e em donos de toda a razão e sabedoria, aí tem tudo para correr mal. E lá está, é isto que falha nos dias de hoje. Porque todos querem mandar e ninguém quer dar a cara com os outros tanto para o bem como para o mal. É o egoísmo e a ganância a fazerem-se sentir.
    "Porque um líder pode cair - como humano que é -, mas nunca deverá quebrar a sua essência." na minha opinião, quando um líder quebra a sua essência e põe certos valores em causa, é porque na verdade não é um líder.
    Excelente pulicação como sempre e concordo muito, já sabes.

    ResponderEliminar