Entrelinhas #50

Fotografia da minha autoria


«Frederico e Paola. Dois caminhos que se cruzam»



Daniel Oliveira é um comunicador nato. E a sua escrita espelha-o, tornando-se absolutamente inspiradora. Cativante. Surpreendente. Depois de uma experiência tão positiva com A Persistência da Memória [aqui] e com A Fórmula da Saudade [aqui] - que me prenderam a cada palavra -, estava bastante expectante com o seu mais recente romance, Sobre o Amor. E, página após página, foi fácil perceber que tinha todas as razões para isso. Até porque é claro que o autor procurou arriscar e criar uma narrativa distinta das que publicou anteriormente. Na minha opinião, conseguiu!

A premissa do livro é simples, mas deixa-nos a pensar sobre as formas em que o amor se manifesta; sobre o amor que se ganha e o que se perde; sobre as cicatrizes e as bagagens; sobre a intensidade da vida e sobre a manipulação das memórias. Simultaneamente, é interessante acompanhar a perspetiva masculina e a perspetiva feminina, bem presentes no enredo, que vão surgindo intercaladas. E que permitem compreender a desconstrução que as personagens principais fazem, juntas ou em separado, das suas vidas - quer em relação ao passado, quer em relação ao presente. Ademais, foca o impacto que as pessoas têm no nosso caminho. E o poder dos acasos.

Esta narrativa transmite-nos uma certa urgência de viver. Porque os acontecimentos desenrolam-se de uma maneira célere, talvez para nos demonstrar que a vida é assim mesmo; que tudo não passa de um sopro. E que, por vezes, estamos no sítio certo à hora certa. Ou, então, que conhecemos a metade certa no momento errado. As probabilidades não se esgotam. Algo que me pareceu fascinante foi a existência de um certo contraste: a ligação entre Paola e Frederico é instantânea e espontânea. Contudo, eles vão-se conhecendo devagar, como quem saboreia os detalhes. Entregam-se fisicamente, mas há segredos, recordações, receios e desejos que guardam só para si. Consequentemente, acabam por comprovar que esperam desfechos distintos para os seus futuros.

Importa, ainda, referir que Sobre o Amor está dividido em duas partes, onde cada segmento tem uma espécie de nota introdutória, para nos contextualizar. Na primeira, avançamos na descoberta de uma história de amor, com um início que nos faz sonhar e que nos leva a considerar todas as coincidências que marcam o nosso percurso. A segunda - mais extensa -, apresenta-nos o passado das duas personagens: as suas mágoas, a maneira como o presente recupera circunstâncias antigas e estabelece uma certa comparação. No fundo, acaba por ser uma parte mais introspetiva. De autoconhecimento. Curiosamente, sentimos que há repetição de ocorrências - com outros protagonistas; que há uma luta entre a vontade, o desejo e o bom senso; que há uma tentativa séria de largar o passado e recuperar o controlo do tempo atual - sobretudo por parte de Paola. E que há, igualmente, pensamentos soltos, como se fossem recordações ou recados que ficaram por dizer.

O amor - físico e sentimental - é descrito com delicadeza, quase que poeticamente. E a troca de mensagens entre as personagens contribui para alimentar o jogo de provocação entre ambas. Esta obra não é autobiográfica, mas existe um episódio que tem ainda mais impacto por ter sido inspirado numa situação verídica - a qual fiquei a conhecer durante a sessão de autógrafos, na Fnac do Norte Shopping. Sem querer revelar muito, não posso deixar de destacar uma pergunta que, inevitavelmente, permanece: Para onde vai o amor de quem nos morre? O final, por seu lado, é desconcertante. E belo. Nem sempre as histórias terminam como esperamos, mas o amor é, também, não insistir. Deixar partir. Dar espaço para que as pessoas se descubram. E, se tiver que ser, elas regressam. Os caminhos voltam a cruzar-se. O importante é perceber que ninguém entra na nossa vida por acaso. Muda sempre algo em nós. E todos os traços de conquista, perda, carência, prazer e, claro, amor tornam-nos «eternos a cada fração de segundo».


Deixo-vos, agora, com algumas citações:

«As palavras pouco dizem. Nós não sentimos com palavras. Quando nascemos, sentimos sem elas (...) O amor tão-pouco são quatro letras alinhadas como supomos que o amor possa ser. E eu também não sou isto. Sou apenas a forma de me dizer» [p:13];

«Se existe um instante em que um desconhecido deixa de o ser e passa a fazer parte da nossa vida, é quando diz qualquer coisa que guardamos connosco ou nos faz sentir de um modo diferente do que sentíamos antes de o conhecer» [p:43];

«-Não será antes porque com a distância todas as memórias se tornam leves?
- Acho que não. Se não pesa, é porque foi varrido do nosso pátio das memórias. Era bom que fôssemos nós a decidir que tormentas abolir, mas não somos» [p:73];

«Saudade é ainda assim continuar a desejar o bem, porque é isso que é suposto ser saudade. É ter o sentimento de sempre, mas sem se dar, sem se estar, sem poder olhar, testemunhar. Sem ter e, ainda assim, sentir a cada dia que se está lá...» [p:159];

«Frederico escreveu um dia: O amor que tem armas para salvar, tem-nas também para destruir» [p:183].




Nota: As gavetas da minha casa encantada tornaram-se afiliadas da Wook. Por isso, ao comprarem através dos links disponibilizados, estão a contribuir para os meus hábitos de leitura. Obrigada!

27 comentários

  1. Apesar de o apreciar bastante como entrevistador ainda não li nada dele, mas pelo que li aqui deve ser bem interessante os seus livros.
    Um abraço e tenha um bom dia.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  2. Quero muito ler este livro e a tua resenha aumentou a minha vontade de o ler. Li os anteriores e fiquei rendida. :)

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  3. seems good book," love that has weapon to save and also to destroy" very true.
    My Blog | Instagram | Bloglovin

    ResponderEliminar
  4. Não li qualquer livro do Daniel Oliveira. Mas é um jornalista que admiro, principalmente pelas excelentes entrevista que faz.
    Obrigado pela sugestão.
    Continuação de boa semana, amiga Andreia.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  5. Confesso que nunca li nenhum livro do Daniel Oliveira, mas estou curiosa! Gostei das citações!

    Beijinhos!
    MESSY GAZING

    ResponderEliminar
  6. Ai gosto tanto!

    Convido-te a conhecer a pág da minha loja: Página da loja (link)
    E/OU no insta: Milojaetuloja

    Já agora, queres espreitar o meu canal? último vídeo? Agradecia imenso, e ainda mais se gostasses e fosses minha seguidora :$ - Carrega para ver vídeo

    Desde já, obrigada!
    https://maumaria00.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  7. Excelente review como sempre, quando for a PT tenho de trazer pelo menos um destes paranao dar muito nas vistas do home :) o Daniel Oliveira e uma pessoa q transmite muita paz de espírito :)
    Bjinhosss
    https://matildeferreira.co.uk

    ResponderEliminar
  8. Ainda não li obras do Daniel mais gostei muito do livro, é sempre um prazer conhecer excelente livro como esse, bjs.

    ResponderEliminar
  9. Li a persistência da memória e fiquei por aí.
    Mas com este post fiquei com curiosidade para ler este.🙂
    Gostei das citações 😍

    ResponderEliminar
  10. Adoro o Daniel, apresenta bem, fala sempre bem, tem uma facilidade incrível em comunicar com as pessoas e acho mesmo que é um ser humano fantástico.
    Ainda não li nada dele, mas depois desta tua review, fiquei mesmo curiosa :)
    "O importante é perceber que ninguém entra na nossa vida por acaso. Muda sempre algo em nós." - acredito muito nisto :)

    ResponderEliminar
  11. Oi Andreia! O livro me pareceu ser muito delicado, uma visão (dupla) do amor romântico e físico. Bacana demais a indicação, nunca li nada do autor. Um beijo :*

    ResponderEliminar
  12. ;D

    Não conhecia esse autor. Adorei o tema desse livro! Acasos nunca são sem sentidos. Estamos predestinados a viver o destino que já está escrito!

    Ótima quinta!

    Beijo! ^^

    ResponderEliminar
  13. gostei muito de conhecer esses livros, e pelas citações que vc separou fiquei ainda mais curiosa para ler

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderEliminar
  14. Olha, tenho de confessar a minha ignorância que vai ao ponto de nem sequer imaginar que o Daniel Oliveira tinha acabado a 4ª classe. eheheh
    Se for tão bom escritor como o José Rodrigues dos Santos (o orelhas lol), estou tentado a ir comprar os livros todos dos dois, mas só lá mais para o inverno, para fazer acendalhas para a salamandra. eheheheheheh

    ResponderEliminar
  15. Gosto dessa amostra de formas de perspectiva de ambos os sexos, deve tornar a leitura mais aliciante.

    ResponderEliminar
  16. Aquele tom conquista fácil, né?! hohoho! ;)

    Exatamente! O que tiver que acontecer, acontecerá. Independentemente de qualquer coisa!

    Ótima quinta!

    Beijo! ^^

    ResponderEliminar
  17. Resenha maravilhosa amei a dica do livro, obrigado pela visita.
    Blog: https://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com/
    Canal: https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderEliminar
  18. Nunca nenhum livro,
    eu li, desse escritor
    as verdades sempre digo
    não sou grande leitor!

    Tenha uma boa noite Andreia.

    ResponderEliminar
  19. Nunca li nenhum livro do Daniel Oliveira, mas sei que foram bastante afamados. Tenho de lhes dar uma vista de olhos. Gostei da citação sobre o Frederico, de facto o amor também pode destruir e causar muita dor.
    R: Sempre tive medo e quando têm aqueles olhos de plástico ainda pior. Enfim acho que vejo demasiados filmes XD

    ResponderEliminar
  20. Para mim a melhor frase: nos não sentimos com as palavras.
    É verdade ,ações são bem mais importantes :)
    Beijinhos minha linda.

    ResponderEliminar
  21. Olha confesso que ainda não li nenhum livro do Daniel
    https://retromaggie.blogspot.com

    ResponderEliminar
  22. R: Sim, também não estava à espera que o assalto começasse logo no primeiro episódio. É como dizes, tem um ritmo próprio e alucinante, mas as coisas acontecem nos tempos certos e sem complicar em nada :)
    A série é tão incrível que poderia ter escrito mais umas mil e uma coisas que não lhe ia fazer jus e mesmo assim já ficou uma publicação bem grandinha ahah

    ResponderEliminar
  23. Aiii! Que vontade que fiquei de comprar o livro e lê-lo em dois dias! Parece-me bastante bom :)

    ResponderEliminar
  24. Nunca li nada dele, mas vou tomar nota!

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  25. Não tens bem noção da diferença que faz à pele. É incrível! :P Diz que há na Primark, também!

    Gosto muito da Daniel e partilho da mesma opinião que tu quando referes que é um comunicador nato. É um facto, mesmo! No entanto, nunca li nada dele embora tenha esse bichinho. Se é para falar Sobre o Amor, então eu estou dentro.
    Até arrepia: "«Se existe um instante em que um desconhecido deixa de o ser e passa a fazer parte da nossa vida, é quando diz qualquer coisa que guardamos connosco ou nos faz sentir de um modo diferente do que sentíamos antes de o conhecer»!"

    NEW DECOR POST | KITCHENS: ALSO DESERVE BEAUTIFUL DECOR. :O
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  26. Estou muito curiosa para ler esse livro do Daniel Oliveira, porém uma das coisas que me faz com que o ponha constantemente em "em não prioridade" na lista de livros a comprar ou a ler é que, pessoalmente, não fiquei grande fã do seu primeiro livro, embora seja bastante fã do Daniel e da pessoa que ele é e do seu trabalho.

    Tenho de ler e dar-lhe uma nova oportunidade eheh
    Beijinhos querida!

    ResponderEliminar