1+3 | Uma Peça de Roupa: Uma Segunda Pele

Fotografia retirada do site Lui Store


«Mais importante que a roupa é a vida que vive dentro da roupa»



A roupa que eu visto não é somente o que sou, mas também me define. É a segunda camada do meu corpo, a segunda camada da minha pele. Realça-me quando quero. E resguarda-me quando me sinto mais frágil. É o espelho do meu estado de espírito ou a alavanca que potencia a minha autoestima. Não deixa de ser curioso como aquilo que vestimos pode ter um impacto e uma importância tão grandes. E, na maior parte das vezes, nem se trata de vaidade. Trata-se de valorização pessoal. Mas, caso prevaleça a primeira circunstância, também é uma maneira de cuidarmos de nós, da nossa imagem - de dentro para fora, como ressalvo constantemente. O importante é que cada uma das peças que usamos reflita quem somos. Ou que nos deixe um passo mais perto de quem queremos ser.

A minha ligação com a roupa sempre foi inconstante e diretamente proporcional à relação que tinha - e tenho - com o meu corpo. Estou longe de poder comprar tudo aquilo que me desperta interesse, porque nem todas as peças irão favorecer a minha figura. No entanto, tenho noção que, mesmo com o peso ideal, isso continuaria a acontecer. Portanto, aprendi a relativizar esta questão e a não me culpabilizar. Consequentemente, procurei mudar o meu foco de ação, ao ponto de me sentir bem comigo, para que isso transparecesse na escolha do meu vestuário. Sem receios. Sem inseguranças. Sem assumir uma posição tóxica, que limitasse o meu bem-estar. Talvez por essa razão tenha fugido de conjuntos em permanente desleixo, porque ainda me preocupo o suficiente para desistir. Para me conformar. Serei sempre mais do que a minha aparência, mas a roupa com que escolho abraçar o meu dia também pode ser um argumento para as causas que defendo. E esta será sempre a minha marca - e a minha luta.

Pessoalmente, não tenho um estilo linear. Preocupo-me, sobretudo, que se adeque às minhas preferências - gerais e/ou momentâneas. Que desconstrua as minhas dúvidas. E que me permita reconhecer as diferentes transições - de peso e de gosto. Continuo a não tolerar roupa justa, que evidencie a minha barriga, mas percebi que uma das minhas maiores provas de aceitação está no motivo: deixou de ser por vergonha ou por medo de comentários negativos e passou a ser por sentir que, não tendo que me esconder, posso aproveitar a minha confiança para destacar outras partes do meu corpo que me deixem mais satisfeita. Ver-me ao espelho deixou de ser um sacrifício, porque aprendi que não são os outros que me avaliam, sou eu que [lhes] abro essa porta. Portanto, optei por fechá-la. Para já, apertados só os abraços. E refugio-me na história da minha roupa para contar a minha - que permanece em sucessivas metamorfoses. Mas sempre bem vestida para qualquer ocasião!



Uma Peça de Roupa...


... Especial
O vestido do meu 18º aniversário. Curiosamente, procuro sempre um vestido para esta data. E tudo começou quando atingi a maioridade - se calhar, foi o meu despertar. Sabem quando encontram aquilo que mais querem no sítio menos provável? Foi o que me aconteceu com esta peça. Após correr várias lojas, entrei na Lanidor sem qualquer esperança. E dei de caras com um vestido simples, em tons de branco, azul e laranja, que me encheu as medidas. Os astros conspiraram a meu favor, pois senti-me verdadeiramente bonita dentro dele. Ainda hoje o tenho!



... Confortável, mas que me faz sentir poderosa
As calças de ganga que comprei na C&A. Têm um corte simples, skinny, de cintura subida e sem qualquer apontamento que as destaque. No entanto, adoro a forma como assentam no meu corpo. Infelizmente, rasgaram e, desde que as mandei compor, já não as uso tanto - e não encontro outras iguais. Apesar disso, continuam no meu armário, porque sinto-me imparável quando as visto.



... Que ainda usarei
A t-shirt [supostamente, vestido] que ganhei, há uns anos, no passatempo lançado pela Mel Jordão, cujo objetivo era escrever um texto a partir do título As vantagens de ser invisível. O tamanho dela é um S, por isso, fica-me apertada. E não me sinto nada confortável para a usar em público. Ainda. Porque é uma excelente maneira de me manter focada no meu processo de perda de peso.



... Sensual
Soutiens de renda. Adoro! Estou cada vez mais rendida. E sou, particularmente, apreciadora dos cropped. Comprei um preto na Primark e tenho usado e abusado dele.



... Que me faz suspirar
Um sobretudo vermelho. Há imenso tempo que quero um, mas nunca invisto numa peça destas. Vou fazer por ser, finalmente, este ano, até porque sinto que dá logo um toque irreverente ao conjunto que estamos a usar.



... Memorável, mas que, dificilmente, voltará a entrar no meu roupeiro
Calças à boca de sino. Tive dois pares, mas morria de amores por um, pelo facto de ter bolsos a meio da perna. Se pudesse, andava com ele todos os dias. Naquela altura, quanto mais largas fossem as calças melhor. Hoje, nem sequer me imagino a voltar a vesti-las. Foi, muito provavelmente, a tendência que deixei fechada no passado.



... Que simboliza pertença
O meu traje. E, mais tarde, apenas a minha capa. Porque são a ponte para os anos mais felizes da minha vida e para as memórias que me aconchegam o lado esquerdo do peito. A ESE há-de ser sempre a minha casa. E a praxe, indiscutivelmente, uma grande parte do meu crescimento. Por mais que o tempo avance, de capa traçada, ao lado das minhas pessoas, terei sempre um motivo para voltar.





[Publicação inserida no Desafio 1+3]

23 comentários

  1. Gostei mesmo muito deste teu post para este desafio :) Realmente tambem assim como tu, a roupa e mesmo uma segunda pele e tenho mesmo que me senti confortável quando a uso :)
    O vestido é lindo :) e olha uma foto na minha terrinha que adoro, Aguda :)
    Já falei desses soutiens que não dispenso no meu blog, recomendo hehe :)
    Bjinhosss minha querida*
    https://matildeferreira.co.uk/

    ResponderEliminar
  2. Bom dia / Boa tarde / Boa noite.

    Diz-me como te vestes e dir-te-ei quem és...
    .
    * Ambos sabemos meu Amor que ... *

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito das escolhas, tenho um soutien igual que adoro, e também sonho com um casaco de inverno vermelho!!

    Mas mais que tudo gostei das tuas descrições de como te sentes no teu corpo e nas tuas roupas, e de como te valorizas e respeitas, e isso ninguém te pode tirar!! Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Olá
    Adorei este desafio... eu também já fui mais gordinha e nunca tive problemas com os comentários dos outros e, nunca tive vergonha de me fotografar para o blog. Até tenho uma publicação em fato de banho e falo precisamente da aceitação do nosso corpo tal e qual ele é e, não como o que os outros querem que ele seja.
    Estás maravilhosa nesse vestido quando fizeste 18 anos e, claro o fato académico não podia faltar!! Quanto aos soutiens tive que comprar tudo novo, pois os antigos ficava a nadar dentro deles pelo motivo que já sabes.
    Pronto acho que te vou mandar o mail, pode ser à tarde!!!
    Beijinhos

    marisasclosetblog.com

    ResponderEliminar
  5. Gostei do que vi, eu neste momento ando na onda da roupa confortável.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  6. Depois do que disseste, ponderei e decidi mandar e-mail à Carolina. É um projeto diferente e sendo que falo um pouco do tema pelo blog, não fazia sentido não participar. Sinceramente? Custa-me ainda muito comprar ou vestir alguma peça de roupa. Evito os vestidos ao máximo - lá está, devido à barriga -, mas quando os visto, principalmente aqueles de malha, todos colados ahah, sinto-me poderosa (mas são muitos os olhares, tanto bons e tanto maus, sendo que com os últimos não me preocupo já tanto). Está a ser uma dor de cabeça tremenda para decidir o que vou vestir amanhã, num festival. Não sei se vá de vestido, de saia ou de jeans, e o pior? É que sinto-me bem em todos eles ahah. Tãooo difícil. Ainda tenho umas boas horas para decidir, a ver se visto peça por peça para me decidir (sendo que quase todas são pretas, a não ser a blusa que acompanha as jeans e a saia).

    Também quando gosto muito de umas jeans, é até rasgar, devido à fricção entre pernas - que é uma boa treta. Por acaso, ando em busca de umas dessa cor, mas é muito difícil. Beijinhos querida <3

    ResponderEliminar
  7. Que saudades do meu traje!!! Adorava andar com ele :)
    Adoro esse casaco vermelho <3 também queria um!

    ResponderEliminar
  8. Aaaahhhhh adoro!!!
    Estás super fofinha nas fotos!! E verdade o traje é algo que também me enche e preenche :D

    ResponderEliminar
  9. Oh gostei bastante de conhecer um pouco mais sobre esse desafio, acho que também sou como tu adoro estar vestida com uma roupa bastante confortável, e posso dizer que também adoro top de renda
    gostei bastante também de cada uma das tuas fotos
    Beijinhos
    Novo post (Unha Decorada?) // CantinhoDaSofia /Facebook /Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  10. Gostei imenso deste teu post, também sou como tu sei que não posso vestir tudo o que me apetece porque nem todas as roupas me favorecem e nesse sentido é preferível não vestir que fazer má figura.

    Gostei imenso do vestido dos 18 anos: simples e suave. Comprei tanta roupa na Clockhouse do C&A, adorava. Actualmente é raro comprar.

    Ainda tive calças à boca de sino, eram o máximo, actualmente não me atreveria a vesti-las, acho que me transformaria num pinguim xD.

    Beijinhos! =)

    ResponderEliminar
  11. Já me ia esquecendo, mas nomeei-te para uma Tag no meu blog. Beijinhos!!

    ResponderEliminar
  12. Amei tudo, principalmente o primeiro vestido. Eu costumo vestir-me consoante o estado de espírito mas também gosto muito de dar um pouco mais de mim em ocasiões especiais. Beijinhos*

    ResponderEliminar
  13. Todo mundo tem AQUELA peça de roupa que a faz se sentir especial, né? Eu nunca liguei muito para moda e tendências, mas claro, tenho também as minhas peças favoritas. Esse sobretudo vermelho, que coisa mais linda. Desejei também! :)

    ResponderEliminar
  14. ;D

    Adorei o desafio. Suspiro por sobretudo vermelho, mas também não tenho nenhum! hahaha! Mas também quero investir em um.

    Ótima sexta!

    Beijo! ^^

    ResponderEliminar
  15. Que belo post! Eu sou um pouco vaidosa tenho sempre uma pecinha de roupa nova no meu aniversário, mas tenho que me sentir bem.
    Feliz fim de semana
    Bjs

    ResponderEliminar
  16. R: ehehe sou um prato. Também achas que podes ir presa se não andares com o c.c.? Não sei como me lembrei desta, ou melhor eu sei, porque uma professora dizia sempre isto xD

    ResponderEliminar
  17. O vestido é mesmo giro! E o sutiã também vai imenso de encontro aos modelos que acho mais giros :)
    Tal como dizes, é bom vestirmo-nos no intuito de gostarmos do que vemos e não tanto de esconder o que achamos serem os nossos aspectos menos bons.

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  18. Tal e qual, meu bem :)

    Sou muito como tu. A escolha da roupa que visto não pode ser premeditada. Não consigo deitar-me e deixar a roupa do dia seguinte preparada... Tenho de sentir aquilo que quero vestir.
    Em relação à aceitação, tenho uma visão geral sobre isso... não nos devemos focar naquilo que "nos fica mal" mas naquilo que "nos faz sentir confortáveis". A moda é uma forma de expressão e não há ninguém que possa apontar o dedo e dizer "estás ridícul@"... porque se a pessoa se sente bem, sente o power e está confiante, é isso que importa!
    Realmente o vestido do teu 18º aniversário é lindo, lindo!!! :D

    NEW BRANDING POST | SUMMER IS YOURS: MY SUMMER BAG IS READY. :O
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  19. Só tu para fazeres de um tema até simples uma publicação tão maravilhosa. Que incrível.
    Adorei o facto de não pegares apenas numa peça de roupa, mas sim num conjunto delas e contar-nos um bocadinho sobre cada uma.

    De facto, a nossa roupa define-nos, mas não mostra tudo aquilo que somos para além daquela "segunda pele". E o mais importante será sempre sentirmos-nos bem, confortáveis, confiantes e poderosos quer estejamos mais ou menos produzidos, o essencial é que aquela peça de roupa nos faça feliz e um dia nos possa contar histórias de momentos felizes.

    E, tal como tu, também não tenho um estilo linear e pré-definido, depende do momento e do tempo que tenha. Tem dias em que me podes ver de leggins, sweat e sapatilhas, outros em que me podes ver de bota, calça e camisa :p
    Como tu disseste, e bem, sempre bem vestida para qualquer ocasião :)

    ResponderEliminar
  20. Ai o que umas boas calças de ganga fazes! Também tenho um par no armário que sempre que as visto sinto que dou um up no meu estado de espírito. Eu acho que a roupa é bastante terapêutica! No meu estágio de psiquiatria era importante documentarmos a cor da roupa e a forma como estava a ser utilizada pela pessoa e, acredita, dizia muito. As pessoas dizem muito mais através das duas opções e ações do que com palavras. A roupa é apenas um reflexo disso! :)

    ResponderEliminar
  21. adorei este post, que desafio tão giro (:

    http://arrblogs.blogspot.com/

    ResponderEliminar