La Casa de Papel

Fotografia retirada do site Serie Maníacos


«Bela Ciao, Bela Ciao, Bela Ciao, Ciao, Ciao»



O surrealismo não está somente nas máscaras de Salvador Dalí. Transcende para a incoerência automática de sentirmos empatia por um grupo de assaltantes e de quase desprezarmos a totalidade dos reféns. Em que mundo é que isto é possível? Naquele que é partilhado por todos os que assistiram e se apaixonaram por La Casa de Papel.

A série criada por Álex Pina figurava na lista das sete que eu queria começar a ver. Após um dia a meio gás e dois de dedicação intensiva, concluí-a. E só lamento não o ter feito mais cedo. Porque é um género que aprecio. E porque me surpreendeu bastante, superando todas as minhas expectativas. A sua premissa é simples, focada e, em parte, misteriosa, mas acaba por não fazer total justiça ao enredo. Aliás, resumi-la a oito ladrões que se fecharam «na Casa Nacional da Moeda espanhola, enquanto um génio do crime manipula a polícia para executar o seu plano» torna-se ligeiramente redutor. E não é suficiente para desvendarmos todos os seus contornos.

Efetivamente, o mote prende-se com a descrição anterior. Porém, facilmente percebemos que esta é apenas a camada mais superficial, porque espera-nos uma história muito mais profunda. Além disso, assume um caráter emocional tão intenso, que nos leva a admirar e, inclusivamente, a sofrer com a história de cada um dos criminosos. E aqui não posso deixar de fazer referência a dois aspetos curiosos e, para mim, fascinantes: o facto de não poderem partilhar entre si qualquer informação pessoal e de escolherem uma cidade para ser o seu nome. E foi assim, com esta nova identidade [tão diferente e diversa, como eles], que embarcaram numa aventura alucinante. Pessoalmente, considero que é esta atenção aos detalhes que marca a diferença, mas sinto que o sucesso da série também se deve - e muito - à dinâmica da mesma, uma vez que não há qualquer quebra de ritmo. E acho que isso ficou claro quando vimos o assalto a acontecer logo no primeiro episódio. Sem apontamentos exagerados, a ação conta com o uso de flashbacks e com a narração de Tóquio, em alguns momentos chave. O que não só cria um excelente equilíbrio, como também nos envolve, ao ponto de nos sentimos parte integrante. 

A motivação principal pode, aparentemente, ser o dinheiro. No entanto, à medida que avançamos, percebemos que há uma homenagem que a sustenta. E é este lado humano, protagonizado por pessoas que não tinham nada a perder, que nos conquista e nos faz estar ao seu lado, a torcer para que o plano funcione. Contudo, nenhum plano, por mais meticuloso que seja, segue sempre uma linha reta, porque há variáveis imprevistas, que não controlamos e que nos obrigam a desviar da rota previamente traçada. E se, inevitavelmente, ficamos com a perceção de existirem pontas soltas capazes de comprometer toda a ideia, mais tarde verificamos que, afinal, a polícia estava exatamente onde eles a queriam. Por outro lado, não é menos verdade que terão que improvisar. No meio de todas estas jogadas, como se estivéssemos num autêntico jogo de xadrez, vamos sentir-nos no limbo. Nervosos, ansiosos, sem imaginarmos o que acontecerá a seguir. E, pior, sem decifrarmos se o desfecho será favorável.

O meu coração esteve constantemente em alvoroço. Pela arrogância do Professor em estar tão perto, mas sem perder aquela postura indefesa. Pela impulsividade. Pela desconfiança. Pela loucura que se apoderou do grupo. Pelo sangue quente. Pela dor da despedida. Pelo detalhe que leva tudo a desmoronar-se como um castelo de cartas. Pelo perdão. Pelo risco vivido ao limite. E pela sensação inquietante de sermos testados ao segundo. Esta família é extremamente disfuncional e algo inconsequente, reunindo o melhor e o pior de cada um dos seus elementos. Astutos e movidos por um forte sentido de honra, acabam por colocar em cheque os verdadeiros valores da sociedade e das altas figuras políticas, financeiras e policiais, levando-nos a questionar se as leis são aplicadas de forma igualitária ou se se alteram consoante os autores dos delitos. Há tanto a acontecer, e sem nós termos noção plena disso. Será que podemos confiar em todas as entidades?

29 comentários

  1. As mascaras são realmente simpáticas, tenho que ver esta série La Casa de Papel.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  2. Imagino que seja ou que tenha sido bom. Curioso. :))

    Bjos
    Um bom dia de Terça-Feira

    ResponderEliminar
  3. Ainda não tive tempo para ver essa série, mas vejo mesmo muita gente a falar muito bem dela!

    https://quase-italiana.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Apesar de estar a gostar da série já estou ansiosa por a terminar :P Não tenho visto mais nada, só Casa de Papel e começa a ser só mais do mesmo. "AH, é agora que são apanhados. Oh, afinal não" :P

    ResponderEliminar
  5. O teu review e muito bom mas continuo sem vontade de ver a série... será que os fins justificam mesmo os meios? Continuo com a minha opinião quem nem sempre... depois de ver documentários da bbc sobre assaltos de motorizadas e posse de armas brancas em que dizem q fazem aquilo por gosto... como é que pode haver gosto em fazer o mal? Parece que essa gente numa realidade paralela... :( da medo viver neste mundo com está humanidade completamente distorcida da realidade :(
    Bjinhosss
    https://matildeferreira.co.uk

    ResponderEliminar
  6. Acabei-a ontem! Adorei a série, mas queria mais para o final...hahah

    ResponderEliminar
  7. devorei a série! para mim é das melhores séries que já vi :)

    ResponderEliminar
  8. Já são tantos (e tão bons!) os feedbacks que tenho lido, que fico a pensar que é desta que me vou viciar numa série ahahah :)
    Nada que agradecer, linda, é de coração!
    Beijinho enorme*
    Bem-Me-Quer

    ResponderEliminar
  9. Tenho lido imensas boas críticas à série e no twitter não se fala doutra coisa, mas foi isso mesmo que me tirou toda a vontade de ver - sinto que já conheço tudo o que há para conhecer e que já sei todos os spoilers, mesmo que tal não seja verdade, e, por isso, a minha curiosidade é muito reduzida. Ainda assim, adorei ler a tua crítica, porque me apresentou uma nova perspetiva, fresca e que suscitou um bocadinho de curiosidade em mim, ao contrário de todas as outras que li. Vamos lá ver o que é que faço agora!

    Beijinhos e bons posts,
    Bia do Bookaholic.

    ResponderEliminar
  10. A melhor crítica que li da série.
    Está estupenda Andreia!
    Confesso que a mim a série não me agarrou de início, talvez pela minha antipatia pela tóquio ou pelo meu cansaço, não sei bem explicar, só sei que após os dois últimos episódios da primeira temporada, em que em parte se desmistifica muita das realidades, fiquei colada ao ecrã, exatamente como dizes: ansiosa, nervosa, a querer mais.
    Via a série de novo, sem dúvida!

    ResponderEliminar
  11. Ainda nao vi mas tenho ouvido falar maravilhas!

    ResponderEliminar
  12. Ainda não me puxou para ver essa série, acreditas?? Ahah

    Beijinhos
    THAT GIRL | FACEBOOK PAGE | INSTAGRAM | TWITTER | YOUTUBE

    ResponderEliminar
  13. Andreia, tu acreditas que eu até estava mal disposta nos últimos episódios, tal era a forma como estava a viver aquilo? Eu consumo séries de uma forma incrível e digo-te, há muito tempo que não me sentia assim. Não sentia tanta emoção e tanta empatia com as personagens há séculos..

    THE PINK ELEPHANT SHOE

    ResponderEliminar
  14. Só ouço maravilhas sobre esta série, estou mesmo com vontade de ver!

    Bjxxx
    Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  15. Já ouvi falar maravilhas da série, mas ainda não vi! Fiquei curiosa! :D

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  16. Nem de propósito, vi ontem o segundo episódio que me desiludiu um pouco, com as aventuras da Tokio e do seu amigo colorido. Poderia ser mesmo trágico metia mais emoção e foi apenas mais algo normal e o facto dela estar sempre a ter atitudes depois de todo o treino que tiveram não sei não achei piada, não segui a lógica..
    Beijinhos Andreia espero que a Páscoa tenha sido fantástica!

    ResponderEliminar
  17. Bem, já ouço tanto sobre a série que se calhar já é tempo de a começar a ver ahah

    Beijinho querida,
    santiago | facebook | instagram

    ResponderEliminar
  18. Toda a gente fala dessa série, ando muito curiosa para ver, mas ainda não tive tempo. Mil beijinhos*

    www.lifewithju.com

    ResponderEliminar
  19. Uma das séries que vou começar a ver e tenho imensa curiosidade
    https://retromaggie.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  20. " (...) vamos sentir-nos no limbo. Nervosos, ansiosos, sem imaginarmos o que acontecerá a seguir. E, pior, sem decifrarmos se o desfecho será favorável." - tão isto. Vibrei e senti tanta coisa ao ver esta série. Achei-a mesmo genial, a ideia está só incrível e no fim quando percebemos que é também uma crítica a certos aspetos da sociedade ainda ficamos a torcer mais por estes ladrões.
    Vi em quatro dias e quando acabei fiquei mesmo nostálgica e a pensar que não deveria ter visto tão rápido ahah
    Embora achasse que alguns episódios enrolavam um pouco, acabavam por ter 10\15 minutos que me fizeram sempre achar o episódio fantástico. Das melhores séries que vi, diferente do habitual mas que cumpre.
    Sou apologista de haver mais uma temporada (uma mini temporada) apenas para responder a algumas questões que ficaram um bocadinho no ar. Como a relação de Berlim e do Professor, como se verificou no final, gostava de saber se são irmãos do mesmo pai e da mesma mãe, o porquê de ser o Professor a mente de tudo, etc. Além disso gostava de saber o que farão depois e para onde irão, será que a Tóquio acaba por ficar com Rio? Afinal eles seguiram sentidos diferentes. Mais uns episódios apenas para nos dar respostas e sem estragar a série - o que infelizmente acontece muitas vezes quando insistem em novas temporadas. Mas nunca se sabe :)
    Adorei a crítica :)

    ResponderEliminar
  21. Como já referi devido ao hype da série não tenho grande curiosidade em ver, mas acredito que seja boa. =)

    MRS. MARGOT

    ResponderEliminar
  22. Já não é a primeira review que vejo desta série e desconfio que seja a última. O facto é que a série viralizou de tal maneira que já todos falam nela (a não ser eu que nem sequer a vi). Não sei se estou ou não curiosa visto que o enredo não é dos que mais aprecio. Ainda assim darei uma vista de olhos em alguns excertos que possam estar no YouTube. Também com o tempo reduzido que tenho, não há tempo para mais nada. Beijinhos <3

    ResponderEliminar
  23. Nunca tinha ouvido falar na série.

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  24. É exatamente isso, meu bem. Ditos ou escritos de forma diferente, as pessoas acabam por perceber que, efetivamente, faz sentido!
    Obrigado :D

    Incrivelmente devo ser das poucas pessoas que não viu a série e, depois de ter lido esta tua crítica, fiquei com ainda menos vontade! Não faz de todo o meu género e não acho que seja muito consensual na sua temática!

    NEW DIY POST | 2 DECOR DIY'S in Less Than 15 Minutes: Learn to Recycle :o
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  25. sou viciada na série, estou quase a acabar.

    ResponderEliminar
  26. Impressionante como fazes uma descrição tão diferente e depois chegas à mesma conclusão que eu numa publicação recente do meu blogue.
    Realmente a série fascina por isso mesmo.

    Contudo, não sentiste que a relação entre o Professor e a Inspectora tem um qb de novela?

    BIJU DA JU ❤

    ResponderEliminar
  27. Eu já tinha visto a série há algum tempo e adorei :)
    Gostei do que tu escreveste :)

    ResponderEliminar
  28. Tentámos ver, mas por alguma razão devemos ser os únicos a não achar muita graça a isto...

    ResponderEliminar