Entrelinhas #35

Fotografia da minha autoria

«(...) O destino irá cruzar os caminhos de Cathryn e Thomas numa história magnífica de superação, ensinando-os a transformar as adversidades em oportunidades e a valorizar a beleza que existe em tudo o que os rodeia»


Adoro que me ofereçam livros. Não só porque a leitura é uma das minhas maiores paixões, mas também pela imprevisibilidade. Quando sou eu a comprar, naturalmente, acabo por selecionar autores e/ou estilos que me sejam mais próximos, ainda que também arrisque em algo novo. Quando um livro é escolhido por terceiros, a possibilidade de sair da minha zona de conforto é muito maior, permitindo-me, igualmente, descobrir obras que, de outro modo, não figurariam nas minhas opções.

O Café do Amor foi uma prenda de Natal [2016]. E fiquei genuinamente agradada com a narrativa. Não conhecia a autora, mas rendi-me à sua escrita bastante descritiva, mas sem ser excessiva. Além disso, apreciei bastante a sua utilização do humor, que contribuiu para amenizar o peso de todo o sofrimento. Há alguns detalhes e consequências mais previsíveis, mas grande parte do caminho traçado é uma autêntica surpresa. O que me prendeu ainda mais! Honestamente, sinto que a maior qualidade deste enredo é a quantidade de ensinamentos que nos transmite, porque nos faz refletir acerca de tudo aquilo que é verdadeiramente importante. 

Por um lado, temos Cathryn, que vê o seu futuro comprometido quando sofre um trágico acidente. E, por outro, vamos conhecer Thomas, que fica sem razões para viver quando perde a mulher e o filho durante os atentados às Torres Gémeas. Estas duas histórias, que carregam uma inestimável fonte de amarguras, acontecem em simultâneo. E, aparentemente, sem algo que as interligue. Contudo, a vida dá tantas voltas que Cathryn e Thomas não só se conhecem, como também se tornam um pilar um para o outro. Percebemos, assim, que ambos se encontram num processo de cura, deveras lento, e que permanecerem lado a lado lhes permitirá ultrapassar certos medos e traumas. E alcançar uma nova oportunidade para recuperarem e refazerem o seu percurso. É incrível como as prioridades mudam após acontecimentos tão devastadores. E como somos confrontados por tantas dualidades: o poder da beleza vs o medo de voltar a olhar para o espelho. O narcisismo vs o ego ferido. Família vs solidão. A fama vs o anonimato. Todas estas temáticas são expostas, elaboradas e repensadas. Paralelamente, também a questão do suicídio apresenta uma grande relevância nesta narrativa. Cada pessoa tem os seus mecanismos de defesa. E um plano delineado para gerir todas as reviravoltas. O que importa aqui perceber é que todos os seres humanos passam por momentos de vulnerabilidade. E o que os salva é, na maior parte das ocasiões, as relações que estabelecem com os outros.

Escrito com uma sensibilidade incomensurável, O Café do Amor transborda sentimentos e sensações. De luta. De superação. De determinação. E de amor! A história é intensa. E nota-se que a descrição do processo de cura de uma vítima de queimaduras é bastante sustentada. Da mesma maneira que a própria descrição do acidente, por ser tão pormenorizada, nos transporta para o momento em questão. Há marcas que ficam para sempre, mas esta obra demonstra-nos que tudo é fugaz. No entanto, aquilo que pode parecer o fim, pode ser apenas um começo para um amanhã renovado!


Deixo-vos, agora, com algumas citações:

«Virei-me com uma bandeja cheia de pratos e dei com um rapazinho a olhar para mim. Boquiaberto, hipnotizado. Era parecido com Ethan. Mais ainda do que a maioria. Todos os miúdos com menos de cinco anos me lembravam o meu filho» (p:29);

«- Cathy - disse ele em voz baixa -, chamo-me Thomas e vou-te descrever o pôr do sol na montanha de Hog Back, tal como o vejo no alpendre da casa da tua avó Nettie» (p:82);

«As pessoas querem sempre ajuda, mas não o admitem. Especialmente quando são jovens e desconfiam que o mundo está cheio de monstros. As mais rijas são defensivas e as mais brandas constroem contos de fadas à sua volta» (p:129);

«Agimos por impulso ou o impulso é a desculpa para o nosso subconsciente se libertar?» (p:184).

26 comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como diz a autora, adoro receber
      livros. Eu também, meu anjo. O
      difícil, pelo menos para mim, é
      entender o porquê de ser tão caros.
      Mesmo assim eu os compro, mas devo
      admitir que sou péssimo para emprestar.
      Dá-los é uma das minhas virtudes, mas
      dificilmente eu os tenho de sobra...

      Beijos, Matilde.

      silvioafonso



      ;

      Eliminar

  2. Receber livros e das melhores coisas que podemos ter e concordo em absoluto ctg, princesa :)
    Excelente review, gostei da história :)
    Bjinhosss
    PS:adoro a foro, esse pijama e tão fofo😍
    https://matildeferreira.co.uk/

    ResponderEliminar
  3. Fiquei super curiosa com a história, parece ser um livro nesmo interessante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais interessante do que deve ser o
      livro é a sinopse que Andreia faz da
      obra. Resumir um conto, uma história
      tem o seu mérito, mas a síntese de um
      trabalho carece de total conhecimento
      da matéria que se designa comentar.

      Portanto, minha doce Pepper, palmas para
      Andreia, ou melhor. Um Tocantis inteiro,
      porque ela merece.

      Beijos,

      silvioafonso



      .

      Eliminar
  4. Fiquei curiosa com o Café do Amor, apesar de não andar muito virada para leituras do género. Mas descreveste-o tão bem que me deixas sempre com vontade de ler tudo o que tu lês! <3

    THE PINK ELEPHANT SHOE // Instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Render-se ao gosto
      alheio não é só uma
      forma de agradar, mas
      de respeitar nos outros
      o valor de suas escolhas.

      Isso é nobre. Digno de uma
      pessoa agradável e generosa.

      Beijos.

      silvioafonso



      .

      Eliminar
  5. Pão de forma. Viajar de
    norte a sul de Portugal...
    Taí. Bela pedida.

    Beijos,

    silvioafonso


    .

    ResponderEliminar
  6. Adoro escritas bastante descritivas, por acabo por imaginar tudo ao pormenor ahaha
    Gostei bastante da resenha que fizeste, não conhecia, mas a história fala muito sobre as torres gémeas? É que não gosto muito de ler/ver sobre isso :b

    Beijinhos,
    BLOG DEZASSETE

    ResponderEliminar
  7. Não li esse livro, mas parece interessante.
    Amiga Andreia, continuação de boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Para quem tem o gosto de ler, receber um livro é sempre uma dádiva de Deus.
    .
    Tema: * O Silêncio da Luzência em noite escura *
    .
    Continuação de um Ano Feliz
    Bom dia

    ResponderEliminar
  9. Oi Andreia
    Pela tua bela e consistente resenha me parece uma obra bem interessante e ganhar livros de presente é tudo de bom.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Não costumo ligar assim muito à leitura dos livros, mas a história do Café do Amor entusiasmou-me.

    ResponderEliminar
  11. Amei a foto!
    Me.interessei super pelo livro!

    ResponderEliminar
  12. Gosto muito de livros que tenha superação, O Café do Amor parece ser um bom livro com uma história que prende o leitor, gostei muito da sua indicação, Andreia bjs.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderEliminar
  13. É sempre bom receber livros :)

    Fiquei curiosa com a história, não sei se é o teu jeito com que falas dos livros, mas a verdade é que já apontei muitos do que sugeriste :p

    ResponderEliminar
  14. Também gosto muito que me ofereçam livros :) um livro é sempre uma viagem. Beijinhos

    ResponderEliminar
  15. Eu tinha três livros para ler e este Natal fiquei com quatro. O que me deixa uma certa amargura é que são todos oferecidos pela filha, que cresceu a ver o pai a ler todas as noites. Só que a visão já não ajuda e começo a ler um livro, mas raramente chego acordado a meio da página. Agora parece que só existem duas condições para eu adormecer: é a ler e a conduzir. :(

    ResponderEliminar
  16. Não conheço a autora, mas a história cativou-me :) a leitura também já foi uma paixão para mim :)
    Beijinho minha linda.

    ResponderEliminar
  17. Adorava ler este livro! As torres gêmeas aconteceram era eu bebé, e adorava saber mais. De facto, gosto de histórias que começam com uma tragedia. Ótima review como sempre! Beijinhos

    www.carolinafranco.pt

    ResponderEliminar
  18. fiquei curiosa com esse livro
    http://retromaggie.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  19. Obrigado, meu bem :D

    Tenho para 2018 um objetivo: ler mais, e já deveria ter começado!
    Fiquei muito curioso com o livro, como sempre :D

    NEW #DRESSTOIMPRESS POST | COATS ARE THE BEST PIECES ON SALE! Know how to choose yours.
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  20. .

    Voltei para agradecer aos que
    citaram meu nome em 2017 e aos que
    de mim nada sabem. A todos eu desejo
    um ano diferente e bem mais proveitoso.

    Um beijo aos que gostam de beijo
    e um abraço para quem do beijo
    não se interessa, mas para os
    especiais, como eu, um abraço e
    um beijo, no mesmo pacote, para
    o seu refinado deguste.

    silvioafonso



    .

    ResponderEliminar