Entrelinhas #30

Fotografia da minha autoria

«(...) Após uma viagem inesquecível pela Ásia, decidi partilhar convosco esses longos dias que tanto me marcaram. Mas fiz mais do que isso»


Jessica Athayde tem sido uma verdadeira surpresa. Enquanto atriz, lembro-me de ver a sua personagem na série Morangos Com Açúcar crescer para outros papéis de maior destaque. E é neste formato que a tenho acompanhado. No entanto, descobri a sua faceta de escritora através do seu blogue, Jessy James. E, no ano passado, avancei para os livros. Atualmente, conta com duas obras publicadas, mas a minha escolha incidiu na mais recente. E não me desiludiu. Muito pelo contrário!

«O Meu Oriente» é leve e contagiante. Despretensioso. E esteticamente bonito, porque todo o livro tem cor e uma estrutura apelativa. Além disso, é recheado de fotografias inspiradoras, que aumentam a nossa vontade de partir à descoberta. Sou apaixonada por viagens, ainda que nunca tenha feito uma desta dimensão. E fico sempre maravilhada quando a narrativa se torna tão próxima, como se conseguíssemos reproduzir todos os passos no imediato. Perante inúmeras peripécias, percebemos que aconteceram momentos incríveis, mas também houve lugar a contratempos. E este livro não se restringe à partilha do convívio, dos planos e de tudo o que foi visto nos diversos locais. Porque esta viagem, para além de física, é pessoal. De auto-conhecimento. De desapego. E de superação. Não só pela diferença de realidades, mas também por ser realizada a solo. Confesso que não me imagino a abraçar uma aventura assim, de mochila às costas, sem companhia, mas depois desta leitura não fecho a porta a essa possibilidade. Até porque sair da nossa zona de conforto é extremamente enriquecedor. E a prova de que a vida acontece para lá da nossa bolha.

Uma particularidade que me deixou logo entusiasmada, assim que li a sinopse, foi o facto de a autora não se limitar a contar a sua experiência, mas de ter o cuidado de apresentar alternativas muito semelhantes em Portugal. Como Jessica Athayde refere, esta obra é a prova de que não precisamos de atravessar o mundo para desfrutar das mesmas oportunidades. Deste modo, vamos encontrar bastantes sugestões, a uma distância muito mais cómoda para a maioria. Paralelamente, fiquei encantada com a espécie de guia que criou para quem viaja sozinho. E com os alertas sobre aquilo que se torna obrigatório visitar/fazer em cada um dos sítios, para onde nos levou através das suas palavras. Há uma exposição muito pura em todos os capítulos, que nos conquista de imediato e que nos faz desejar que o fim não chegue muito rápido. 

A linguagem é simples e acessível. E há um excelente equilíbrio entre a componente visual e a componente textual. Inclusivamente, sinto que somos aconchegados por todas as emoções que a obra nos provoca. E que ficamos com água na boca por causa de todas as receitas, sobretudo pelas panquecas. Consequentemente, ficamos a conhecer conceitos completamente novos. E respiramos amor, principalmente quando fala sobre o seu casamento. A narrativa torna-se inesquecível. Irresistível. E altamente transformadora. No final, sentimo-nos tranquilos. E em paz!


Deixo-vos, agora, com algumas citações:

«Por muita coragem que se possa ter ao decidir embarcar sozinha nesta aventura, a verdade é que, para garantir que as coisas correm bem, é preciso planear com tempo» (p:13);

«É um verdadeiro oásis de relaxamento, a começar pela arquitetura típica, em madeira e rodeada de verde - para lá chegar é preciso entrar na floresta. Chega a ser surreal: estamos na rua principal de comércio com imenso barulho e agitação e, de repente, fazemos um desvio e ficamos no meio do nada, só com árvores e plantas à volta» (p:30)

«Só agora que partilho convosco este episódio é que estou a ter consciência do quão surreal é duas pessoas que se conhecem há meia dúzia de horas acabarem um dia a partilhar medos e inseguranças, desejos, vontades e paixões, com a mesma honestidade com que se desabafa com os amigos mais íntimos» (p:60);

«Viajar sem companhia obrigou-me a ter uma disponibilidade maior para os outros...» (p:94);

«Fiquei noiva no dia em que fiz 30 anos, num momento que teve tanto de surpreendente como de emocionante. Não estava à espera, chorei de alegria e de amor, o meu coração encheu-se de certezas absolutas e não tive dúvida alguma de que queria ser a metade da laranja daquele homem maravilhoso que me perguntava assim, de sorriso rasgado, se aceitava partilhar com ele o resto dos meus dias» (p:151);

18 comentários

  1. Gosto tanto desta miuda e da forma dela pensar :)
    Adorei a foto, esta linda :)
    Ja estive para comprar um livro dela, o anterior a este, se nao estou em erro :)
    Bjinhosss
    https://matildeferreira.co.uk/

    ResponderEliminar
  2. Deve ser bastante interessante o livro da Jessica Athayde, fiquei com vontade de o ler.
    Continuação de boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  3. Bom dia. Por acaso é uma Actriz que adoro. Logo, este livro deve ser muito bom e interessante. Adorei.

    Hoje: [Quero ser a lua, a noite, a chama que chega]

    Bjos
    Feliz, Quinta-Feira

    ResponderEliminar
  4. Eu gosto muito da Jessica e apesar de ainda não ter lido o livro, ela foi realmente muito corajosa em fazer esta viagem. Eu acredito que todos nós devíamos fazer uma viagem de descoberta a nós próprios!

    ResponderEliminar
  5. Fiquei com imensa curiosidade para ler o livro, até porque eu adorava fazer uma viagem sozinha e de mochila às costas :p

    ResponderEliminar
  6. A Jessica vai sempre lembrar-me a Mimi dos Morangos.

    Nunca li nenhum livro dela; mas este despertou-me curiosidade. Tenho que comprar.

    Beijinhos! :*

    ResponderEliminar
  7. O livro me deixou bastante curiosa, adorei as citações, não conheço a Jéssica mas já gostei muito dela, Andreia bjs.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderEliminar
  8. É um creme mara! ;D

    Ainda não conhecia o livro. Parece ser bacana!

    Ótima quinta!

    Beijo! ^^

    ResponderEliminar
  9. Tenho muita vontade de ir viajar sozinha , espero que 2018 seja o ano.

    ResponderEliminar
  10. Parece ser um bom livro.
    Obrigado pela sugestão.
    Continuação de boa semana, amiga Andreia.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  11. Confesso que apesar de ter curiosidade sobre os seus livros, nunca li nada dela, mas acho que vou levar esta tua sugestão!

    Bjxxx
    Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  12. Este livro ainda não li mas tenho curiosidade. Adorei o "não queiras ser perfeita" também dela, recomendo!

    ResponderEliminar
  13. Maravilhoso quando bem se começa,
    com amor e felicidade se continua
    caminhando com o tempo sem pressa
    no tempo, de chegar ao fim da rua!

    Tenha uma boa noite Andreia.

    ResponderEliminar
  14. Não gosto muito da Jessica Athayde, mas adorei a foto, muito bem conseguida.
    Beijinho linda.

    ResponderEliminar
  15. É exatamente isso, meu bem! Pena que muita gente não pense da mesma forma. Btw, não podemos, mesmo, mudar o mundo!

    Adoro a Jéssica e a vibe dela :D Fiquei muito curioso por devorar esse livro. Sei que todos temos um mundo para descobrir, mas vou ser sincero... Também não me imaginaria ir de mochila às costas. Sair da minha zona de conforto, dessa maneira que, para mim, é tão brusca, mete-me medo :P

    NEW OUTFIT POST | DECEMBER, ARE YOU ALREADY HERE?! :o
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  16. Temos muita curiosidade me relação a este livro...

    ResponderEliminar