Onde a saudade não chega


«Seremos cúmplices o resto da vida, ou talvez só até amanhecer. Fica tão fácil entregar a alma a quem nos traga um sopro do deserto, olhar onde a distância nunca acalma, esperando o que vier de peito aberto», Mafalda Veiga


O coração acalma com muito mais facilidade quando o entregamos a alguém que nos traga uma brisa do deserto. E só acalma porque é nesse exacto momento que sentimos que não há impossíveis, nem pontes quebradas, entre aquilo que eu quero e tu podes dar e aquilo que tu desejas e eu posso concretizar.

Eu senti este amor a crescer de dia para dia. Aos poucos, com bases firmes e cheias de certezas. Os olhos dos outros viram este amor crescer com paciência, como quem espera pelo desabrochar de um jasmim. Mas, principalmente, eu senti-o a rasgar as paredes do coração e a alojar-se por todo o meu corpo, como uma flor selvagem, que nasce livre e sem se preocupar em seguir regras.

Há dias em que sinto essa brisa do deserto a eriçar-me a pele, como se me avisasse da tua chegada, e aí o coração não acalma! Aí ele fala comigo como em mais nenhuma outra altura. Não há nada que me sossegue mais a inquietação do que esse teu sorriso largo, luminoso e terno. Sabes aquelas ocasiões em que parece que o mundo vai desabar e o chão vai fugir debaixo dos meus pés? Faria tanto sentido receber um abraço teu. Tenho pena é que não estejas aqui ao meu lado, nem faças ideia de tudo isto... É exactamente por essa razão que tenho saudades. Contudo, não te posso dizer que as tenho: porque nunca estiveste aqui o tempo suficiente para entrelaçar a minha vida na tua.

Gosto de entregar o meu coração sem receios, saber que o guardarás bem pertinho do teu e que, mesmo que o leves na palma da mão, estará protegido como se estivesse dentro de um pequeno cofre. Gosto que ele sinta a força com que o teu coração palpita, que estremeça de cada vez que o teu lhe fale baixinho e que sinta esse vento quente que o aconchega com ternura. Secretamente, és o meu ponto de luz, és tudo aquilo que eu sinto e não sei expressar, porque és «mais do que eu te sei dizer, mil vezes mais».

Vou fechar os olhos e escutar-te apenas com o coração. Vou deixar-me seduzir por essa voz meiga e ligeiramente rouca, como se fosses um rockstar famoso com um coração que se molda nas formas do amor. Sim, porque o amor tem várias formas e eu gostava de descobri-las todas contigo, como quem descobre a mensagem por trás das letras das músicas, como quem descobre um pedaço de terra, como quem procura uma relíquia e a preserva como se fosse a sua própria vida. No fundo, tu és a minha relíquia e eu quero preservar-te como se fosses a minha vida. Se bem que já o és. Vou voltar a fechar os olhos. Desta vez sigo para outro lugar, longe daqui, longe de ti, mas que me permita saber de ti todos os dias. Preciso de ir para onde a saudade não chega, porque ela mata-me por dentro. A saudade que me envolve faz-me querer estar contigo a toda a hora, mesmo sabendo que não pode ser assim. Nem sempre, ou quase na maior parte das vezes, pode ser como o coração quer!

É por tudo isto que me vou refugiar num lugar qualquer, quando o dia já não tiver luar. E um dia sem luar implica não me lembrar da luz do teu olhar. Tu não percebes isto, mas a verdade é que tudo me faz lembrar pequenas características tuas. Um dia, se não houver luar, vou enroscar-me no teu doce olhar, aconchegar-me na palma da tua mão, ancorar-me ao teu sorriso e prender-me ao teu coração. Um dia, quando não houver mais luar, sei que cheguei onde não chega a saudade; sei que hei-de voltar sempre para junto de ti, para partir a seguir e voltar a regressar.

É mesmo ao anoitecer, quando os meus olhos cor de mel dão lugar aos teus olhos cor de mar, que vasculho dentro de mim e me pergunto, tantas vezes, como é que este amor cresceu tão depressa, como é que eu me fui apaixonar por ti, logo por ti! Sei que nestes momentos o meu cérebro dá trambolhões sobre o coração, apenas para me ajudar a seguir factos lógicos, para perceber como tal amor despoletou dentro de mim. Há alturas em que a resposta é óbvia, há outras que nem tanto. Há alturas em que este amor fica de pernas para o ar. E eu sinto uma brisa do deserto, carregada de saudades. Sinto falta de ti, de tudo aquilo que tu és!

Não quero que as saudades estejam entre nós. Não quero sentir o meu coração desamparado de todas as vezes que te vejo a desaparecer do meu alcance. Quero ter-te sempre aqui, bem perto, para que a saudade nunca chegue.

Um dia, quando deixar de haver luar, deixarei de sentir saudades. Quando chegar a bom porto, deixarei de as sentir a arder em mim - porque, já terei entregue a minha alma. Esperar-te-ei de peito aberto, e nem por um segundo duvidarei que «seremos cúmplices o resto da vida». Quando a distância acalmar e encurtar o caminho que me separa de ti, então terei a certeza de que cheguei onde a saudade não pode chegar.


Parte do que sou. Junho, 2011

You Might Also Like

27 comentários

  1. Obrigadooooo *.* Os sapatos sem dúvida que foram amor à primeira vista. Estava mesmo a precisar de algo assim: entre o clássico, confortável e, claro está, irreverente. Achei-os a minha cara :D

    Em relação ao Doutoramento... Esta espera mata-me... As matrículas começam amanhã, dia 27, e não há meio de saber resultados ._.

    Sim, as missões são, sem sem dúvida, atos nobres e que devem ser respeitados. Não é toda a gente que tem a capacidade de o fazer. É de louvar, no entanto, que hajam pessoas a aventurar-se e a correr riscos para ajudar os outros.
    As saudades custam, mas pensa que é por uma boa causa. Pensa que em breve chegarão boas novidades, boas novas e que esta experiência pode e vai mudar a vida da pessoa para melhor.

    Imagina tu que, no decorrer do ano de 2011, já escrevias de uma forma fabulosa! Nota-se evolução de lá para cá. Mas a essência continua... E isso é lindo!

    GET THE LOOK: 50 SHADES OF SILVER
    InstagramFacebook Oficial PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  2. Quando aparece um livro? bom domingo!

    Isabel Sá
    http://btilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Lindo o texto!!! É sempre um prazer ler o que escreves!

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  4. Não é justo que escrevas assim *.*

    Uma pessoa não aguenta de tão rendida que fica.

    Queremos um livro depressa :D!

    Beijinhos minha querida! <3

    ResponderEliminar
  5. Andreia, escreve bem o que sente,
    que essa brisa carregada de saudade
    voando no vento transparente
    vinda, seja do deserto da sorte
    não do deserto da desumanidade
    onde os homens do mundo a pregar
    outros de tanto sofrimento a chorar
    sem poderem fugir da morte!

    Desejo bom dia de domingo,
    Andreia, digo sim porque gostei
    se dissesse que não, estava mentindo
    mentir, isso na minha vida nunca farei...

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  6. Nem sei que palavras te dizer!
    Está um texto simplesmente magnífico, como sempre!
    És grande, grande!
    Um grande beijinho *-* :)

    ResponderEliminar
  7. Adorei o texto, aqueles pequenas palavras que por vezes só o coração escuta.
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. É verdade!

    A saudade aparece de repente. E cada um escolhe se a torna boa ou ruim.

    Ótimo domingo, Andreia!

    Beijo! ^^

    ResponderEliminar
  9. Um texto de 2011, eras bem jovem e, já escrevias com tanta desenvoltura. Parabéns, muito lindo o seu texto. Obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderEliminar
  10. Já escrevias assim em 2011? Nem quero imaginar em 2025 ahah está tão lindo! Escreves mesmo bem, parabéns ! :)

    r: Também adoro a banda e, particularmente, o Miguel. Sempre o achei bastante humilde e concordo contigo em tudo o que referiste :)

    http://bloguedacatia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  11. Momento sentido e cheio de Amor e devoção :)
    Um Abraço
    Luis Sousa

    ResponderEliminar
  12. Perfeito, adorei cada palavra. Sabes que adoro ler-te, :)

    Bom domingo! *

    ResponderEliminar
  13. Olá Andreia, sei que tenho andado algo arredado destas paragens, mas não esqueço os blogs que vou espreitando.
    Nesse rol, claro que incondicionalmente estás tu.
    Dizer que gosto da tua escrita, estaria a ser repetitivo, já que isso tu sabes.
    Vou optar por te dizer:
    Que gostei de te ver à janela do tempo, debruçada no parapeito da saudade, com olhar prenho de esperança faminta a flutuar nas asas dos porquês!

    O teu Beijo!

    ResponderEliminar
  14. Uma pessoa lê um texto destes e nem sabe o que dizer... escreves tão bem que acho que um dia vais ser escritora. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. R: não é por simpatia, é porque escreves mesmo bem. :)

      Eliminar
  15. Mais um lindo texto e essa letra da Mafalda Veiga é fenomenal :)

    http://checkinonline.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  16. Muito lindo! Continues! Grande abraço!

    ResponderEliminar
  17. Meus deus, adorei!!! *.*
    r: Obrigada e obrigada querida :D

    ResponderEliminar
  18. Oi Andreia, eu amei o teu texto
    Escreves tao lindo...
    Eu quero que escrevas um libro e poder comprar, e ter-te assim a meu pé ;)

    Eu antes ainda escribia um bocado, mas agora quase nem da.

    Beijinhos minha linda

    ResponderEliminar
  19. Texto maravilhoso amei, tenha uma semana abençoada.
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=eNNlFtDc1-o
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  20. Que texto incrível! Foi você quem escreveu? Se for, não vejo a hora de ver um livro seu! Você tem talento! Parabéns! :) Beijos <3 http://gostosdeadolescentes.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  21. Elaaaah, não mudavas nada?! ADORO!!!
    Fico mesmo mesmo feliz. Finalmente consegui criar um look que gostasses verdadeiramente. Yes, Yes, Yes, dever cumprido Ahahah :D

    Mas sabes que quem espera desespera.... Espero hoje saber alguma coisa, caso contrário dá-me a travadinha. :P

    Sem dúvida que é de louvar quem parte em missão. Embora se fique com o coração nas mãos, o pensamento tem e deve ser sempre o mais positivo possível. Vamos ter fé :D

    Ora essa. Sabes bem que não tens de me agradecer. E sim, é sempre bom voltarmos atrás no tempo afim de percebermos se, aquilo que haviamos escrito há anos, ainda faz sentido :D

    NEW DIY POST: Customize Your Mobile Phone
    InstagramFacebook Oficial PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar