Acordo Ortográfico


«O progresso é impossível sem mudança», Bernard Shaw


A utilização do novo acordo ortográfico não é consensual. Há quem se recuse. Há quem use, mas se sinta contrariado. Há quem encare tudo isto com indiferença. Independentemente do grupo onde encaixamos, não tornem o assunto pior do que aquilo que já é. Ou seja, se se queixam que as palavras perdem identidade, não escrevam «de fato», quando, na verdade, facto não perde o «c» - sempre que alguém o faz apetece-me responder «é de fato e gravata». Fui aplicando o novo acordo aos poucos. Naturalmente, não concordo com tudo, também me engano e tenho dúvidas em muitas coisas - e em todas as vezes que isso acontece recorro ao livro da Porto Editora. Errar todos erramos. E não acho que isso seja grave desde que nos preocupemos em aprender. Grave é não nos informarmos. Ou, simplesmente, não querermos saber se as regras da nova ortografia se aplicam na totalidade ou existem exceções. É a nossa língua que está em causa. E se dizem que o novo acordo é uma tremenda desconsideração pelo que é nosso, há quem ainda lhe continue a faltar ao respeito. Mas não é desde agora. É há (e não à) anos!

You Might Also Like

29 comentários

  1. Lá temos que nos habituar às novas regras.

    Isabel Sá
    https://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Eu não consigo...ainda agarro-me ao "posso ou não"
    Essa do facto ha muito bia gente que tirou o "c" de todas as palavras
    Kis:=>}

    ResponderEliminar
  3. Confesso que ainda não estou habituada a esta mudança e ainda escrevo com as regras antigas...mas concordo contigo quando dizes que o desrespeito pela nossa língua não é de agora!

    ResponderEliminar
  4. Concordo contigo. Quando escrevo à mão ainda uso o acordo antigo.

    Mas no computador já uso o novo acordo.

    ResponderEliminar
  5. Há pessoas que sempre escreveram mal e que agora se metem com coisas como se fosse muito injusto mudar o acordo ortográfico... Tipo, nunca escreveram bem, não têm muita moral, pois não? Anyway (porque estrangeirismos também fazem parte da nossa língua :p) eu não escrevo. Já me informei sobre algumas das alterações mas não me consegui ainda adaptar. Fico toda trocada, nunca sei se hei-de escrever de X maneira ou de Y por isso o meu blogue e tudo o resto que escrevo tem-se mantido de forma antiga :) quem sabe um dia não atino com a coisa :p

    ResponderEliminar
  6. Não podias estar mais de acordo com a tua análise. Há tanta gente que maltrata a nossa língua!

    ResponderEliminar
  7. A grafia na variedade europeia do português é facto, com "c", porque os falantes desta variedade pronunciam esta consoante. No Brasil, uma vez que a consoante “c” não é pronunciada, a grafia é fato. Este exemplo é inclusivamente referido no texto do novo Acordo Ortográfico, na Base IV, 1.º, c).

    ResponderEliminar
  8. eu não consigo parece-me que estou a dar erros a retirar letras :S beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Concordo com você Andreia, :)

    Um beijo,

    www.purestyle.com.br

    ResponderEliminar
  10. r: obrigada querida :)
    (desculpa a demora a responder :s)

    ResponderEliminar
  11. Andreia, minha querida! Olha eu sou das tais que odeia o novo acordo, mas sei bem que temos que o aceitar. E se não o faço, lá vem algo me corrigir! Por isso comecei me a habituar e realmente agora já o utilizo mais! E não podia estar mais de acordo contigo, há pessoas que vão sempre escrever mal..seja como for o acordo!!

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  12. Eu ainda não me habituei totalmente. Tento escrever com o acordo, devido aos erros, porque ainda sou avaliada. Mas confesso que não me entra. Reparo que no mesmo texto, por vezes, escrevo a mesma palavra mais do que uma vez e de diferente forma(com e sem acordo)! Sou teimosa de tal forma, que insisto em escrever sem acordo!
    R.: Só não sei quando vou a casa, porque estudo longe :P :) Mas é fácil de encontrar pois foi publicado numa colectânea de um concurso regional que havia nas escolas chamado «Palavras Sentidas». Este deve ter algumas alterações, mas o original, original (com riscos e rabiscos) está com certeza nas gavetas do meu quarto! Obrigada :) Beijinho!

    ResponderEliminar
  13. Eu não estou a conseguir habituar-me e confesso que não mudei a escrita no meu blog. Acho tudo isto um desespero para quem aprendeu a escrever noutros anos e agora tem de repensar todo um português. Para mim não faz muito sentido :\
    THE PINK ELEPHANT SHOE | FACEBOOK | YOUTUBE CHANNEL

    ResponderEliminar
  14. Eu também estou a tentar habituar-me ao novo acordo :))

    ResponderEliminar
  15. Eu ainda não consigo usar o acordo ortográfico :(

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  16. Eu não sou a favor do acordo e enquanto puder não o usarei. Existem palavras que com o novo acordo tornaram-se num suicídio mental, um exemplo disso foi um teste que fiz a verificar se de facto conseguia mudar para o novo acordo, que aconteceu? Descobri que se escreveres "Pára para descansar!" O acento cai e fica "Para para descansar" Ora alguém consegue ler esta frase com a devida acentuação? Eu não consigo, isto não faz de todo sentido para mim.
    Só escrevo com o acordo ortográfico na minha tese de mestrado porque sou obrigada, mas também sou sincera, tiro os c's e p's das palavras, mais que isso? Não.

    xoxo
    BLOG // FB PAGE // BLOG'S GIVEAWAY

    ResponderEliminar
  17. A minha opinião sobre este assunto, já é conhecida. Ninguém diz que é fácil mudar regras que usamos há muitos anos, mas não vejo razão para tantas "comichões". Até porque, como alguém disse antes de mim, normalmente quem mais reclama, é quem nunca aprendeu a escrever corretamente. Pessoas que nunca se aplicaram, que escreviam sem hífenes nem acentos quando eles existiam, agora ficam muito indignadas por lhes terem retirado o direito de escrever "broas". eheheheh
    Olha, eu continuo a ter dúvidas, mas faço por escrever corretamente, como sempre fiz, antes e depois do acordo, porque considero uma falta de brio não nos dedicarmos a fazer bem, seja o que for. Não colocar acentos com a desculpa de ser difícil no smartphone, é uma treta. Eu escrevo no tablet da mesma maneira que escrevo no PC. Por ser difícil, escrevo menos, mas quando me proponho fazê-lo, faço-o como deve ser.
    Só os burros é que não mudam. ahah

    ResponderEliminar
  18. Apesar de fazer frente e e ainda escrever pelo antigo acordo confesso que já estou desde à muito tempo a praticar porém parece sempre que estou a dar erros e as palavras nem me soam tão bem... Mas tens razão, é da nossa língua que estamos a falar e as mudanças existem!

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  19. Eu acho que escrevo com os dois acordos misturados, tenho de ler sobre as regras do novo acordo para começar a escrever correctamente (ou menos mal) :)

    ResponderEliminar
  20. super concordo
    beijos http://www.blogdaxavier.com.br/

    ResponderEliminar
  21. Nunca vou conseguir usar as novas regras, embora saiba o que mudou. E se o português já era complicado, isto só veio complicar ainda mais porque baralhou completamente as pessoas. Em nada facilitou como disseram que ia acontecer.

    ResponderEliminar
  22. Tenho ainda bastante dificuldade em certas coisas do novo acordo, na verdade não sei ao certo o que mudou. Mas há certas palavras que já uso de "maneira correta" por exemplo o ótimo e não óptimo o correto em vez do correcto. Na minha maneira de escrever só mudei mesmo isso de resto está tudo igual. É uma tremenda confusão!

    ResponderEliminar
  23. Eu preferia que continuasse tudo como antigamente,não concordo em nada com este novo acordo ortográfico,eu,cá para mim,vou continuar a dar os meus enormes erros na escrita!! Beijinhos,tudo de bom e até breve!!

    ResponderEliminar
  24. Eu fui obrigada a aprender o acordo durante a faculdade mas, por opção própria, continuo a escrever como aprendi há tantos anos atrás. Ainda assim se for necessário eu escrever com o novo acordo também o sei fazer (ainda que com algumas dúvidas que me fazem recorrer a um livro que também aqui tenho). Compreendo que estejamos numa era de mudança e que estão a tentar aproximar os países que falam a língua lusófona mas custa-me largar a forma como aprendi a escrever. É como abdicar da minha identidade.

    ResponderEliminar
  25. Concordo contigo.
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  26. Segundo o que ouço isto é tudo para adaptar ao português do Brasil, só porque os de lá de fora aprendem e usam o português de lá. E eu não acho isto justo...
    E não me consigo adaptar a certas cenas ou mudanças, por exemplo o "pára" não levar acentuaçao agora, não encaixa!

    ResponderEliminar
  27. Eu acho que cada escrevemos mais em brasileiro e acho que devia ser ao contrário por isso nunca fico muito contente com as sucessivas adaptações do acordo ortográfico :)
    Bj S

    ResponderEliminar
  28. Olá, Andreia!

    A frase de Bernard Shaw é esplêndida e dá para todas as situações.
    O teu texto está realista e não ofensivo, portanto nota 20.

    A Língua não é uma entidade morta, ela sofre, como qualquer outra coisa, alterações. "Todo o mundo é composto de mudança", já dizia o poeta e o cantor.
    Eu sei k há países, como a França, por exemplo, onde a Língua não teve ainda nenhuma alteração, e continuam a escrever como em 1524, por exemplo. A França, Paris, capital da moda, da cultura, da arte, du bien faire, do laissez-faire laissez-passer, da liberdade, das grandes revoluções, em todos os aspetos, continua "cega", parada à mutação da sua Língua, k proveniente do latim, todos sabemos, tal como a nossa, mas, caricato é k, também, ele, latim tem sofrido, ao longo dos tempos, alterações.

    Estou, inteiramente, de acordo com o AO, mas, as pessoas, os "velhos do Restelo", continuam com aquela cantilena da Lua Nova (usei maiúsculas só para realçar, mas não são necessárias), e depois baseiam-se na história do "facto" e do "fato". Não sei se sabes, mas no Brasil, e o k te vou dizer, foi-me dito por um brasileiro com cultura, que FATO é acontecimento e traje de homem. Terno, fato de homem, para eles, também significa carinhoso.

    Sabes, Andreia, eu k tenho o dobro, ou quase, da tua idade, e tenho/sinto já algumas dificuldades em ler textos ainda na escrita "antiga". Parece k estou a ler autores do século XIX.
    Facto vai continuar a escrever-se assim, pke nós pronunciamos a consoante "c". Facto será sempre, para nós, acontecimento, e fato, roupa de homem, k tem, em geral, gravata.

    Espanto-me com a atitude do pessoal da tua idade, k continua a escrever desadequadamente, e a justificação é: foi assim k aprendi. Então, são todos tão adeptos das novas tendências, em todos os aspetos, e nas alterações da Língua/Idioma, k falam e escrevem pouco satisfatoriamente, ficam na "última" carruagem, ou melhor, não querem sequer apanhar o comboio, o k é mais grave, ainda?

    Tanta a gente a escrever mal por aí! HÁ tanta, mas tanta! Espero k voltes À carga com este assunto.
    "Sorris-te" ou SORRISTE com as minhas palavras?

    Outra coisa "engraçada" é as pessoas continuarem a acentuar as palavras derivadas das k são acentuadas, ou nos advérbios de modo, ou palavras terminadas em "mente", dizendo k foi assim k aprenderam e k colocam os acentos, pke são contra o AO. Ignorantes, no mínimo.
    Vamos a exemplos: pé - pezinho, chá - chazinho, café - cafezinho . Agradável - agradavelmente, só - somente, esplêndido - esplendidamente.

    Sei k percebeste (s), esta é outra situação k aparece montes de vezes, e apetece-me dizer, BERRAR, k a 2ª pessoa do singular do pretérito perfeito do modo Indicativo (sim, outro modo não poderia ser) dos verbos NÃO leva "s" no final. Só a 2ª do plural é k o tem.

    Em relação ao assunto, quero dizer-te, talvez aquilo k já saibas, mas a gramática da Porto Editora nem sempre está de acordo com o Ciberdúvidas. Por exemplo, a palavra interruptor, uma aprova a escrita com "p", e outra não. Interruptor será sempre escrita com "p", pke a consoante lê-se e escreve-se.

    Bem, Andreia, iria "HÁ" Pharmácia, se "precisa-se" de comprar medicamentos.

    Bom fim de semana.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar