Tu não eras tu


«Todas as decepções são secundárias. O único mal irreparável é o desaparecimento físico de alguém a quem amamos», Romain Rolland


Tu não eras tu quando te vi. Deitada naquela cama de hospital, de olhar vago, sem esperança e sem amor. Não eras tu. Não podias ser. Ainda te lembras de mim? Por favor, diz-me que sim. Recuso-me a aceitar que aquele teu toque sobre a minha mão foi apenas um reflexo e não a vontade que sempre tiveste de me proteger nos teus braços. Somos pequenos pedaços de nada quando a nossa memória nos atraiçoa. Será que algum dia te voltarás a lembrar? Ou será tarde de mais? Não partas já. Não agora. Não enquanto não sentir que o farás com dignidade. Perdoa-me o egoísmo, mas não suporto sentir-te ausente no exato momento em que permanecemos ao teu lado com claro desejo de te vermos a melhorar. A culpa não é tua. Não podia ser. Tens um coração demasiado bondoso para nos remeteres a este sofrimento sem igual. Foi essa doença que te arrancou de nós. E de ti. Tu não eras tu no dia em que te vi pela última vez. Eu não fui mais eu depois de me despedir de ti. Para sempre. 

You Might Also Like

19 comentários

  1. A vida também tem destas coisas.

    Adoecer, morrer é a tal lei da vida.

    Os corpos gastam-se, enfermam-se e fica a dor.

    Há que saber aceitar e aproveitar cada instante pois não se sabe o dia de amanhã.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Vieram-me as lágrimas aos olhos.

    Incrível este texto!

    Bom dia querida!

    ResponderEliminar
  3. Perder fisicamente alguém a quem amamos é realmente a maior das dores, a única em que a ferida jamais sara. :( Fica apenas a possibilidade de recordar, e o tempo no seu correr insensível faz com que um dia nos doa já não doer tão intensamente termos perdido quem tanto amávamos. :(
    Vou roubar a citação, já muitas vezes o pensei, nunca soube no entanto expressá-lo de forma tão assertiva.

    Beijos*

    ResponderEliminar
  4. É uma das partes tristes da vida :(


    tarasemanias.pt

    ResponderEliminar
  5. Texto extramente tocante, que expressa sentimento pesaroso ao que a vida, inevitavelmente, nos prega.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  6. Triste mas bonito. Afinal a morte também faz parte da vida...

    ResponderEliminar
  7. concordo plenamente com a frase do Rolland..

    xoxo
    http://18shadesofglitter.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. A frase é bem verdadeira! Lindo e verdadeiro texto sobre a realidade da vida.

    Bjos, Sheyla.
    http://blogdmulheres.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  9. Ao ler isto, não sei porquê, só consegui pensar na minha avozinha. Ela ainda cá está mas é cada vez mais frequente eu pensar no dia em que a vou perder... Os dias passam e eu sei que por cada dia que passa é um dia mais próximo de chegar o fim da sua viagem... Gostei muito deste texto apesar de carregar consigo tanta tristeza. É sentido, como são todos e talvez por isso todos eles sejam tão lindos

    ResponderEliminar
  10. Infelismente a vida é maldosa! lamento que tenhas passado por isso!

    bjxxx

    ResponderEliminar
  11. É sim muito triste, mas tem de ser,
    não há remédio que o possa evitar
    Andreia, quem parte deixamos de ver
    para sempre, porque jamais irá voltar.

    Boa noite Andreia, um beijo,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  12. Uma das coisas mais triste que a vida têm, mas nunca podemos esquecer os momentos únicos que partilhamos com as pessoas em questão.
    Adore a frase.
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  13. Que triste, mas muito lindo este texto, estas palavras.

    Beijinho grande querida*

    ResponderEliminar
  14. Que texto lindo, Andreia! Fiquei até emocionado.
    Parabéns, você é uma ótima escritora!

    Beijos.
    http://blogdocmedeiros.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  15. É espetacular e acho que é uma ótima prenda para agora para o Dia de S. Valentim :')
    Sinto necessidade de sair, mas neste momento não posso :(


    Giveaway | Ganhem um Créme de Rosto Benamôr
    Miguel Gouveia do Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  16. Sabes o que é identificar-me com todas as tuas palavras? Foi exactamente isso que aconteceu. Ao ler estas palavras, tão tuas, revisitei-me o passado, tão meu. Ainda hoje me aperta o coração ao pensar na despedida que só eu disse e na mão que não me apertou de volta. Ainda hoje eu não sou eu.

    ResponderEliminar