À boleia do mundo #4 (Parte 1)


Capitulo 4
Quarta, 06.08.2014


06h00/06h30: O despertador devia ter tocado às 6h, mas como resolveu não funcionar a minha mãe acordou-me meia hora depois, deixando-me dormir mais um pouco enquanto ela e o meu pai se arranjavam.

O dia começa bem cedo, até porque ainda temos uma hora de viagem. Além disso, como é para aproveitá-lo da melhor forma não o íamos passar na cama. O despertar e a saída são as únicas horas rigorosas que temos (o que não quer dizer que não possam ser alteradas), depois depende do que estiver a acontecer. 
Agora vou preparar-me rapidamente, o pequeno-almoço já está na mesa a chamar por mim. 

07h33: É tempo de nos fazermos à estrada. Excecionalmente hoje, assim o espero, não saímos às 7h. 

(Vale de Lamas- Junta de Freguesia de Baçal-Varge)

Todos os dias atravessamos o Parque Natural de Montesinho, que é um regalo para quem o observa. A paisagem montanhosa e desnivelada, de caminhos estreitos e recortes verdes e amarelos; árvores de várias espécies e animais que se passeiam pelos campos. A imensidão da natureza que nos invade é impagável. As casas de xisto são adoráveis. E ao circularmos pelas aldeias o céu até parece mais azul. Que paz!

(Rio de Onor- Rihonor de Castilla-Ungilde-Puebla de Sanabria-Junta de Castilla y Léon-El Puente-Cubelo-Galende)

08h38: Chegamos à Playa Arenales de Vigo onde vamos passar o dia. Já ouço a água do Lago a chamar por mim!

Fomos os primeiros a chegar. Nem que seja por breves momentos, é bom termos isto só para nós. Ver o lago vazio, podendo observar toda a sua beleza, é indescritível. Faltam-me mesmo as palavras para caracterizar a sensação pacífica que nos transmite. Se fechar os olhos só ouço os passarinhos a cantar. 
Vou molhar os pés. Depois ou estendo a toalha ou sento-me numa rocha a ler.

11h35: Estive dentro de água uma hora e vinte, e por lá continuava até não sentir os dedos - engelhados pelo tempo que permaneceram mergulhados. Hoje deve ter sido dos dias em que menos me custou entrar. Estar relaxada a contemplar esta vista parece um sonho do qual não me apetece acordar.

Já na areia, deixo que o sol me seque a pele enquanto leio «Não nos roubarão a esperança», de Júlio Magalhães. De vez em quando distraio-me com as brincadeiras dos miúdos, deliciados com a areia, as pedras, a água e os peixes que não se assustam com a nossa presença.
Perto do meio dia (hora portuguesa) começam a chegar grupos heterogéneos das colónias de férias. A esplanada do bar enche e a praia esvazia. Nunca provei a comida daqui, mas se for tão boa quanto cheira é um verdadeiro manjar, «de comer e chorar por mais». Mas há muitas pessoas que, como nós, optam por trazer de casa e almoçam mesmo no areal.
Acho que os portugueses estão a descobrir este paraíso aos poucos, hoje já me cruzei com três famílias. O que é bom, porque no meio de tanta palavra enrolada (e que eu adoro) sabe bem ouvir um idioma que nos faça sentir em casa.



Continua...
(qualquer dúvida não hesitem, deixem nos comentários ou mandem e-mail)

You Might Also Like

18 comentários

  1. Adoro dias assim, em que saimos e que o único rigos está na hora de sair de casa!

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  2. Dia assim é tudo de bom amei a postagem
    tenha uma semana abençoada Curta e siga o meu canal
    https://www.youtube.com/user/NekitaReis

    ResponderEliminar
  3. Fizeste-me viajar. Adoro essa zona da Galiza:Vigo, A guarda, pontevedra, meu deus, deixa-me calar antes que deite baba no monitor.
    Kis:=)

    ResponderEliminar
  4. Esperemos é que haja muita gente a aderir à campanha! É muito importante que assim seja :D
    beijo :*
    ttp://lifealwaysgoes.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  5. r: sim darling , é sempre *
    boa semana :)

    ResponderEliminar
  6. Gostei do relato :)
    Estiveste na água 1h20? Quem me dera conseguir estar pelo menos 20 minutos na água lol

    ResponderEliminar
  7. R: eheh acredito que sim mas iria ficar roxa do frio. O máximo é mesmo aproximadamente 20 minutos e em clima quente depois fico mesmo com muito frio, roxa até! lol

    ResponderEliminar
  8. Posso imaginar, você sentada numa rocha!
    fecha os olhos, ouve os passarinhos cantar
    tudo em sua volta,o silêncio não te incomoda
    não sente quem desejava os seus lábios beijar?

    O que foi você fazer para dentro da água tão fria,
    é costume dizer-se quem corre por gosto não se cansa
    se você o fez é porque lá dentro ela bem se sentia
    tenha Andreia, muita saúde, paz, amor e alegria tanta!

    Boa noite e bons sonhos, um beijo.
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  9. Por aí... sem lenço sem documento..! beijooO

    ResponderEliminar
  10. Eu adoro estes teu relatos!! Espero um dia poder conhecer tanto do nosso portugal quanto tu :D

    ResponderEliminar
  11. Esses dias repletos de natureza são maravilhosos e com crianças por perto ainda melhor.
    Gostei do texto.
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. Já tinha saudades destes teus relatos fantásticos, adoro ! ;)

    ResponderEliminar
  13. Fiquei cheia de vontade de ir conhecer esse local :)

    ResponderEliminar