O que fala ao coração #17


«A minha ideia é que há música no ar, há música à nossa volta, o mundo está cheio de música e cada um tira para si simplesmente aquela de que precisa», Edward Elgar


Não passo um dia sem ouvir música. A escolha desta semana encheu-me o coração pela surpresa tão agradável que se revelou. Com um nome que nos faz contar as horas, percebemos que estamos sempre a tempo de embarcar nesta aventura que é conhecer novos artistas que nos façam sentir uma ligação única com aquilo que fazem. Quatro e meia podia ser mesmo a hora certa para isso, mas todas o são. E se for ao som d' Os Quatro e Meia melhor ainda.
 
Estava a ver vídeos dos Aurora quando reparei numa sugestão na barra lateral do youtube: «Quatro e Meia - Canção de Engate (António Variações)». Apaixonada e curiosa como sou por música e por descobrir novos talentos tive que abrir aquele vídeo. Acabei por não o ouvir, pois fui atraída por um outro: «Os Quatro e Meia - Para a frente é que é Lisboa (Original)». E foi o original, por ser original no verdadeiro sentido da palavra, que me conquistou logo no primeiro segundo.

Gostei, antes de mais, do sentido de humor que me parece caracterizá-los. E depois, naturalmente, das vozes. Da escolha dos instrumentos. Da qualidade das letras. Do ritmo que fica no ouvido e que dá vontade de dançar. Do talento. Assim vale a pena. Vale mesmo! Porque a boa música não tem preço. E Os Quatro e Meia são a prova de que a música portuguesa tem qualidade máxima. Fiquei fã, mas com o coração um pouco pesado por só agora os estar a descobrir. Ainda assim, fica a promessa de que não mais os deixarei de ouvir. Vou parar o relógio nas quatro e meia e ouvi-los em muitas horas do meu dia. 

São seis rapazes, naturais de Coimbra, que se fazem acompanhar por instrumentos diversificados, timbres distintos e um estilo descontraído, que não os faz perder o respeito por aquilo que a música representa. A conjugação de todos estes elementos funciona muito bem. Quando há trabalho, amor ao que se faz (perdoem-me repetir isto tantas vezes, mas acho fundamental) e vontade em fazer algo diferente o resultado só pode ser este. E se há coisa que eu gosto é que me surpreendam com criatividade. É isso que me prende até ao fim. Só espero que não lhes faltem oportunidades para demonstrarem tudo aquilo que são. Pessoas tão talentosas merecem destaque. E eu não duvido, nem por um segundo, que o caminho deles será de sucesso. E merecem-no.  

«Decorria a Primavera do ano de 2013 quando, por desafio de amigos comuns, se juntaram cinco rapazes com especial gosto pela música. O pretexto inicial foi o de executar uma pequena prestação musical num Sarau de Gala, que veio a decorrer no dia 25 de Maio de 2013, no Teatro Académico Gil Vicente, em Coimbra, organizado pela Academia de Dança do Centro Norton de Matos. Foi nessa noite, para uma plateia com cerca de 500 pessoas, que “Os Quatro e Meia” se mostraram, pela primeira vez, ao público da cidade que se tornara denominador comum nas suas vidas. Ao som de guitarra, contrabaixo, violino, acordeão, bandolim e percussão, o grupo tem procurado agregar o mais variado manancial de música portuguesa de qualidade, desde o estilo “Pop-Rock” até ao “Fado”, numa tentativa de conferir novas sonoridades e olhares sobre algumas das mais belas canções criadas no nosso país. 
Atualmente, o grupo conta com seis elementos - J. Rodrigues (violino e bandolim), M. Ferreira (acordeão e voz), P. Figueiredo (Percussão), R. Almeida (guitarra e voz), R. Marques (contrabaixo) e T. Nogueira (guitarra e voz) - que procuram utilizar a sua forma descontraída de sentir a música para compartilhar com o público bons momentos animação. 
É neste registo de compromisso com a qualidade da música portuguesa mas, simultaneamente, de descontração e bom humor que “Os Quatro e Meia” se vos apresentam». 

Adoro a diversidade. O facto de não se prenderem a um único registo, mas registarem a sua marca em todos eles. Tem sido uma lufada de ar fresco e um aconchego enorme descobri-los em cada um dos seus originais e em cada uma das versões que têm de músicas que conheço e das quais gosto bastante. Já perdi a conta às vezes que carreguei no play para os ouvir. Só mais uma vez. Só mais um pouco. Só até saber todas as músicas de cor. Com a esperança de que esteja para a breve a oportunidade de os ver atuar ao vivo. 

Marcamos encontro todos os dias. A qualquer hora. Ciente de que haverá sempre tempo para ouvir e acompanhar Os Quatro e Meia.




Já conheciam? O que acharam? Contem-me tudo!

You Might Also Like

14 comentários

  1. Excelente partilha, mais uma vez! Acho que tenho que me dar mais contigo, minha querida, para que me mostres estas coisas maravilhosas! :)

    ResponderEliminar
  2. mais uma vez fizeste uma excelente partilha. Portugal tem mesmo muitos talentos

    ResponderEliminar
  3. Vou ouvir! Depois do que escreveste, fiquei com um bichinho de curiosidade :)

    ResponderEliminar
  4. Mais uma grande partilha... Os meus parabéns pelo teu trabalho!

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  5. oh não tens de agradecer ;) Sim concordo contigo portugal tem cidades maravilhosas e cada uma com o seu encanto, mas acredita do descreves lindamente o Porto, apenas o conheço de passagem mas sempre que leio esses teus textos ponho a imaginar as coisas tais como as descreves sem estar no local :)
    Não conhecia o grupo vou pesquisar mais informação deles.
    beijinhos
    http://retromaggie.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  6. Eu não conhecia este grupo, mais uma boa descoberta ;)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  7. mais uma vez, não conhecia mas gostei! ;)

    ResponderEliminar
  8. Onde encontras estas bandas?

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  9. mais um grupo que nao conhecia :D
    uma optima semana :)
    beijinhos

    ResponderEliminar
  10. resp: é mesmo sobretudo a português.

    ResponderEliminar
  11. Não conhecia!
    Tantos instrumentos, adoro isso *.*

    ResponderEliminar
  12. Portugal tem tantooo talento que eu desconhecia. É incrível.
    Hoje à noite vou actualizar-me e ouvir as duas bandas que vi aqui :D

    ResponderEliminar