Coração de Dragão


«Está escrito nos livros: a vida dos super-heróis não é apenas feita de facilidades. Eles também sofrem revezes, a vida também lhes prega partidas. Foi isso que aconteceu...»


Dói. Claro que dói. Preferia dizer que não magoa, que é indiferente, que passa, que não sufoca. Mentiria se o dissesse. Se escondesse que o coração ficou despedaçado em cada derrota, em todos os momentos em que o nosso símbolo não se ergueu bem alto. Não consigo fazê-lo, porque sou demasiado transparente. Porque sou demasiado Portista. Porque sinto este clube todos os dias. E este ano não foi o nosso. Não fomos nós. E dói mais por isso, porque este Porto não é o meu Porto. 

Fui constatando ao longo dos anos que não estamos geneticamente preparados para as derrotas. Estamos mal habituados, por força de termos conquistado o mundo. Por termos vencido quando tínhamos tudo contra nós. Porque soubemos agarrar-nos às adversidades e fazer delas uma motivação extra. Porque neste clube não se atira a toalha ao chão, joga-se mesmo com a camisola rasgada, lambe-se a relva, luta-se até ao fim. E como alguém escreveu, ou disse, só baixamos a cabeça para beijar o símbolo. O Porto que eu conheço é feito de uma força incomparável. Reinventa-se. E é quando nos julgam vencidos que renascemos e mostramos que continuamos na corrida. Este ano falhou tudo. Falhou-nos tudo. Falhamo-nos a nós.

Enganam-se aqueles que pensam que me magoa ver o Benfica campeão. Não. Nem me tira o sono e a vontade de comer. Não preciso de máscaras de oxigénio contra o pó, muito menos de ir para os Aliados impedir a festa, porque sou demasiado forte para descer a esse ponto. Sou tão Porto que nenhum outro clube é capaz de toldar as minhas ações. Sou tão Porto que o único clube que me importa é mesmo aquele que me pinta o coração de azul e branco. Aquilo que me magoa é não sermos nós, no Dragão, na rua, nas casas, no Porto, em Gaia, em Lisboa, em Faro, Em Coimbra, em Leiria, além fronteiras, a festejar. A invadir as cidades de um cântico só nosso. A ficar sem voz. A sentir as lágrimas a rolar no nosso rosto enquanto se forma um sorriso largo e luminoso. A sentir o corpo num estado de felicidade tal que é impossível ir embora. A dormir pouco, mesmo quando se entra no trabalho às 7h ou se tem aulas às 8h. O que custa é ver-nos cair por culpa própria. Porque não soubemos ser nós. 

Aquilo que me magoa é ver o Quaresma - que muitos dizem velho, gordo e acabado - a lutar sozinho. A perder a calma por remar contra a maré quando todos os outros parecem demasiado conformados com o destino que este ano nos calhou em sorte. Mas este não é o nosso destino. Nunca foi. Não há-de ser a partir de agora. O nosso destino é vencer. Sempre! Mas dói, aperta o coração, ver a desilusão nos seus olhos. Senti-lo com muito mais maturidade do que quando saiu e não ter alguém que o acompanhe na garra, na vontade, no amor. Muitos quiseram ver-te cair, mas tu chegaste com ainda mais força e mostraste o que é sentir este clube como ninguém. Chorei em segredo, porque queria que o final desta temporada correspondesse à luta que travaste praticamente sozinho. És o meu número um, hei-de acreditar em ti até ao fim, obrigada por nunca teres desistido de nós.

Aquilo que mais me magoa é assistir à frustração no olhar daqueles que queriam ter feito mais por esta equipa e não puderam. É saber que tudo correu mal. É sentir que a meio do caminho alguém desistiu e baixou os braços. Perdemos a nossa mística e a identidade, e quando as tentamos recuperar foi tarde de mais. Jogar à Porto é jogar com o coração nos pés. É morder os lábios de raiva quando os postes travam os nossos festejos. É bater com a mão sobre o símbolo e acreditar até ao fim. Eu senti o meu Porto quando erguemos a Supertaça. Quando o Josué marcou o penalti frente ao Sporting nos últimos minutos. Quando vencemos o Áustria e inevitavelmente recordamos Viena. Quando suamos até ao fim com o Nápoles. Quando olhei para o banco de suplentes e vi a tristeza cravada no rosto daqueles que acreditam como eu. Quando sentia, mesmo que por breves segundos, o rasgo da vossa genialidade a sobrepor-se ao vosso nome e a lutar pelo nosso. A lutar pela nossa história. A nossa casa. O nosso amor. 

Não dei conta das lágrimas infinitas que chorei pela eliminação na Liga dos Campeões. Pela meia hora de avanço que demos ao Sevilha e que nos custou a continuidade na Liga Europa. Pela vantagem que desperdiçamos frente ao Benfica. Pela derrota no Estoril. Tudo isso seria secundário se olhando para trás senti-se a raça que nos move. A sorte nem sempre protege os audazes, é preciso procurá-la, conquistá-la, preservá-la. Sou demasiado Portista para aceitar de ânimo leve que batemos no fundo. Esta época batemos. E dói-me ter que admitir que para alguns este clube deve ser demasiado grande, ao ponto de não conseguirem corresponder. É demasiado dolorosa essa realidade. Ainda para mais porque implica reconhecer os vossos erros. Não sei assobiar e mesmo que o soubesse nunca seria capaz de o fazer. Pudesse estar em todos os jogos no Dragão e não tinha falhado um. Não consigo deixar-vos, assobiar-vos, receber-vos com insultos. A promessa foi para o bem e para o mal. Sou mais Portista todos os dias. Ainda mais quando o caminho é feito de quedas. 

Por isso não, não me dói ver o Benfica campeão. Nem qualquer outro clube. E espero honestamente que aproveitem a festa, mereceram-no por tudo o que fizeram. Em vinte e dois anos de vida tive a honra e o privilégio de festejar muitas vezes assim. De ver as minhas cidades e o mundo pintado de azul. De receber a equipa numa onda de aplausos. De celebrar com eles. De ficar rouca e não parar de cantar. De saltar até não sentir a força nas pernas. De partilhar a festa com amigos. De abraçar desconhecidos. De sentir que estamos juntos mesmo que nunca mais volte a encontrar aquelas pessoas. Porque lutamos lado a lado pelo mesmo objetivo. 

Há amores que nascem connosco, amores que crescem em nós quando nós próprios ainda não crescemos o suficiente para saber o que significa amar por inteiro. Há amores que não se procuram, que andam de mãos dadas connosco, que estão sempre em nós. Este amor nasceu comigo, no sangue, no coração, na alma e na voz, e eu nunca mais o larguei. Há amores que resistem a tudo, porque são tudo. Procuro-o em tudo o que sou, agarrei-o com as mãos e com o coração, luto por ele, cuido dele, faço-o crescer comigo. Estas duas cores que nos unem foram as únicas que eu conheci, as únicas que me importam conhecer. Os verdadeiros amores não se explicam, sentem-se bem cá dentro, porque são demasiado importantes para se banalizarem com meras palavras soltas. Este amor eu nunca o saberei explicar, mas saberei sempre senti-lo da melhor forma que conheço: com tudo de mim. Há amores que se partilham em família, com irmãos de um sangue igual ao nosso, e este amor eu aprendi a partilhar com eles. Este amor, que é azul e branco, que guarda muitas pessoas dentro dele, que nos torna a todos num só, é o meu amor maior, é aquele a que dou as mãos e é aquele pelo qual eu luto com unhas e dentes, com garra e com raça, com fé e esperança. Este amor é o meu amor desde o primeiro dia e será o meu amor até ao último, porque há amores que são intemporais e este amor que eu sinto não fazia sentido se não fosse assim. Este amor é muito daquilo que eu sou e orgulho-me disso.

Aquilo que me magoa não é um campeonato conquistado por qualquer outro clube que não o meu. Nunca fui de festejar a queda dos adversários nem chorar as suas conquistas. Sou demasiado Portista para me importar com o clube dos outros. Só o meu me importar. E aquilo que me dói é ver os meus de coração ferido. Para o ano voltaremos mais fortes. À Porto. E aconteça o que acontecer, caminharei ao vosso lado incondicionalmente. Com ainda mais orgulho e amor. Porque há amores que sou a nossa cara. E este é o meu coração por inteiro. Até ao fim!

You Might Also Like

24 comentários

  1. Magnífico! Sabes, parece que entraste dentro do meu coração e começaste a escrever. Sinto tudo isso no seu expoente máximo.
    Ser Porto, é mais do que ser do Porto... o "do" cria banalidade, mas a ausência de um "do", torna-nos mais intímos, mais audazes. Faz-nos ser de corpo e alma. Suar em cada reviravolta de resultado, gritar nas vitórias até que a voz nos falhe, derramar lágrimas sobre as derrotas... mas erguermo-nos sempre, mais fortes. Maiores.
    A verdade é que estamos habituados a vencer, e quando isso não é possível vemos um Porto que luta até ao último minuto, que não desiste, que enfrenta... e infelizmente, nesta época não vimos o suor a escorrer pelo equipamento, vimos a apatia. E milagres assim, não acontecem.
    SOMOS PORTO! E unidos, venceremos :)

    ResponderEliminar
  2. Também me senti assim ontem, apesar de não ser tão ferverosa. Doi sempre, porque é o nosso querido clube a perder para um rival. Para o ano, somos nós com a garra que nos é tão carateristicas :D

    PORTO ♥

    Beijinhos, Sofia Pinto ♥
    http://morningdreamsfree.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Tal e qual! " E dói mais por isso, porque este Porto não é o meu Porto." Sei tão bem o que sentes!

    ResponderEliminar
  4. Sou do Benfica, e isso orgulha-me. Somos campeões! :) Não sou fanática, mas é impossível ficar indiferente a toda esta emoção.. No ano passado estivemos quase, e caímos. Este ano foi de vez! Foi a nossa vez :)

    ResponderEliminar
  5. quanto ao teu Porto, não se pode negar o valor de um clube que, quase sempre, domina. melhor sorte para a próxima :p

    ResponderEliminar
  6. Estou muito contente e orgulhosa pela vitória do Benfica. Tu és mesmo Portista ferranha ahah és de onde querida?

    ResponderEliminar
  7. R: ahaha eu já sabia porque já tinha visto algumas publicações sobre o teu clube :D

    ResponderEliminar
  8. Hoje joga o nosso Porto *.*
    resp : É uma frase do meu signo :)

    ResponderEliminar
  9. Vai voltar! Isto foi só uma recaída para acordar, para perceber o que está mal. Para voltar à atitude à Porto se que já se tinha vindo a perder nos últimos dois anos.

    ResponderEliminar
  10. Eu nao consigo compreender muito bem pk lgo a clubes nem a jogos que se pareça mas adoro como escreves e pintas com as palavras, tens um dom princesa =)
    Beijinhos e desculpa a ausencia =)
    Resp . Muito Obrigada pelo apoio minha querida

    ResponderEliminar
  11. R: Também gostava muito de ler, parece uma história muito bonita :)

    http://morningdreamsfree.blogspot.pt/

    Sofia Silva

    Beijos*

    ResponderEliminar
  12. Que se lixe quem foi campeão ontem :c VIVA ao NOSSO PORTO :)
    Adorei o que escreves-te! Esperaste-te e escreves-te de alma, nota-se logo

    r: bem verdade! parece mesmo que é preciso esconder coisas que sentimos, bahh :\
    beijinho querida ❤

    ResponderEliminar
  13. Acho que redigiste muito bem as euforias com muitos pontos de visão bem focados. Apesar de ser sportinguista e nos últimos anos o sporting não ter jogado quase nada mas enfim hoje caem uns amanhã levam tão se outros, numa jogam n pessoas mas é sempre mais critico por as culpas em alguém propriamente dito imagino a dor ou mesmo o pensamento mais horroroso que passa na cabeça de um guarda - redes quando este por si falha uma defesa.
    Beijinhos querida
    Beijinhos
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  14. Vamos Porto <3 pode ser que a taça da liga ainda seja nossa *sem muita esperança*

    ResponderEliminar
  15. Tentações boass, ahah xD
    Obrigada fofinhaa ❤

    beijinho *

    ResponderEliminar
  16. Que fofinhaa ❤
    MUITO ORGULHO no AZUL ! ahah

    beijinhoo ❤

    ResponderEliminar
  17. Até com um tema como este consegues ser delicada a escrever ;)

    Sónia
    Taras e Manias

    ResponderEliminar
  18. Saudações Benfiquistas e muito fair-play :)

    ResponderEliminar
  19. Este texto é brilhante :) Acho que já te disse de que cor se pinta o meu coração; a minha raça, mas ainda assim sou capaz de esquecer o meu clube por segundos e dar os parabéns a todas as equipas que são tão grandes quanto nós e que lutam com afinco. O FCP este ano teve azar. Foi só isso mesmo, azar. O mesmo azar que o meu Benfica teve no final da temporada passada. São grandes equipas mas não são "Deus". Todos falhamos, todos temos maus momentos. Para o ano têm a possibilidade de escrever toda a história de novo. Mas, claro, espero que o meu Benfica continue a escrever a bela história destes dois anos. Que escreva sempre mais e melhor. E que agarre na força deste ano para ter mais força ainda. Porque, acredita, este título foi pelo Eusébio e pelo Coluna. Podem dizer o que quiserem mas depois dessas duas perdas eles ganharam uma força sobrenatural. E contra isso não dá para combater. Agora é tempo de olhar em frente, esquecer os "festejos" e preparar para uma nova luta :) E que vençam os que mais fizerem por isso ;) Beijinhos *

    ResponderEliminar
  20. Viva o benfica :p

    ( estou a brincar querida) és mesmo portista ferranha e isto nota-se bem neste post :)

    ResponderEliminar
  21. R: isso revela que és uma pessoa criativa e com essência.

    Querida, as vezes tenho mesmo muita dificuldade em comentar o teu blog. Não sei se é só a mim que isso acontece.

    ResponderEliminar