Coração pintado a tons de azul e branco


«No Dragão, difícil é aguentar sentado». Sem qualquer margem para dúvidas. Mas na impossibilidade de estar no nosso estádio ontem, permitam-me alterar a frase e afirmar que «a ver o Futebol Clube do Porto, difícil é aguentar sentado». Não o consigo porque a emoção de ver os meus é mais forte. Porque o apoio será sempre incondicional. E porque os nervos também assim não o permitem. 

Há amores assim: maiores do que nós. Que nos ocupam o coração por inteiro. O meu é assim. Sempre foi. Por mais do que uma vez afirmei, com todo o orgulho que isso representa, que sou portista desde que me lembro que sou gente. Atrevo-me a corroborar que ser Porto já nasceu comigo, como se essa informação viesse nos genes, como se da cor dos olhos ou do cabelo se tratasse. Nasci portista e morrerei da mesma forma. E por mais estranho que possa parecer, o mais certo é continuar adepta deste clube muito depois disso. Porque há amores que nunca morrem. E este é um deles. 

Foi um jogo de nervos. Sobretudo porque não começamos bem. A dominar. A mostrar a raça do Dragão. Em contrapartida, tínhamos um Marítimo que chegou para mostrar de que massa é feito, criando problemas e aproveitando-se bem das oportunidades. Vi um Marítimo forte e um Porto a ter que mostrar que realmente queria vencer. Nunca duvidei disso. É impossível. Porque acredito em vocês. Ainda que, por vezes, possa não parecer, eu sei que deixam tudo em campo e lutam por esse emblema como se fosse vosso. De coração. A tranquilidade que senti no nosso primeiro golo - e que acabou minutos depois - veio da classe da jogada com que foi construído. Foi a prova de que mesmo nos piores momentos mostramos a qualidade que temos. E permitam-me falar em «nós» e não em «vocês», porque sinto cada momento como se estivesse em campo ao vosso lado. Porque ser Porto é sermos um só. Em tudo. 

Estremecemos, mas não caímos. Mesmo quando parece que caminhamos por cima de uma linha de trapezista. Porque nesta casa aprende-se desde cedo que se luta até ao fim. Até ao último segundo. Até acabarem todas as possibilidades de alterarmos o resultado. «Esqueceram-se que o Porto também jogava». Mas estávamos lá. E lutamos até as forças nos faltarem. E a prova disso foram os cinco minutos finais, onde a raça do nosso amor foi maior do que tudo o resto. A segurança do Josué transportou-me automaticamente para 2004 quando o Pedro Emanuel marcou o penálti decisivo que nos deu a vitória na Taça Intercontinental. Não é possível comparar os dois momentos, não só por serem jogadores distintos, mas também pela competição em si. Mas comparo o sangue frio que é preciso ter nessas ocasiões, precisamente por serem «o todo ou nada». A responsabilidade pende apenas para um lado. O peso de carregar aquele emblema junto ao coração é infinitamente maior. É por isso que é incondicionalmente melhor quando a bola entra na baliza. E o grito de amor é também ele infinitamente mais alto. 

Ontem perdemos. Não o jogo. Mas um dos nossos maiores jogadores. Enchi-me de esperança ao ouvir André Villas-Boas dizer que estava na sua cadeira de sonho. Mas depois tive que aguentar o facto de se ir sentar noutro banco. Longe do clube de coração. Longe de nós. Ouvi todas as frase carregadas de esperança que davam conta da permanência do Quaresma. E tive que aguentar quando no último dia rumou ao Inter de Milão. Não escondi as lágrimas nem o peso da despedida, mas mantive-me forte para aguentar a ausência que deixou. Voltei a sentir o coração reconfortado quando li que o Lucho ponderava acabar a carreira no Futebol Clube do Porto. E agora confesso que não aguentei ver novamente a reviravolta. Talvez haja mágoa nas minhas palavras, não por terem decidido outro futuro, mas por vos ver sair. Não contava. Fiquei perplexa. De coração ferido. Mas sabes que a ti, enorme Comandante, só te tenho a agradecer por tudo aquilo que fizeste por nós. Muito daquilo que nós somos também o devemos a ti. À tua entrega constante. Ao teu talento. Ao teu espírito de liderança. Ao exemplo que sempre foste. Um clube não se faz de nomes porque, como já o disse uma vez, os jogadores vão, mas o clube permanece. Só que o Porto é a tua cara. É a tua casa. E sabes que serás sempre bem-vindo se, quem sabe, ainda estiveres disposto a regressar. O agradecimento é constante. E sê-lo-à sempre. Ainda para mais quando na hora da morte do teu pai fizeste questão de entrar em campo e lutar por nós. Havemos de nos reencontrar. Como reencontrei o Quaresma. Como espero reencontrar o Villas-Boas. E acredito que a vitória de ontem também tenha sido por ti. Por tanto tempo teres sido por nós. Até já, Guerreiro.

Paulo Fonseca, acredita quando digo que gosto de ti, que acredito na tua capacidade de liderança, nos teus conhecimentos e que tens todo o mérito para estar neste clube. Devo ser das poucas, mas não me importa, porque acredito em ti e vou estar do teu lado até ao momento em que também tu rumares para novos destinos. Mas permite-me discordar de ti quando dizes que ontem foi uma vitória «à Porto». Não foi. Nem tem sido. Este Porto não é o meu Porto. Reconheço que enquanto adeptos estamos mal habituados, porque conquistamos o mundo e não nos contentamos com menos do que isso. E ainda que acredite que estes jogadores têm tudo para jogarem à Porto, o meu Porto nunca esperou até aos últimos cinco minutos para demonstrar que realmente é feito de uma qualidade inatingível. Não. O meu Porto prova isso desde que entra em campo. Ontem faltou-nos essa segurança. Faltou-nos a nossa essência. E acredita quando te digo que me custa horrores reconhecer isso. Porque enquanto portista é-me difícil reconhecer quando a minha equipa joga mal, porque o meu Porto não o sabe fazer. Mas estamos de acordo quando afirmaste que se esqueceram que ainda estávamos a jogar e que já havia quem fizesse festa pela passagem do Sporting. É uma realidade. Tocaste na ferida e houve quem não gostasse. Ainda que esta competição não seja, de todo, a mais importante para nós, se lá estamos é para ganhar. É para conquistar. Agora vêm as meias-finais e espero que seja com uma vitória «à Porto». Porque quero mesmo concordar quando o dizes. Quero sentir que o foi. Porque mais do que ninguém temos capacidade para isso.     

Bruno de Carvalho, não sabes, mas a nossa relação nunca foi a melhor. E tudo começou quando chegaste de peito feito a dizer que querias ser recebido no ambiente mais hostil no Estádio do Dragão. Tenho que concordar quando dizes que se os jogos estão marcados para a mesma hora têm que começar ao mesmo tempo. Certo. Tens toda a razão nesse aspeto. Mas deixa-me relembrar-te que isso não significa que tenham forçosamente que acabar ao mesmo tempo. Não deves ter visto o nosso jogo e talvez a informação que te tenha chegado não tenha sido a mais correta, mas se te tivesses informado primeiro talvez descobrisses que o constante anti-jogo do Marítimo e o tempo perdido com a assistência a um dos jogadores da equipa adversária era motivo suficiente para termos mais dez minutos de jogo. Se calhar dez é um exagero, mas é só para compreenderes que mesmo que o jogo começasse ao mesmo tempo nunca iria acabar na mesma altura. Já não estava à espera de outra coisa a não ser ouvir-te frustrado a disparar em todas as direções. Eu sei, custa perder um apuramento assim. Mas ninguém vos mandou festejar antes do tempo. Só faltou mesmo dizeres que não era penálti! Não, espera, mas isso foi precisamente o que tu fizeste. Realmente não existiu um penálti. Existiram dois, só que a falta sobre o Carlos Eduardo não foi assinalada. Se calhar esqueceram-se. E agora que penso, se calhar querias que deixassem de marcar grande penalidade só porque o vosso jogo já tinha terminado. Já ouvi dizer que também vocês têm motivos para se queixarem de um penálti que ficou por marcar. Não vi o vosso jogo, mas acredito. E aí ficaríamos empatados com o mesmo número de golos, mas vocês passavam pela média de idades. Mas se calhar preferias um apuramento assim. Talvez te pareça mais justo. Fica para a próxima. Não acreditas em coincidências? Eu também não. E o certo é que o Paulo Fonseca pode errar em muitas coisas que diz, mas numa tem toda a razão: «se for o FC Porto vai dar uma semana de falatório». Vocês trabalham, não andam a brincar? Nós também não andamos a brincar, ainda que queiras passar essa imagem. Só tenho pena é que os teus critérios mudem conforme te convém. 

Nunca subestimem a nossa raça e o nosso querer. É quando nos julgam derrotados que nos reerguemos da chama e chegamos ao topo. Ao lugar que nos pertence. «No peito, a chama arde sempre mais forte». Nós somos sempre mais fortes. Contra tudo e contra todos. Desde o primeiro dia. Até ao último. Porque somos Porto. Até ao fim! 

You Might Also Like

26 comentários

  1. Embora não perceba muito de futebol, foi um bom jogo. :D

    ResponderEliminar
  2. Eu não percebo nada de futebol, não vi o jogo mas há algo que é capaz de me emocionar. A força que os adeptos dão às equipas, quando cantam, quando assobiam, quando estão lá. Trabalhei como hospedeira de eventos no estádio do Sporting e às vezes dava por mim toda arrepiada a ver a força com que as claques cantavam e consequentemente, punham um estádio inteiro a cantar. :p
    Às vezes, só gostava que houvesse menos rivalidade entre os clubes!

    ResponderEliminar
  3. Sim, é isso, é preciso que não se ultrapassem os limites, mas eles são ultrapassados muito rapidamente. Às vezes, as pessoas vivem demais as coisas ao ponto de fazerem coisas más. E acho que isso não é saudável. É bom vivermos o futebol, tal como outra coisa qualquer, mas ir longe de mais e prejudicar o outro já não é bonito.

    Siim *-* Mas, um dia, vamos tornar realidade estes nossos desejos. Quando eu conduzir uma carrinha pão de forma ou construir uma casa numa árvore lembrar-me-ei de te convidar para a inauguração de ambas as coisas :p

    ResponderEliminar
  4. Eu não gostei muito por isso mudei para este :s

    ResponderEliminar
  5. Tu percebes mesmo de futebol pena é estares no clube errado aha

    ResponderEliminar
  6. Ai Jesus que tu és mesmo fanática pelo Porto e mais além! :) cada vez me surpreendes com coisas do FCP e do Quaresma.. a sério :oo
    Eu sinceramente não vi jogo nenhum, passo-me da cabeça xD vejo só os últimos minutos!

    Poisss ééé! ela é incrível, eu adoro mesmo a escrita simples (e profunda) dela :)

    Aii, eu cá me lembro da última vez que fui à lefties, foi dia 1 de outubro xD ficava pertinho da casa de cascais *.* na Primark perdi-me lá dentro e dei de caras com a Fanny (que horror) xp

    beijinhoo ♥* :)

    ResponderEliminar
  7. Olha que isso é bom! Cá em casa vivíamos mais o futebol quando eu era pequenina.. porque tinha o meu irmão cá em casa e ele e o meu pai era fanático pelo FCP, para nem falar de quando o meu avô se juntava a eles xp eheh
    ahah, imagino tu ficares nervosa por um jogo de futebol :b

    Somos duas com a mesma opinião :D

    Aii os pijama eu vi-os, mas não comprei porque não tinha necessidade nenhuma e não tinha mais espaço na mala para os trazer xp uma coisa que falta aqui são pijama fixes desses :c
    a sériooo! não imaginas mesmo xD eu a pensar "bem, se está tanta gente ali, deve estar coisas mesmo baratinhas." chego lá era montes de raparigas a tirar fotos com a Fanny --' xD

    Então nisso somos iguais! Eu adoro rir :D Eu por acaso disfarço bem se estou bem ou não, até porque quando estou mal prefiro partilhar e fazer coisas que me façam sorrir ao máximo :) eu guardo muito para mim (infelizmente).. e às vezes quem está à minha volta leva por tabela, quando me apanha num dia menos bom :x

    beijinhoo :3 *♥*

    ResponderEliminar
  8. Tudo aquilo que escreveste, é exatamente aquilo que sinto.
    Ontem, fui ao Dragão. Sofri e berrei. Fiquei nervosa. Levei as mãos à cabeça, vezes sem conta e pelo meio sairam umas asneiras de revolta. Não foi um jogo fácil para se controlar as emoções. O Porto marcou, berrei... mas nem 2 minutos depois revoltei-me. E quando vi chegar os 60 minutos com o jogo contra nós, já nada me sossegava. Já roía as unhas, já tinha uma chiclet na boca, nada me controlava. Menos mal, que acordamos, atinamos e não tivemos medo da bola. Fomos crescendo, nos minutos finais. E diga-se de passagem, aquele penalty teve um sabor incrível, mas estava com tanto receio. Fico sempre nervosa com penalties.
    Estamos nas meias finais :)

    Há jogadores que ficam na história do clube, sempre. Eu adorava o Jardel, o Deco, e são intemporais. O Pedro Emanuel, não sei explicar, mas foi dos jogadores que mais me custou ver o momento da despedida.
    É bom saber que há portistas como eu, com garra! :)

    ResponderEliminar
  9. ahahah, puderaa! só o amor que mostras aqui pelo Porto percebe-se :p
    ahah, vá lá que és de saúde forte! xb

    Espero um dia comprar um pijama daquele lá! Eu adoro comprar coisas na Lefties e na Primark, a sério! chego aqui ninguém temm *.* ahah o mesmo aconteceu com as minhas botas da calaçado guimarações e aquela camisa azul e branca (que tu queres em pretoe branco) xp
    enfim.. foi uma desilusão pensar tal coisa xD

    O tempo muda e vamos mudando com ele.. :) ♥

    ResponderEliminar
  10. Olá linda! Passei por cá para divulgar a minha loja online de acessórios; gostava muito que pusesses like.

    https://www.facebook.com/Saphyra.Acessorios

    Obrigada :)

    ResponderEliminar
  11. ahah, boa :p Por acaso, conheço quem quase morra por futebol --' tenho um tio (aliás, já não é bem meu tio, visto que divorciou-se da minha tia, que é irmã da minha mãe) que ele ia ao Porto sozinho só para ver jogos de futebol e depois vinha para cá mal acabava os jogos -.- entretanto nunca mais ouvi falar dele, nem sei se ainda o faz xb mas também é exagero :oo mas realmente, quem gosta, gosta mesmo!!

    ahah, provavelmente encontras mais para a frente, que aquilo é mais de verão :)

    ResponderEliminar
  12. Eu também sou assim. Mando vir com a tv, ponho-me de pé como se fosse o treinador e quando é golo, grito tanto que às vezes a minha quase que deixa cair os pratos (quando está a lavar a loiça). é demais xD

    ResponderEliminar
  13. ahahah, xD coitadinhaa!
    isso nunca me aconteceu por futebol, nem de longe mesmo x)
    Sim, lá isso é verdade! porque ele ia a tudo e mais alguma coisa quando podia!

    pois é.. tens que "investir" depois e pode ser que encontrei baratinho como eu (5€) :b

    ResponderEliminar
  14. Pudera que não esqueças! tens sangue azul e branco :p
    ahh pois tens, ahah :3 assim dá para comprares mais qualquer coisa sem ser só a camisa
    pois éé ♥♥

    ResponderEliminar
  15. ahahahah, só podias mesmo ir buscar livros xp e eu a pensar em mais roupa :b

    beijinhoo ♥

    ResponderEliminar
  16. Colares nem sou para ai virada, mas lenços e cachecóis é comigo tambéém *.* eu e a minha mãe temos de todas as cores :3 se bem que ela é que compra e eu uso ahah fazemos umas trocas de vez em quando :)

    ResponderEliminar
  17. Pois, é exatamente isso... no ínicio com a novidade aquilo é um fascínio.. E no meu caso o facebook não tem tido muito sucesso em me aproximar das 'velhas' amizades.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  18. Quando gostamos das coisas nunca é demais ter mais uma do mesmo género :p
    eheh, és como eu então *.* pois éé :3 e até acho estranho, porque a minha mãe não gosta que use coisas emprestadas xD

    ResponderEliminar
  19. Great blog :)
    Would you like to follow each other via GFC, Bloglovin and Facebook?
    Let me know :)

    Kisses!

    http://www.gagcloud.com/

    ResponderEliminar
  20. Ainda bem que pensas dessa maneira, então. :)

    Reparei que estás a ler A Vida de Pi. Também quero ler ^^

    ResponderEliminar