«A Persistência da Memória»


«Uma história de emoções à flor da pele»

Daniel Oliveira. Habituei-me a esperá-lo ao sábado, na sic, no programa Alta Definição. E por mais que soubesse que todas as entrevistas acabariam com a pergunta «O que dizem os teus olhos?» nunca saberia o que responder de imediato. Quedava-me uns segundos em silêncio nos pensamentos e só depois partia para a formulação de uma resposta. Uma afirmação muda que só eu ouvia.

Para quem estava em casa a assistir, como sempre foi o meu caso, era impossível não olhar para aquela entrevista como uma conversa. Como se os intervenientes fossem amigos de longa data a recordarem momentos passados. E em todas elas, sem exceção, emocionei-me. Fiquei de lágrimas à porta, indecisas entre permanecerem brilhantes ou rolarem pelo meu rosto. E chorei! Como se a história me tocasse na primeira pessoa. Como se aquele alguém fosse uma parte do meu coração. E se houve alguma coisa que aprendi no meio de tudo isto é que aquelas pessoas, por mais que as olhemos como um exemplo e achemos que são intocáveis, são iguais a nós. Têm histórias de vida que, muitas vezes, estamos longe de imaginar. E há alturas em que sabemos exatamente o que significam determinados fragmentos do seu passado por serem, ainda que em pequenas proporções, idêntico a um fragmento de um passado que é nosso. 

Um profissional que consegue transpor a formalidade de uma simples entrevista e nos faz chegar toda a familiaridade de uma conversa, sem perder o foco do que realmente importa, é, sem dúvida, alguém que quer marcar a diferença. Além disso, é alguém que sabe muito bem o que faz. Que respeita o trabalho que tem em mãos. Mas que consegue, ao mesmo tempo, mostrar-nos o melhor de alguém. E isso, muitas vezes, pode significar episódios não tão agradáveis da vida do entrevistado. Só que o respeito com que toda a informação é tratada é de um enternecimento que só nos leva a admirar ainda mais aquele ser humano que se sentou pronto a falar de si, sem filtros. E eu acho que é precisamente por toda a suavidade e humanidade com que as perguntas são feitas, sem haver qualquer tipo de julgamento pela possível resposta, que leva as pessoas a falar de coração aberto. 

Eu gosto desse lado genuíno. Da frontalidade dos pormenores. Da verdade dos factos. Gosto quando a minha admiração por um profissional é corroborada não só pelo talento do mesmo, mas também pelo lado humano que o caracterizam. E gosto ainda mais quando do outro lado está um entrevistador como o Daniel Oliveira. Fiquei a conhecer o seu trabalho no Alta Definição e não mais o deixei de acompanhar. Foi com surpresa e grande expectativa que tomei conhecimento do seu primeiro romance. E não podia esperar mais até o ter nas mãos. O risco de ficar desiludida era grande. É que quando admiramos o trabalho de alguém temos tendência para esperar que seja bom em todas as áreas. E o facto de ser um grande entrevistador não significa que seja um grande romancista. Mas sabia perfeitamente que se escrevesse tão bem como faz entrevistas o produto final só podia ser algo de cortar a respiração. Pela envolvência. Pela criatividade. Pela positiva. Sempre pela positiva.

Recebi o livro como prenda de Natal. Comecei a lê-lo no dia vinte e cinco à tarde. Reconfortei-me na poltrona da sala, em casa dos meus tios, e deixei-me envolver nas palavras. Da primeira à última página. Agora que penso, acho que não me mexi durante quatro horas, mas a história não me permitia pousar o livro. A vontade de saber o que vem depois, o que acontece a Camila, era demasiado apaixonante para fechar o livro e interromper a leitura. Por isso mantive-me ali, sozinha, acompanhada por aquele livro de capa vermelha e pela história de uma mulher que se lembra de tudo ao mais pequeno pormenor. Que não se esquece, por muito que tente e que queira. E que nos deixa mesmo com as «emoções à flor da pele».

Não parei de ler. Li de coração aberto. Apeteceu-me chorar em algumas partes, enquanto noutras o desejo era saltar para dentro do livro e dar uma abraço apertado àquela personagem fictícia de seu nome Camila. A história é desconcertante, leva-nos a ler com cuidado para perceber cada palavra, para acompanhar a sequência de acontecimentos, para compreender o que vai na cabeça de alguém que, à partida, não se encaixa em nós, por não termos histórias de vida semelhantes ou que em nenhum ponto se tocam. Dei por mim a tentar colocar-me no papel da Camila, a tentar perceber o que faria se a minha vida apresentasse os mesmos obstáculos, e a verdade é que não sei. 

No final da leitura, o meu livro ficou assim: todo marcado por setas coloridas. Por serem passagens da história que me marcaram a mim. Por serem, em muitos casos, uma chamada de atenção. Mas também há partes que nos fazem sorrir. E talvez rir. Pelo diálogo engraçado e provocador. Mas lá no fundo é a história de alguém que podia estar neste exato momento ao nosso lado. É a história da vida de alguém, ainda que esse alguém só exista ali, naquelas duzentas e trinta e oito páginas.    

Quanto aos outros não sei, mas eu persistirei para que este livro não me saia da memória. 



Uma (das muitas) passagem do livro que me marcou:

«- Nem eu sou o que fui, nem tu és o que foste, Camila. Somos outro a cada momento. - Disseste
- E vais assim embora, sem mais nada? Num dia está tudo bem e no seguinte é o inferno. Tudo o que aconteceu entre nós não vale de nada?
- Não é isso que está em causa, claro que vale. Farás sempre parte da minha vida, assim como eu da tua. A forma como ficarás cá dentro só a mim diz respeito mas, como já te disse, as pessoas mudam e tu não és diferente.
- Claro que sou, sempre fui a mesma contigo, não mudei.
- Claro que não és, ninguém é. Eu sou tudo o que vivemos, mais o que deixei por viver. Sou a soma dos anos, dos risos e das angústias. Não posso ser o que fui quando não sou o que era. Nem tu podes querer que eu seja a pessoa que tu gostavas que fosse.

Resignei-me no fosso do teu silêncio. Um silêncio a que a evocação obriga agora a regressar. Levantei o rosto e olhei-te mais fundo do que julgava conseguir, lembras-te? Tudo o que disseste, já se vislumbrava nos teus olhos. Desatei as cordas que te amarravam a mim e que já estavam cortadas sem termos percebido.

Deixo-te ir. Abro as mãos e podes voar.»

You Might Also Like

42 comentários

  1. Sinceramente nunca vi o programa dele mas sei que é um grande profissional e montes pessoas já me elogiaram o trabalho dele. Então esse Natal querida?

    ResponderEliminar
  2. Adoro o programa dele. Acho que os «famosos» deixam de o ser e passam, a ser pessoas normais. Parece tão genuíno.

    ResponderEliminar
  3. enfim.
    espero q sim :p
    fogo, nunca imaginei q passa-se com 0 erradas.
    ainda bem, ora essa de nada :p

    ResponderEliminar
  4. Adoro o Daniel Oliveira e estou super curiosa quanto a este livro. Mas ainda vai ter que esperar uns meses porque agora tenho imensos em casa por ler :) Mas, e depois de ler esta tua opinião, tenho a certeza que será uma excelente leitura!

    ResponderEliminar
  5. O meu também foi muito bom mas passou tão depressa :o Obrigada querida <3

    ResponderEliminar
  6. Fiquei curiosa em relação a esse livro..

    ResponderEliminar
  7. É exatamente isso.. Ele tem poder sobre as pessoas, um poder bom.

    ResponderEliminar
  8. Yo tengo dos libros muy interesantes esperándome :)

    Besos

    SHOPPING STYLE

    ResponderEliminar
  9. Não conheço o livro :( mas gostei muiiiiiito das frases que te marcaram, principalmente da segunda!

    Óhhhhh, muito obrigada lindaa :) fiquei muito contente com a tua opinião *.* gosteii muiiiiiiito!

    ahh, a camisa da primeira foto comprei numa feira em carcavelos, a 5€ nas férias de verão xp ahah e mal a usei até (ainda)!

    És uma queridaaa!
    Beijinho grandee ♥♥

    ResponderEliminar
  10. adoro-o e admiro po trabalho dele, ontem vi o alta definição "do ano" e adorei!

    ResponderEliminar
  11. Eu adoro-o, tenho de ler o livro :) Já ouvi falar muito bem dele!
    R: Oh, muito obrigada querida! Tens toda a razão*

    ResponderEliminar
  12. Tens mesmo que ver! Acho que vais gostar :))
    bjs

    ResponderEliminar
  13. Eu nem o aprecio muito, mas gosto do trabalho dele que tenho visto! e a minha ignorância passou a conhecer o livro dele aqui no teu blog :x

    A minha é mesmo de verão, por isso tenho que usar com muitas camisolas se usar nestes dias xD porque é sem mangas.. aii 20€ é caritoo, nem eu dava :c tens que procurar e aproveitar se encontrares nos saldos.

    Eu também a acho fofinha pela maneira de dizer, só isso! dai até gostar de Pim x) ahah

    beijinho minhaa fofinhaa ♥ :)

    ResponderEliminar
  14. Eu sinceramente mal vejo sic, é mesmo muito raro (odeio completamente, mas pronto respeito quem vê e gosta). e aos sábados quando faço bolos a única coisa de jeito que dá á'quela hora é filmes na tvi ou alta definição na sic e o que lhe conheço é dai também :)

    ah pois tenss :p mas daqui até lá pode ser que encontres outras coisas e até outras camisas :3

    Ora ai está por outras palavras o que escrevi no blog hoje :)

    beijinhossss ♥♥

    ResponderEliminar
  15. ps. tens que tirar aquela coisa das palavras após comentar o teu blog.. ultimamente tenho errado nisto tudo -.-

    ResponderEliminar
  16. eu para te ser franca nem vejo nda na sic :x

    és como eu! já gostei mais que agora.. agora nem ir ao shopping tenho vontade ._.

    ResponderEliminar
  17. ps. yeyyyyyyyyy! tu tiras-tee :) obrigada xD ahah ♥

    ResponderEliminar
  18. Querida espero que 2014 também te traga imensas coisas boas e que seja muito melhor que 2013. Um ano cheio de felicidade é tudo o que desejo, beijinho grande fofinha e boas entradas <3

    ResponderEliminar
  19. Sinceramente, não vejo sequer televisão :/

    Boas entradas querida. Tudo de bom!

    ResponderEliminar
  20. R: Eu só consigo ver séries no pc.

    ResponderEliminar
  21. Ele mereceu, todo o meu amor e merecia mais ainda. Honestamente, não sei o porquê de ele ter ido embora assim sem qualquer motivo e duvido que algum dia saiba mas está mais que na hora de viver o presente.
    Pois tem, tem mesmo.

    ResponderEliminar
  22. Também gosto muito dos seus testemunhos, das suas frases. Não li o livro, mas deve ser interessantíssimo. Um bom ano, que venha cheio de coisas boas. Um beijinho

    ResponderEliminar
  23. estou muito curioso para ler este livro, mais fiquei depois de ler esta crítica. é um dos livros que vou ler no princípio de 2014. Obrigado pelo comentário, ajudou bastante :)

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  24. r: também vi o jogo do porto e sinceramente não achei piada nenhuma

    ResponderEliminar
  25. Venha ele e, de preferência, acompanhado de muita coisa boa :)
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  26. UAU! gostei do texto!
    Feliz 2014!!

    santiroyaolhome.blogspot.com
    Santi

    ResponderEliminar
  27. Arrepender-me? Por mais mágoa que sinta, não consigo arrepender-me. É o que vou fazer, viver a minha vida. Deixá-lo para trás.

    ResponderEliminar
  28. Assim o espero querida. Obrigada pelas palavras, são mesmo confortantes <3

    ResponderEliminar
  29. Ele fazia um trabalho fantástico nas entrevistas do Alta Definição :)

    Sem Jeito Nenhum Blog

    ResponderEliminar
  30. R: Por acaso comigo é exactamente o contrário porque no computador sinto que posso ver à velocidade que quero.

    ResponderEliminar
  31. por acaso, arrependo-me de não ter estado mais atenta ao programa!

    ResponderEliminar
  32. Nem sempre vi as entrevistas, mas quando via adorava. E gostava muito de ter esse livro! Quando acabar de ler o livro que estou a ler, talvez seja o próximo que compre.
    Um beijinho d'A Gata para ti e, já agora, um bom ano *

    http://agatadesaltosaltos.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  33. A minha irmã ofereceu-me no Natal e ainda não comecei a ler mas estou ansiosa!

    ResponderEliminar
  34. Eu prefiro ficar pelos filmes do que o Alta Definição :p

    Aiiiii, és como euuuuuuuu! ahah eu só vou a shopping's quando tem mesmo que ser e tenho mesmo que comprar alguma coisa :)

    Assim é "melhor" de comentar! :b ahah

    Beijinhosss ♥♥*

    ResponderEliminar
  35. Por acaso não conhecia esse livro. Nunca tinha ouvido falar dele :p

    ResponderEliminar
  36. Tens toda a razão no que me disseste no comentário! Depois, quando agarramos a felicidade, já nunca mais a largamos. Aí (re)descobrimos o que é viver :)

    Que entres em 2014 com o pé direito querida :)

    ResponderEliminar
  37. Estou a ler. Tenho pouco tempo por isso vou lendo devagar, um pouco a cada dia! Mas estou a gostar imenso!

    ResponderEliminar
  38. obrigada, és sempre uma querida*
    gosto imenso do Daniel, tenho de ler o livro. Um beijinho :)

    ResponderEliminar