O nosso amor é como o vento #9

Fotografia da minha autoria


[Prólogo | #1 | #2 | #3 | #4 | #5 | #6 | #7 | #8]



Como vem sendo hábito, voltei a passar pelo cemitério para colocar o girassol mais fresco que havia na florista. E no percurso feito de carro, tornei a contemplar a vista que me envolve, captando os detalhes, como fazíamos em todos os nossos passeios sem destino aparente. Porque aprendi a ver um pedaço de ti em cada um deles. De uma maneira singular, mágica e transcendente tu estavas presente. E isso deixava-me em paz.

Quando cheguei, sentei-me ao lado da tua fotografia e fiquei em silêncio. Permaneci ao seu lado, durante algum tempo, até receber uma mensagem do jornal. Assim que me senti mais confiante, regressei ao trabalho e, desde então, não parei. O que tem sido uma verdadeira lufada de ar fresco. Tenho escrito mais e novos artigos e também tenho feito a cobertura de alguns eventos a nível fotográfico. A tua máquina tem dado imenso jeito nessas situações - e garante-me que, ainda que não diretamente, continuas a fazer algo que adoravas. Despedi-me, por fim. E, ao levantar-me, reparei que tinha deixado cair um cartão: era o de Lourenço Botelho! Nunca lhe cheguei a telefonar. Aliás, esqueci-me, completamente, de que tinha o seu contacto. Por esta altura, deve pensar que sou uma pessoa horrível!

Depois de sair do jornal, ainda passei pela faculdade para dar explicações. Como tinha cerca de dez minutos até começar, resolvi remediar a situação pendente.

- Lourenço Botelho, em que posso ajudar? - disse, do outro lado da linha, com uma voz rouca e terna.

- Olá, Lourenço, fala Constança Mendonça. Provavelmente, já nem se recorda de mim... - consegui dizer antes de ser interrompida.

- É claro que me recordo de si! Apesar de nunca ter ligado, não me esqueci - neste momento, senti um misto de simpatia e ironia.

- Peço desculpa, devia tê-lo feito, sobretudo, depois de ter sido tão atencioso.

- Não tem que se desculpar. Aliás, nem tinha que telefonar. Eu é que fiquei com esperança que o fizesse. Perdoe-me se estiver a ser inconveniente.

- Tinha, sim, quanto mais não fosse para voltar a agradecer a sua amabilidade.

- Mas, repare, acabou por me ligar.

- Três meses depois...

- Conta na mesma - disse-o, rindo-se. - Como tem passado?

- Tal como me disse, nunca se recupera, mas aprende-se a viver com isso. E eu prometi ao Gonçalo que ia ficar bem pelos dois - acho que foi a primeira vez que o disse com tanta convicção.

- Esteja ele onde estiver, tenho a certeza que fica feliz por a ver assim.

- Espero que sim - e, neste momento, sorri. - Peço desculpa, mas vou ter que desligar, os meus alunos já chegaram.

- Claro, não se atrase por minha causa - senti um traço de desilusão na sua voz.

- Foi um gosto falar consigo. E, uma vez mais, peço desculpa por só ter ligado agora.

- Também foi um gosto falar consigo. Constança... - hesitou.

- Sim? - retorqui

- Será que está disponível para um café, amanhã?

Não respondi de imediato, talvez por vergonha, talvez por ter receio de me encontrar com ele. Afinal, era tudo tão recente e eu não tinha a certeza de estar preparada para um passo destes, que poderia parecer insignificante. O certo é que o meu silêncio começava a incomodar Lourenço.

- Desculpe, Constança, não deveria ter perguntado. Foi indelicado da minha parte - estava completamente sem jeito.

- Um café nunca fez mal a alguém - será que não?

- Encontramo-nos amanhã, então. - senti um certo alívio na sua voz.

- Sim! Depois envio-lhe uma mensagem a combinar - e despedimo-nos.

Assim que desliguei, senti-me insegura. E precisava de falar com alguém. A tua mãe, que sempre teve um sentido de oportunidade excecional, acabou por me ligar ao final do dia, percebendo que havia alguma coisa a inquietar-me. Contei-lhe o sucedido e fiquei surpreendida quando me disse que fiz muito bem em aceitar. Confesso, não estava à espera. E, acredita, compreenderia se isso a incomodasse. A sua aprovação camuflada aliviou-me. E afastou certos fantasmas que pairavam sobre o meu pensamento. Só espero que tu saibas que isto não é um verdadeiro encontro e que ninguém será capaz de te substituir - e eu tenho a certeza que sabes!

19 comentários

  1. Cada vez mais curiosa. Será que Constança e Lourenço se vão apaixonar?

    Por favor, Andreia, não deixes morrer esta história. Tens que a publicar em livro :)

    Beijinho grande!

    ResponderEliminar
  2. O cair do cartão terá sido um sinal do Gonçalo?

    ResponderEliminar
  3. E a vida é mesmo assim, ensina-nos a ter novas oportunidades :) Depois da tempestade vem sempre a bonança, so temos de acreditar, por muito que nos custe, o tempo e o nosso melhor aliado!
    Para quando o livro? ;)
    Bjinhosss*
    https://matildeferreira.co.uk/

    ResponderEliminar
  4. Deixas-nos angustiados :)
    Sempre a espera do que vem a seguir.

    ResponderEliminar
  5. Eu acho que vão ficar juntos, estou com esse pressentimento :b

    Beijinhos,
    DEZASSETE

    ResponderEliminar
  6. Esta história é tão bonita! Parabéns!
    Beijinho, Ana Rita*
    BLOG: https://hannamargherita.blogspot.com/ || INSTAGRAM: https://www.instagram.com/rititipi/ || FACEBOOK: https://www.facebook.com/margheritablog/

    ResponderEliminar
  7. Tão giro, aguardo as "cenas dos próximos capítulos" ehehhe

    ResponderEliminar
  8. que texto mais lindo, adorei, acho tbm que vao terminar juntos

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderEliminar
  9. Eu vejo no Lourenço Botelho simplemente uma "peça sobressalente".

    Enquanto que o amor pelo Gonçalo é ETERNO, esteja ele onde estiver.

    Será que me identifico com a Constança? Daí, não gostar que fiquem juntos!

    Mas tu é que és a autora da história. Aguardo a tua decisão.

    ResponderEliminar
  10. Oh acho que quando voltar ao final da historia tenho de voltar a ler tudo, pois está bastante interessante
    Beijinhos
    Novo post // CantinhoDaSofia /Facebook /Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  11. Olá
    Já estou a ver uma luz ao fundo do túnel, achei é que foi muito rápido, mas cada pessoa tem o seu tempo. E um café sabe sempre bem com dois dedos de conversa.
    xoxo

    marisasclosetblog.com

    ResponderEliminar
  12. Uhhh... isto promete!! Quero mais!!

    Beijinhos
    Sandra C.
    bluestrass.blogspot.com

    ResponderEliminar
  13. Estou bastante curiosa com a relação dos personagens
    https://retromaggie.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  14. Boa :D Então vou editá-lo :P De certa forma faz sentido que ele veja a luz do dia!
    Ohn, obrigado, meu bem :D

    Ai que isto me está a dar comichão!!! *.* Se for acontecer aquilo que estou a pensar, vais retratar alguns problemas/tabus pelos quais a sociedade passa quando um parceiro/a parte. :D Quero muuuuuuuuito ler mais :D

    NEW TIPS POST | BLUSH OR CRUSH? :D
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  15. A vida não pára, por isso, acho que a Constança fez muito bem em aceitar o convite.
    Ainda que nunca esqueça totalmente o Gonçalo, o que se percebe perfeitamente, só tem de continuar a viver e a aproveitar as pessoas que se poderão cruzar com ela. Pois, as recordações, ela terá sempre e o Gonçalo será sempre parte da sua história e passagem pelo mundo :)
    Estou muito curiosa com o que vem a seguir, quem sabe se essa queda do cartão não tenha sido um sinal do Gonçalo :)

    Fico à espera de mais!!!

    ResponderEliminar
  16. Sinto que se aproxima um recomeço para a Constança. Espero que ela aproveite. E não, um café nunca fez mal a ninguém!

    ResponderEliminar