Os 7 brinquedos que sempre quis e nunca tive

Fotografia retirada do site Love This Pic


«As crianças e seus brinquedos», Heráclito



A minha infância ficou marcada por muitas brincadeiras - acompanhada, sozinha, em casa, na escola, ao ar livre. E entretinha-me com um pouco de tudo, desde peças mais convencionais a objetos perfeitamente aleatórios. Porém, como seria de esperar, tinha as minhas preferências e fazia questão de recorrer a cada uma delas durante um período de tempo indeterminado - mas, maioritariamente, longo. Fui muito feliz a brincar com a cozinha que os meus pais me ofereceram, com as barbies, com os carrinhos, com berlindes e com mais um conjunto de brinquedos tradicionais e/ou modernos. Naquele jogo constante do faz-de-conta, experimentei muitas realidades paralelas e diversos «eu», que moldaram, mesmo sem ter essa perceção, a pessoa que sou hoje.

A oferta era muita. E a dispersão também. Portanto, a quantidade de brinquedos parece-me, agora, absurda [admito que possa não ser a definição mais correta]. Mas, na altura, sentia que nunca poderiam ser em demasia, até porque arranjava-se sempre espaço - e vontade - para acolher mais um. Viajando até ao passado, e aproveitando para fazer uma análise mais introspetiva, sei que muitos dos que tive acabaram por ser utilizados poucas vezes. E isso, em parte, provoca-me uma certa melancolia, que se prolonga por uma permanente sensação de saudade. Atualmente, e tendo em conta a profissão que quis abraçar, sei que muitos brinquedos expostos desencadeiam uma reação contrária à esperada, porque, como há vários, as crianças não usufruem de todas as possibilidades que um único objeto pode proporcionar. A transição entre eles é rápida e, no fundo, pouco significativa. Contrariamente, limitar as opções faz com que ganhem mais tempo a explorá-las. E não há nada mais gratificante do que ver os miúdos a criar inúmeras formas para utilizar o mesmo brinquedo. Além disso, ficariam admirados com a quantidade de vezes que uma colher ou uma etiqueta, por exemplo, lhes desperta muito mais o interesse e a criatividade. Por isso, é preciso adaptar. Diversificar. E reduzir para não limitar - ainda que este pensamento pareça contraditório.

Há muitas brincadeiras que nem sequer necessitam de um material que as sustente - adorava jogar às caçadinhas, às escondidas, às lengalengas com palmas. Ainda assim, tenho noção que me perdia de amores pelos brinquedos em si. E tive vários. No entanto, havia sempre um grupo que permanecia no nosso imaginário, porque os achávamos fantásticos, porque eram exatamente aquilo que queríamos [mesmo que, rapidamente, os deixássemos ao abandono], porque seria mágico tê-los - argumentos não faltavam. Felizmente, os meus pais nunca tiveram problemas em dizer não aos meus caprichos, ensinando-me que o dinheiro custa a ganhar e que há coisas mais prioritárias. E não foi por isso que brinquei menos. Talvez, muito pelo contrário. Apesar disso, passado todo este tempo, ainda sou capaz de enumerar sete brinquedos que sempre desejei, mas que nunca cheguei a ter. 


Nenuco: Carrinho de Gémeos 
[não consegui encontrar a publicidade em português]



Mauzão



Jogo de tabuleiro: Operação



Pista de Carros



Carro Telecomandado



Casa das Polly Pocket



Tragabolas





Quais são os brinquedos que sempre quiseram ter?

28 comentários

  1. Quando era miúdo tinha um comboio eléctrico que fazia as minhas delicias e ainda hoje se tivesse casa para isso teria um bem grande.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  2. Não tenho memória de nenhum brinquedo que quisesse ter...

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  3. Eish também sempre quis ter o mauzão mas olha ninguém se lembrou de me dar:) lembro me que fiquei toda contente com a A Minha Agenda pois foi das coisas q mais pedi a minha mãe :)
    Nunca tive Barbies acreditas?
    O Lu entretém se maus com coisas simples cm caixas de cartão do que com os brinquedos dele...ah e com os interruptores das luzes... e com as cantorias dele :)
    Haja saúde :)
    Bjinhosss e bom fim de semana minha querida*
    https://matildeferreira.co.uk/

    ResponderEliminar
  4. Nunca mais me esquece do desejo louco que tinha de ter um baby born! Os meus pais correram tudo e estava esgotado em todo o lado. Até a Espanha foram ver se o encontravam. Em compensação deram-me um nenuco que tinha um berço, e imensos acessórios! Fiquei contente mas ficou sempre aquela "mágoa" de não ter tido o baby born! Ainda hoje falamos sobre isso!
    https://jusajublog.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  5. Olá
    sabes que eu tenho um fascínio por brinquedos, os meus pais durante alguns anos tiveram uma loja de brinquedos, a sério!!! E, ainda guardo e tenho expostos alguns no meu escritório. Desses que gostavas de ter tido, eu tive a operação, mas olha foi uma grande decepção. Agora tenho fascínio por bonequinhos muito pequenos e com muitos detalhes. E, nunca perdoei o Pai Natal por não ter oferecido a Tucha ahahhaah
    xoxo

    marisasclosetblog.com

    ResponderEliminar
  6. Quase podia fazer essa lista a minha, menos a pista de carros ;)

    ResponderEliminar
  7. As crianças devem ter os brinquedos necessários para brincar e não em exagero. No meu tempo de criança, eu tinha uma carreta feita de cortiça, com uma junta de bois também feitos de cortiça.
    Quando mais crescido entretinha-me no jogo do pião e do berlinde.
    Agora na era dos computadores em desuso.

    Tenha um bom fim de semana Andreia.

    ResponderEliminar
  8. Em criança fui tão burra e todos os dias arrependo-me por ter feito aquela escolha, mas já se sabe, inocentes e influencias. Escolhi uma cena de pisar aranhas (que doía para caraças) invés de um GameBoy, achas normal? xD
    Ainda hoje quero ter um carro telecomandado, todos os anos está na minha lista ahaha

    Beijinhos,
    DEZASSETE

    ResponderEliminar
  9. Oi Andreia, eu sempre tive muitos brinquedos, não me lembro de desejar algo que não tive (mas certamente existiu, porque criança sempre quer o que não tem, né? hahaha!). Eu tive esse jogo Operação e amava! E ele existe até hoje, né? Outro dia vi uma versão mais moderna numa loja. Um beijo :*

    ResponderEliminar
  10. Alguns que falas-te acho que não me lembro de ter tido, mas tenho uma vaga ideia de uma boneca do meu tamanho quando era pequena, mas de todos o que mais tenho são peluches
    Beijinhos
    Novo post (Novo Conjunto?) // CantinhoDaSofia /Facebook /Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  11. Eu quis ter, uma vez, um carro de lata, mas com a devida antecedência, a minha mãe começou a mentalizar-me que "o Menino Jesus" não tinha carros e ia dar-me uma carroça de madeira, com burro e tudo.
    Mas os brinquedos (ou a falta deles), também moldaram um pouco o meu caráter como adulto. Primeiro porque aprendi a fazer os meus próprios brinquedos e isso deu-me um pouco da habilidade que tive sempre para fazer "engenhocas". Depois, como não brinquei muito em criança, agora vingo-me. Brinco mais agora, do que brinquei quando era puto. Parte dos meus biscates têm uma componente lúdica muito acentuada e os computadores e tablets, ocupam-me grande parte dos tempos livres, que são de manhã à noite. eheheh

    ResponderEliminar
  12. Que bom recordar a infância , o meu boneco preferido era uma pantera cor de rosa do meu tamanho que ainda guardo.

    ResponderEliminar
  13. Maravilhoso. É sempre bom recordar quando a infância foi boa :))

    Hoje, do Gil António... Amor por entre nuvens de distância .

    Bjos
    Votos de uma boa noite.

    ResponderEliminar
  14. ;D

    A única coisa que me recordo que queria ter na infância só que nunca tive era um patins (não sei se isso se encaixa em "brinquedos", mas tá valendo! hahaha)!

    Ótima sexta!

    Beijo! ^^

    ResponderEliminar
  15. Estava preocupada, sabe?! Mas agora ela está se alimentando bem! ;)

    Ótima sexta!

    Beijo! ^^

    ResponderEliminar
  16. Lembro-me da casa e do carro da Barbie. E o gameboy. Chegusei a ter daquelas máquinas de tetris mas nada substituia o gameboy :)

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  17. Que nostalgiaa! Eu recebi a operação como presente de Natal haha! Mas sou sincera, depois de o receber acho que mal joguei. O mauzão também era um que achava piada e lembro-me de querer!
    www.thefancycats.pt

    ResponderEliminar
  18. No meu tempo, não tinha muitos brinquedos, algumas bonecas e livros da Anita, adorava o da Anita na praia, adorava já naquela altura o mar ;)
    Um brinquedo que quisesse ter não me recordo, também não haviam muitos, ou não havia dinheiro;)

    Beijinhos minha linda.

    ResponderEliminar
  19. Olá Andreia!
    Adorei saber mais sobre sua infância! A casinha da Poli era super linda mesmo.
    Seguindo seu blog!
    Beijos,
    Blog É da Rosa🌷Instagram

    ResponderEliminar
  20. O jogo simbólico é o mais importante, imaginarmos, criarmos personagens e dar o mais variado sentido às peças. Faz-nos tão bem ao nosso processo criativo :)
    Eu concordo com a parte em que dizes que a quantidade de brinquedos agora te parece absurda, porque também eu tenho essa ideia, existe uma oferta tão grande que se tem tornado mais negativa do que positiva. É importante dizer-se não, incentivar as crianças ao não consumismo e terem o necessário.

    Acho que os nossos pais foram uns sortudos, pois, também eu, não os chateei muito, ia pedindo algumas coisinhas, mas ia aceitando que não podia ser tudo. Claro que há coisas que me faziam sonhar um bocadinho, no entanto, como tu disseste não brinquei menos. "(...) adorava jogar às caçadinhas, às escondidas, às lengalengas com palma (...)" - e que saudades! Fico tão triste por agora não se verem crianças na rua, pelo menos pela minha zona é raro. Sei que já estou a fugir um bocadinho do tema, mas acho que acaba por estar tudo um bocadinho ligado.

    Em relação aos brinquedos, eu também cheguei a sonhar com esses nenucos e a imaginar o que poderia fazer com eles ahah e o mauzão, parava sempre a ver a publicidade, porque achava incrível.

    Como referi em cima, é necessário saber-se dizer não, de forma a prepararmos-nos para o mundo e a saber perceber que as coisas nunca são totalmente como queremos nem temos tudo assim de mão beijada :)

    ResponderEliminar
  21. Andar de patins é mara (ganhei depois de grande! hahaha)! E só não tive quando criança porque minha mãe morria de medo que eu me machucasse feio! u_u

    Ótima sexta!

    Beijo! ^^

    ResponderEliminar
  22. Eu queria uma bicicleta mas nunca me deram, até porque morava numa zona movimentada, quase sem espaços lúdicos e num andar alto sem elevador. Mais tarde quando tive oportunidade nunca consegui andar, simplesmente não tenho equilíbrio (mas sou uma óptima pendura na mota) eheh

    ResponderEliminar
  23. Ai que post mais nostálgico! Com as tuas palavras recuei uns bons 15 anos e recordei todas as minhas brincadeiras. Muitas delas também não incluíam brinquedos, como ao apanha, ao toca e foge, ao polícia e ao ladrão, ao futebol humano,... Tão, tão, bom! Contudo, partilho da mesma sensação que tive sempre aquele desejo intrínseco de ter alguns brinquedos que nunca tive. Lembro-me particularmente do tabuleiro da operação e do mãuzão! Lembro-me como se fosse ontem de quando ia a casa do meu primo eu brincava com ele até vir embora. Ele tinha o mauzão e já estava farto de brincar com ele, mas eu não! Passava umas boas horas a brincar xD
    Só tive um nenuco enquanto criança e também não precisei de mais sinceramente!

    R. É mesmo incrível! Fico eternamente grata às mulheres que me deixaram assistir ao parto e partilhar um bocadinho o esforço e toda a felicidade que elas sentiram naquele momento. Nunca irei esquecer!

    ResponderEliminar
  24. Verdade... brinquedos eram caros, e por isso, mais valorizados. Lá em casa, nós os ganhávamos apenas no Natal e às vezes em aniversários.

    ResponderEliminar
  25. Eu tive muitos brinquedos, olhando para trás até brinquedos a mais. Houve bastantes que não tive mas só um deles me dá pena. A "Baby Sophie" era para mim o auge das bonecas e pedia-a anos após ano. Nunca ma deram, até porque já tinha muita bonecada. Hoje em dia percebo os meus pais e um dia quando for mãe serei igual e não irei querer dar em excesso. A única coisa que vai ter em "demasia" são livros ;)

    ResponderEliminar
  26. Eu tive o carrinho de gémeos!!! Mas lembro-me que nunca gostei de bonecos, porque tinha medo deles à noite... não me perguntes porquê, mas ainda não gosto de ter bonecos no quarto. Ai sempre quis ter o mauzão, sempre que ia a casa de amigos agarrava-me a esse jogo que eu adorava.

    ResponderEliminar
  27. Tive o carrinho dos nenucos gémeos e o meu primo o mauzão (por isso foi como se também o tivesse tido xD). Também gostava de ter tido o Operação e o Pirolipipi (aquele nenuco que fazia xixi ahah)

    ResponderEliminar