As minhas viagens de metro #29

By Andreia Morais - julho 19, 2015


«A única maneira de nos livrarmos da tentação é ceder-lhe», Oscar Wilde


És a noite. O lado sombrio da vida. O charme de uma tela negra e olhar luminoso. Como é que alguém com tantas feridas pode ser tão deslumbrante ao ponto de as ocultar?

És a minha fraqueza. Deixei de ver com clareza a partir do momento em que fiquei perante a tua figura esbelta, que me faz querer descobri-la ao centímetro. Engoli o desejo, a vontade e o medo de ceder à tentação que é o teu sorriso. Queria fechar os olhos e inspirar fundo, para afastar todas as imagens que se seguiam como uma espécie de reprodução automática. Impedi-me. Fixei o meu olhar no teu, como se quisesse que fosses o primeiro a desviá-lo - na verdade, o que queria era perder-me no teu abraço.

Cegaste-me com essa confiança que o teu corpo deixa transparecer, mas é nos teus olhos que encontro toda a verdade. Estás desfeito em pedaços milimétricos, quebrado e pronto a cortar. Como é que mesmo assim me deixas tão segura? Neste jogo do sério, que inconscientemente invadiu a sala, ninguém perdeu. Avançaste sem hesitar e fitaste a minha reação. Não me movi. Aguardei o teu toque enquanto sentia a frustração aumentar pela tortura dos teus passos lentos. És exasperante, mas não cedo. Este jogo pode ser a dois e não sou eu que vou ver o rei a cair.

Apetece-me rir no exato momento em que pegas na minha mão e colocas a tua sobre a minha cintura, fazendo-me rodopiar numa valsa sem música. Relaxei. Encostei a minha cabeça ao teu pescoço e deixei-me ir. Os teus olhos pareciam fogo quando nos cruzamos. Como é que agora pareces tão indefeso? Poderia amar-te mais do que aquilo que te amo agora? Não sei o que esperas de mim, só sei que não serei capaz de ficar se tudo isto não passar de um sonho. 

És altamente viciante. E reconheço que basta sussurrares-me ao ouvido para me dividir em pequenos dentes-de-leão e ceder à química carnal que ambos sentimos quando entramos na sala, furiosos um com o outro. Deixa-me ir embora antes que seja tarde. Antes que te culpe por não poder viver um conto de fadas tradicional. Sei que se virar as costas e partir vou procurar os teus traços em todos os homens que se atravessem no meu caminho, como se fossem a solução para o vazio que deixaste ficar. Deixa-me partir...

Puxaste-me mais contra o teu corpo. Confundes-me. Fazes-me apaixonar novamente. Quero-te. Não quero que me deixes ir embora. Esta dualidade de vontades faz-me sentir o peito a arder, a entrar em combustão. Largo-te e empurro-te para longe de mim. Estás perdido e eu não quero partir, mas sei que se ficar vou tentar sarar-te as feridas mais depressa do que aquilo a que estás disposto. As minhas pernas fraquejam e fico sentada no chão. Como é que posso amar alguém que nunca soube o que é receber amor? E se eu ficar e te culpar por não saberes retribuir como preciso? E se eu ficar e não te souber salvar com a paciência que necessitas que eu tenha?

Ah! Apetece-me gritar. Libertar esta revolta. Enquanto isso, tu esperas sentado à minha frente, respeitando o meu tempo, com a expressão mais séria e calorosa que vi em toda a minha vida. Sou tua, tu sabes. Soubeste-o assim que calei as minhas palavras impetuosas quando te vi. Do que é que estás à espera? Abraça-me! É impressionante como me conheces sem precisar de abrir a boca. Como é que alguém é, aparentemente, tão desprovido de sentimentos e age como se me amasse por inteiro? Como é que és tão sombrio e irradias mais luz que o sol ao nascer? Como é que chegamos aqui? Como é que me apaixonei por ti? Porque é que o melhor me parece ir embora, mas o que mais desejo é ficar?

Nos teus braços sinto-me tranquila, protegida, em casa. Talvez esta seja a única forma de amor que conheces: o toque. E depois, o que será de mim? Beijas-me e eu quebro, como se os teus lábios fossem a resposta para todas as minhas dúvidas. Ama-me e eu fico. É só isso que te posso prometer.


M, 29.01.2015

  • Share:

You Might Also Like

32 comentários

  1. Por aí à muito jeito para a escrita. Bom domingo!

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Bem acordar e ler um texto destes, mexe com uma pessoa! O texto está para lá de fantástico, e váh sou sincera fez-me imaginar ahah. Obrigada!

    R:Sim agora com acompanhamento é muito diferente. Por vezes ir ao barato sai caro, mas pronto agora é fazer tudo direitinho e ver os resultados.
    Bjo

    ResponderEliminar
  3. muito bom!!

    xoxo, http://eighteenshadesofglitter.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Fabulástico! Amei Amei Amei!

    Beijinhos querida! <3

    ResponderEliminar
  5. O amor consegue mesmo ser a maior força do mundo! Adorei este teu texto minha querida :)

    ResponderEliminar
  6. ;D

    Sinto o puro amor.

    Ótimo domingo, Andreia!

    Beijo! ^^

    ResponderEliminar
  7. Fiquei sem palavras! Juro que nem sei o que comentar sobre este texto lindissimo e sentido!
    xoxo
    BLOG // FB PAGE

    ResponderEliminar
  8. As tuas palavras são altamente viciantes. Se um dia pensares escrever um livro, conta comigo, sim? Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Adorei o texto, está lindo :o Parabéns!
    http://bloguedacatia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  10. por favor, andreia, por favor, escreve a porra de um livro!

    ResponderEliminar
  11. Adorei, adorei, adorei!! *.*
    r: Que querida, obrigada :D
    Sim, é muito fofinho o filme!

    ResponderEliminar
  12. r: é bem verdade minha querida!
    que texto bonito!! beijinho*

    ResponderEliminar
  13. fantástico! cada palavra, cada frase, cada parágrafo! adorei :)*

    ResponderEliminar
  14. O amor explode em cada palavra magnificamente bem delineada. Fabuloso!!!!!
    Beijos e boa semana

    ResponderEliminar
  15. Muy bonito texto!!!
    Buen comienzo de semana, guapa!!!:)))

    Besos, desde España, Marcela♥

    ResponderEliminar
  16. O texto era fictício, mas obrigada pelas palavras que deixaste no blog. Voltarei mais vezes! :)*

    ResponderEliminar
  17. Que palavras e texto tão bem dirigido :)
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  18. As suas viagem de metro,
    do seu agrado tenham sido
    efectuadas para longe ou perto
    num ambiente bem divertido!

    Boa noite e bons sonhos Andreia, um beijo.
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  19. «Como é que alguém com tantas feridas pode ser tão deslumbrante ao ponto de as ocultar?»

    «Como é que alguém é, aparentemente, tão desprovido de sentimentos e age como se me amasse por inteiro? Como é que és tão sombrio e irradias mais luz que o sol ao nascer? Como é que chegamos aqui? Como é que me apaixonei por ti? Porque é que o melhor me parece ir embora, mas o que mais desejo é ficar?»

    Fantástico Andreia! Muito bom mesmo :) Parabéns!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  20. Muito bom Andreia parabéns :)
    Bj S

    ResponderEliminar
  21. Cada vez que cá chego saio s palavras e a certeza que não sei o que te dizer perante está escrita. Andreia, querida, escreve um livro, por favor, escreve com a alma o coração que eu serei a primeira a comprar os teus escritos.
    Kis:=>}

    ResponderEliminar
  22. Olá Andreia, muito bom o seu texto, suas gavetas guardam muitos encantamentos.
    Obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderEliminar
  23. Já o li a alguns anos mas acho que o filme teve mais impacto. :)

    ResponderEliminar
  24. Lindos os teus texto... Quanto à entrevista foi um prazer!

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  25. Eu não sei se isto é verídico, se foi algo que apenas «inventaste» ou até uma mistura dos dois, mas ó Andreia, tu por favor continua, continua a escrever coisas lindas e tão sentidas como estas e a embalar-nos com o teu amor :)

    ResponderEliminar
  26. Perfeito. Imaginei a cena toda com toda delicadeza, e um pouco do toque doloroso que tem ai.
    http://maybe-i-smiled.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar