Orgulho

By Andreia Morais - outubro 15, 2014


«A geração que entusiasma, a traquinice do jogo de rua que resiste ao espartilho das academias».


A garra com que estes «miúdos» jogam é comovente. É por profissionais como eles que sou tão apaixonada por futebol - sentimento que só tem tendência para aumentar. Não é só talento, e esse, como todos podem ver, é inesgotável. Soberbo. Hipnotizante. A forma como trocam a bola com maturidade é absolutamente fascinante. Todos eles carregam amor. À camisola. Ao emblema. E levantam multidões. Estejam atentos a estes craques, são o futuro. A esperança que às vezes no falta. São um exemplo e um verdadeiro orgulho. Esqueçam as idades, aquilo que fazem dentro de campo está ao mais alto nível. 

Num percurso imaculado de vitórias provaram todo o seu querer, o quanto estavam ali de corpo e alma para conquistar o objetivo comum a todos nós: Campeonato da Europa de 2015. Conseguiram, porque acreditaram até ao fim. Acreditaram que era possível fazer história e fizeram. Estes «miúdos» são do que temos de melhor. E nunca falham, mesmo quando cometem erros. Há uma diferença que os distingue de todos: a genuinidade. E depois a vontade. O trabalho. A união. Ninguém fica para trás e o ambiente dentro daquela equipa deve ser fantástico. Porque se respeitam e ajudam mutuamente. Porque sabem perfeitamente que antes dos nomes de cada um está um nome maior: Portugal. E é pela nossa seleção que lutam incondicionalmente.

Parecem amigos à jogar à bola sem o peso da responsabilidade que hoje carregam. O palco é diferente, mas mantém-se o que é essencial: a felicidade em todas as vezes que a bola lhes chegava aos pés. A criatividade em inventar o trajeto que faria de seguida. As «maldades» que se queriam impor ao adversário, seja pela famosa «cueca» ou por outra finta qualquer - muitas vezes sem que os próprios intervenientes soubessem como o fizeram. É este querer ser melhor que os faz crescer. E só não vão mais longe se lhes barrarem o caminho. Nunca percam o foco, nem tirem demasiado os pés do chão - só se for para voar mais alto que o adversário -, porque isso significaria perder jogadores brilhantemente talentosos e nós precisamos de vocês.

Não conheço o Rafa, o Sérgio, o Rúben, o Bernardo, o Ricardo, o Tozé, o Paulo,... Fora das quatro linhas têm uma vida que desconheço, mas dentro de campo a história muda. Naturalmente, acompanho mais uns do que outros, até porque alguns deles representam/representaram as cores que me movem desde sempre: azul e branco. Ali dentro não há clubes e o apoio é repartido por toda a equipa, mesmo que o carinho seja maior por aqueles que conheço melhor. Sou por todos quando sobem ao relvado com as cores da nossa seleção e tenho pena que por esse país fora ainda exista quem não conheça toda a habilidade que têm. Isso vai mudando aos poucos, por culpa de toda a dedicação que lhes corre no sangue. E por demonstrarem que não vão parar por aqui. 

Eles dão espetáculo, é por isso que os jogos nos entusiasmam. E os nervos aumentam a cada instante, não por falta de confiança, mas pela imprevisibilidade das suas jogadas. Gosto de jogadores irreverentes, que jogam bonito, que mesmo sobre pressão conseguem arrancar em velocidade e desfrutar do momento. E é na conquista de um sonho de criança, nessa pureza de um dia vir a ser jogador de futebol, que nos prendem à cadeira ou nos fazem levantar dela mais rápido que um piscar de olhos. Talvez deixe de respirar por segundos enquanto os observo pela intensidade que imprimem ao jogo e por nos contagiarem. Posso não entender grande coisa de táticas, mas o coração com que jogam compreendo bem, porque sou adepta e admiro quem sente o que faz. E enquanto houver jogadores que me façam sentir assim sei que o futuro do nosso futebol está bem entregue.   

Vamos juntos para a República Checa, com fé, com determinação e com raça. E tenho a certeza que aos poucos vão conquistando o mundo. Ontem deram mais um passo firme rumo a esse objetivo. Obrigada!

  • Share:

You Might Also Like

19 comentários

  1. Amiga que texto maravilhoso você escreve com a alma
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
    Canal de youtube: http://www.youtube.com/NekitaReis

    ResponderEliminar
  2. Devíamos todos estar orgulhosos deles! (Também deves estar orgulhosa do Quaresma, ele foi fundamental ontem no jogo contra a Dinamarca)

    MORNING DREAMS

    Sofia Silva

    Beijos*

    ResponderEliminar
  3. Que texto tão mas tão bom!
    Adoro a forma como escreves, é por textos como estes que me rendi à blogosfera e por blogs como o teu, onde a escrita portuguesa é tão linda e sonântica.

    Beijinhoooos :)
    http://princesasemtiara.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  4. Um olhar original sobre o jogo que move milhares.

    Quase me rendo ao espetáculo.

    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Rebola a bola pela relva,
    coitada dela a ser chutada
    a seleção dos mais novos quisera
    mostrar como se joga com garra.

    Já a seleção dos mais avançados,
    deu mais nas vistas para o negativo
    impossível como são tantos golos falhados
    numa baliza muito mais larga do que um postigo!

    Já mesmo quase a terminar,
    apareceu o miligre daquele dia
    foi o Cristiano Ronaldo marcar
    o golo que nos deu muita alegria!

    Vivam as nossas Selecções,
    viva Portugal, viva o seu povo
    antes que tiram nossos tostões
    fora com quem só faz estorvo!

    Desejo para você amiga Andreia um bom dia, um abraço.
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  6. Nota-se que gostas de futebol .)


    www.tarasemanias.pt

    ResponderEliminar
  7. gostei muito do texto e acho que estamos todos orgulhosos :)

    ResponderEliminar
  8. gostei tanto deste texto!

    Portuguese Girl with American Dreams
    http://fromportugaltonyc.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  9. Adorei o que escreveste e concordo mesmo. Geração entusiasta!

    ResponderEliminar
  10. Acho que estamos todos orgulhosos! :)

    http://checkinonline.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  11. As vezes esquecemos deles, mas estes rapazes também são motivo de orgulho.:)

    ResponderEliminar
  12. Um óptimo texto sobre um bom jogo de futebol a cada segundo os nervos aumentam e toda a equipa esquece rivalidades de clubes e afins e jogam o bom jogo há portuguesa, que venham os próximos jogos.
    beijinhos
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  13. De nada! ;D

    Ótima quinta, Andreia!

    Beijo! ^^

    ResponderEliminar
  14. Estes miúdos são grandes! Têm garra, talento. Eles são um verdadeiro orgulho!
    E eu conheço um deles (não pessoalmente mas de vista, já que está no mesmo parque de campismo que eu) :) Foi pai há pouco tempo e a filha dele é só a coisa mais amorosa de sempre!

    ResponderEliminar
  15. Tão poucas vezes nos lembramos deles mas são sem dúvida um motivo de orgulho.

    ResponderEliminar