As minhas viagens de metro #19

By Andreia Morais - setembro 08, 2014


«Uma das grandes desvantagens de termos pressa é o tempo que nos faz perder», Gilbert Chesterton


Faz-me confusão esta rapidez com que se gosta e se deixa de gostar. 

Acho que o meu coração parou no tempo. Na altura em que apaixonarmo-nos era um processo meticuloso, lento, carregado de imprevistos e magia. E esquecer era três vezes mais demorado, com ainda mais artimanhas e degraus para subir. Ou descer, conforme a perspetiva que se tomar.
 
Faz-me confusão a efemeridade das coisas. Os 360 km/h que parecem ser condição necessária para se viver. E esquecer. 

Acho que o meu coração parou no tempo. E espero que se mantenha lá por tempo indeterminado.


M, 21.03.2014   

  • Share:

You Might Also Like

20 comentários

  1. Hoje em dia as pessoas parece que têm urgência em sentir, em viver. Já não sabem apreciar as coisas pequenas. É pena...

    ResponderEliminar
  2. [Nomeei-te para uma TAG. Vai ao meu blog e descobre as perguntas que tenho para ti ;)]

    ResponderEliminar
  3. Cuanta verdad....
    Buen comienzo de semana, guapa!!! mi g+ para ti!!!:)))

    Besos, desde España, Marcela♥

    ResponderEliminar
  4. Que passagem rápida amei a postagem tenha uma semana abençoada.
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
    Canal de youtube: http://www.youtube.com/NekitaReis

    ResponderEliminar
  5. Acho que a preocupação ou o devido sentimento por vezes é tanta que as pessoas por vezes esquecem ou acabam por não dar valor as coisas boas, entrando numa rotura onde o gostar já não interessa.
    beijinhos
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Pura ilusão...o coração não para no tempo nem em parte alguma.

    Flui pois é vida, paixão, não cessa até à morte.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. " Acho que o meu coração parou no tempo. E espero que se mantenha lá por tempo indeterminado.", perfeito! É exatamente o que sinto às vezes.
    R: Não, eu já acabei o secundário. Acabei este ano. E vou agora para a faculdade. Mas não na primeira fase, por uma mísera décima. Mas pronto. Vou inscrever-me para a segunda :)

    ResponderEliminar
  8. Arrisco a dizer que as pessoas já não sabem amar no verdadeiro sentido da palavra e muito menos sabem esperar.

    ResponderEliminar
  9. Ai Andreia, já dei tantas vezes comigo a pensar nisto e também me mete tanta confusão, parece que hoje em dia é tudo descartável, um dia amam perdidamente, no outro, já estão noutra... e eu só penso para mim .. Mas isto é que é amar ?! Não sabem o que é amar, amar é muito bom, mas também quando sofres, doi e muito e não se esquece assim, aliás quem ama ou amou verdadeiramente nunca esquece esse alguém..

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  10. 'que não tenhamos pressa, mas não percamos tempo'....mas se estás bem assim com essa paragem então que dure o necessário para o teu bem estar.
    obrigada pelo carinho que demonstras sempre nas minhas publicações, é bom sentir que alguém nos ''lê'' .
    um beijinho

    ResponderEliminar
  11. Tens razão hoje em dia parece que os sentimentos são descartáveis... Issso irrita-me!

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  12. O quanto eu te compreendo !!! :( Infelizmente é uma realidade, por isso valorizo as relações que duram anos independente do quanto problemáticas foram e ainda a pessoa fala connosco mesmo que já não estejam juntos.

    Adoro a música de fundo do teu blogue que puseste.

    Valoriza seres assim. Acho que a culpa dessa fugacidade é da facilidade que existe para trocarem de mulher ou homem como quem troca de cuecas. Não existe força de vontade em lutar por ninguém, o que importa é a facilidade de acessos.

    Abraço*

    ResponderEliminar
  13. Concordo muitooo

    Sónia
    www.tarasemanias.pt

    ResponderEliminar
  14. Tens razão querida... Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades. Hoje em dia «amor» é uma coisa da qual muitos falam mas ninguém sente ou sabe sentir. Acho que amor é uma coisa delicada e muita gente não compreende isso... É triste.

    ResponderEliminar
  15. Não tens nada que agradecer, muito pelo contrário, eu é que o faço!
    Já respondi ás tuas questão, estão em rascunhos, mas serão publicadas em breve. Assim que o fizer, deixo-te um comentário como género de notificação. Espero que não te importes de não as publicar já.
    Beijinhos,
    www.theinsideofvogue.blogspot.com

    ResponderEliminar
  16. Neste aspecto, somos as duas paradas no tempo então!

    ResponderEliminar