O que fala ao coração #18

By Andreia Morais - julho 19, 2014


«A minha ideia é que há música no ar, há música à nossa volta, o mundo está cheio de música e cada um tira para si simplesmente aquela de que precisa», Edward Elgar


Não passo um dia sem ouvir música. Esta semana continuamos a ter a casa cheia, uma vez que temos mais um grupo para descobrir. Num estilo que associo muito ao verão, apesar de os ouvir o ano inteiro, os Souls of Fire são, talvez, uma das bandas que ouço há mais tempo. E nunca pararam de me surpreender.
 
Conheceram-se na praia de Leça da Palmeira e uniram-se pela amizade e pelo projeto musical que pretendiam desenvolver. Não é segredo para ninguém que a música pode ser uma excelente plataforma de intervenção social. E é esta uma das bases que sustenta o trabalho deste grupo, que alia o seu reggae cantado e tocado de forma exímia às mensagens que querem transmitir. Com uma energia muito própria, nunca deixaram de abordar vários temas, o que, a meu ver, os permite chegar a várias pessoas. A força das letras e a descontração da banda são a chave do sucesso.  
Quando se juntaram «não tinham, propriamente, formação musical», mas isso não os fez desistir. A vontade de permanecerem neste meio fez com que trabalhassem para evoluir. Se, primeiramente, tocavam como hobbie e mera diversão, rapidamente as coisas se tornaram sérias. E foi aí que perceberam que podiam «levar isto para outro campeonato». Adquiriram mais experiência, mas o espírito continua o mesmo. Encararam esta realidade com muita mais responsabilidade, mas a alegria com que fazem música continua igual ao dia em que começaram. Acho que o facto de nunca terem perdido essa identidade os fez crescer muito mais, porque mantiveram-se na música pelas razões certas. E quando se faz o que se gosta é tudo mais fácil. Isso passa para quem os ouve. É por isso que, ao fim de tantos anos, continuo a reconhecer-lhes a alma com que sempre nos brindaram. 

«O reggae faz sentido enquanto soa a verdade e é isso que define a nossa música». É essa verdade que eu tanto admiro. E que espero que nunca percam. Cresci a ouvi-los e espero continuar a fazê-lo, porque acredito mesmo que ainda têm muito para mostrar. São uma autêntica caixinha de surpresas. E cada música é mais uma gaveta aberta, que se guarda com cuidado, mas que se quer mostrar a todos os que estão à nossa volta. Mesmo que foquem aspetos que precisam de ser melhorados, têm a capacidade de me transportar para um mundo à parte e acalmar. Música assim vale a pena. Vale mesmo! E nunca me cansarei de dizer isto. 

Nem sempre trabalhar com tantas pessoas dá bom resultado, mas o facto de estarem todos focados no mesmo objetivo permite que façam coisas «boas e interessantes». Não cantam apenas em português, mas, ainda que seja suspeita, é na nossa língua que mais gosto de os ouvir. Contudo, não lhes alterava nada. Conheço os Souls of Fire assim, iguais a eles próprios, e só espero que o futuro lhes reserve o melhor. 

«A história de Souls of Fire conta já com muitos capítulos ao longo de 10 anos de existência. Com os primeiros encontros em 2000, a vontade de dar maior voz ao reggae nacional levou o grupo a formar uma banda. Desde o início, até ao presente, os anos foram passando, assim como vários membros, amigos, lugares e muitas palavras que se traduziram em aprendizagem. Todos deixaram a sua marca e contributo, e assim se construiu um caminho com base na partilha de música e palavras de união.
Com 3 álbuns editados (Comunicar-2006, Subentender-2009 e Pontas Soltas-2012), Souls of Fire trazem na bagagem muitos concertos por todo o país e a sorte de ter tido encontros com as maiores influências da banda, tais como: The Wailers, Alpha Blondy, I Jahman, Groundation, Ponto de Equilíbrio, Skatalites, Don Carlos, The Gladiators, Black Uhuru, Natiruts, Gentleman, entre muitos outros.

Hoje, Souls of Fire mantêm a chama acesa com a fé e a persistência de que todos os dias são bons para escrever um novo capítulo».










Já conheciam? O que acharam? Qual a música que mais gostaram? Contem-me tudo!

  • Share:

You Might Also Like

15 comentários

  1. Mais uma vez não conhecia. Sinto-me inculta musicalmente! Excelente banda :)

    ResponderEliminar
  2. Talvez fosse melhor se não o soubesse. Fica mesmo!

    ResponderEliminar
  3. Gosto muito do ritmo Reggae e desconhecia o grupo.

    Uma bela descoberta aqui na tua gaveta.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Não conhecia. Já estou mais rica hoje.

    ResponderEliminar
  5. Gostei muito de conhecer este grupo (ainda não conhecia). Gosto deste estilo de música, então no Verão parece que ainda dá mais gosto ouvir

    MORNING DREAMS

    Sofia Silva

    Beijos*

    ResponderEliminar
  6. Não conhecia e gostei bastante deste talento português :)
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  7. Olha não conhecia o Sols of Fire, muito bom, hein!

    ResponderEliminar
  8. Também não conhecia a banda e adorei, muito bons mesmo, excelente partilha. Muito obrigada querida <3

    ResponderEliminar
  9. R: oh eu espero que sim, gostava tanto!

    ResponderEliminar
  10. Gostei muito tanto do que escreves te como das musicas, como sempre gosto. Admiro a tua forma de escrita. Um beijinho de boa semana

    ResponderEliminar
  11. Não os conhecia e penso que nunca os ouvi, apesar de não ser o meu estilo musical gostei das letras.
    http://retromaggie.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  12. Mais uma banda que tenho para conhecer :p Vou já actualiza-me :)

    ResponderEliminar
  13. Oh Jesus! Também os adoro passei por cá e por sorte escolhi o 18 não sei porquê. Tão bom ler alguém que sabe o que diz!
    Xoxo

    ResponderEliminar