«A viagem sem fim de Gunther Holtorf»

By Andreia Morais - janeiro 12, 2014


«O casal que viajou de carro pelo mundo durante 23 anos

Viajar é preciso – mas o casal alemão Gunther Holtorf e sua esposa, Christine levaram esse conceito para um nível invejável. Em 1988, eles decidiram fazer uma viagem de 18 meses ao redor da África em seu Mercedes G-Wagen. O que eles não poderiam imaginar, é que a viagem duraria 23 anos e ficaria conhecida como “A viagem sem fim de Gunther Holtorf“. A justificativa? Simples: “The more we traveled, the more we realized how little we’d seen” (quanto mais viajávamos, mais percebíamos que tínhamos visto muito pouco ainda).

Sem qualquer tipo de ajuda ou financiamento, ou mesmo sem recursos como Twitter, Facebook, Instagram ou blog, os dois percorreram mais de 800.000 quilômetros, e passaram juntos por uma média de 200 países. Quando tinham que atravessar um continente, eles despachavam o carro por navio ou balsa.

O carro, como não poderia deixar de ser, ganhou até nome: se chama Otto. Segundo Gunther, ele nunca sofreu nenhum problema grave e sempre algo ocorria, ele estava tão familizarizado com o veículo, que conseguia solucionar o problema sem maiores dificuldades.

Quando perguntado sobre como ele financiou essa viagem, Gunther afirma que conseguiu economizar algum dinheiro enquanto trabalhava, mas que a viagem foi possível pois eles gastavam pouco de fato. Eles não dormiam em hotéis (sempre dormiam no carro ou em redes), nem comiam em restaurantes. Compravam comida em mercados locais e cozinhavam. Isso fez com que eles conseguissem gastar menos viajando do que se estivessem em sua terra natal na Europa.

Mas nem tudo são flores – no meio do processo eles tiveram um filho, que não pode os acompanhar na viagem e que ficou na Alemanha sendo cuidado por parentes próximos.

Gunther e sua esposa passaram 20 anos rodando juntos o mundo anonimamente, vivendo o que imaginamos ser uma grande aventura, e uma prova irrefutável de amor e cumplicidade. Infelizmente, Christine faleceu em 2010 vítima de câncer, mas ela pediu ao marido que continuasse sua viagem. Gunther atendeu a última vontade de sua esposa, que ainda o acompanha em uma foto no retrovisor. No ano que vem, com 76 anos, ele pretende terminar a jornada. O carro será entregue ao museu da Mercedes.

O vídeo abaixo é obra do canadense David Lemke, que acompanhou Holtorf pelo sudeste asiático e mostra parte das fotos registradas durante a viagem».



(notícia aqui, onde também podem ver mais fotografias)


É preciso coragem. Espírito aventureiro. Um grande sentido de companheirismo. E um grande amor. Mas é igualmente preciso força redobrada para se continuar quando o sonho perde um dos seus intervenientes. 

Quando leio histórias assim: de pessoas que partem à descoberta de um mundo novo, imagino-as sempre dentro de uma pão-de-forma. Nunca viajei numa - e tenho pena disso -, mas, para mim, é mesmo a imagem do veículo de longas aventuras, que eu gostava de conduzir se, um dia, deixasse tudo para trás e fosse por esse mundo fora. Sabe-se lá bem à procura de quê. Talvez de nada em concreto. Talvez de tudo aquilo que pudesse encontrar. Se um dia resolver fazer as malas e partir antes tenho que arranjar uma pão-de-forma, e então aí sim a viagem pode começar. Primeiro destino: Portugal. Todo ele. Do recanto mais a Norte até ao recanto mais a Sul. E depois o Mundo. 

Foram num Mercedes G-Wagen, mas acredito que a sensação tenha sido igualmente fantástica. Porque é uma história fantástica. É daquelas que nos faz sonhar e querer sair agora de casa só para passear, nem que seja durante meia hora. Mas, pelo menos, nessa meia hora conhecer algo novo, que não mais nos sairá da memória. E como eu acredito que todas as experiências nos fazem crescer o lado esquerdo do peito, também não mais nos sairá do coração. 

Não consigo imaginar a dor que sentiu ao perder a mulher (nem o que lhes deve ter custado deixar um filho com familiares) - que além de ter sido a companheira de uma vida foi a companheira de uma grande aventura -, mas compreendo a necessidade de continuar. Porque acredito que signifique a realização de um sonho. Uma homenagem. E uma prova de amor. Aliás, toda esta viagem foi uma prova disso mesmo: do amor que existia entre os dois. Eu sempre ouvi dizer que são precisos dois para dançar o tango, e por mais vontade que o outro tivesse de viajar pelo mundo não são todos os casais que estão dispostos a isso. É preciso ter-se uma boa dose de loucura. É preciso que os dois a tenham. E quando se encontram pessoas assim é mais fácil, sabemos que o nosso coração está bem entregue. Sabemos que podemos andar com o nosso sonho nas mãos porque a outra metade de nós será capaz de cuidar dele com a mesma dedicação que nós, porque também lhe pertence. Eu gosto de histórias de amor. Gosto destas histórias de amor. Porque não precisam de mais nada do que aquilo que têm. Porque se têm um ao outro e isso chega. Para mim chega. 

E talvez não precisem de ir ao volante de uma pão-de-forma, talvez até possam ir de lambreta (se assim preferirem). O importante é estar. Um com o outro. Um para o outro. E ter vontade de continuar. De descobrir. Sei que um dia vou querer um amor assim: pleno, cúmplice, que resiste a tudo. Mas como gosto de aguçar o meu imaginário, vou querer vivê-lo ao volante desse furgão que tem nome de pão. Com uma máquina fotográfica na mochila. E com alguém que o partilhe na mesma proporção. E assim escrever a minha viagem sem fim.


"É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na Primavera o que se vira no Verão, ver de dia o que se viu de noite, com Sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava." (José Saramago)

  • Share:

You Might Also Like

20 comentários

  1. Uma histórias surpreendente e um exemplo de como tornar a vida diferente do que a socieade nos impõe.

    ResponderEliminar
  2. R: É um risco enorme estar tanto tempo com as mesma pessoa e não se fartarem. É preciso um amor enoooorme!

    ResponderEliminar
  3. Adorei :) é preciso mesmo ter um pontinha de loucura..e muito amor, para criar histórias como estas..um exemplo!! :) Aproveito para te dizer que aprecio bastante o teu "trabalho" neste teu blog, muito bom e interessante..beijinho!

    ResponderEliminar
  4. R: Obrigada Andreia pela tua opinião! Como este meu "espacinho" é recente, é sempre bom ler comentários desses, principalmente de pessoas que se identifiquem com o que escrevo.

    Realmente eu também gosto de ler e inclusive, sigo, os blogs que referi no post, mas tbm não teria o mesmo jeito que muitos dos seus "protagonistas" têm para poder partilhar tantas dicas que tanto satisfazem os leitores, por isso fico me como uma simples "espectadora" .

    Quanto ao livro, tbm estou a adorar, porque como fã da época que se relata na história, tenho-me deliciado com todo o seu conteúdo!! :)

    Um beijinho *

    ResponderEliminar
  5. Que história incrível. Que amor lindo! Gostava de, um dia, cometer esta mesma "loucura".

    r: Hoje ao ver o Quaresma jogar, lembrei-me de ti :)

    ResponderEliminar
  6. R: Eu também quero ler "A Filha do Capitão", a ver se ainda acabamos por o ler!!

    Quanto ao futebol, já reparei que não és do mesmo que o meu, mas clubes de lado, ambas sabemos o quanto é bom ganhar..eheheh! Bom saber que tambem partilhas o mesmo gosto pelo futebol :)

    ResponderEliminar
  7. Una historia realmente increible que no conocía, gracias por compartir, que interesante

    Besos
    SHOPPING STYLE

    ResponderEliminar
  8. Maravilhoso!!

    Bjos e um excelente 2014!

    http://estilohedonico.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  9. woooooow! fiquei babada com eles :o
    que máximoooooooo

    r: ahahah, eu sou Peixe e sou teimosa e acho que não é por isso.. os meus pais também têm este feitio :p
    amaeeeee! tu não és normal :o és malucaaaaa! 4 livros nas férias de natal?! xD

    ResponderEliminar
  10. r: ora ai disses-te tudo! e ai está o motivo para não ter vindo cá comentar,.. só tenho vindo cá de passagem :x haja vontade mesmo para continuar a não se fazer "nada" -.-

    ResponderEliminar
  11. r: desta vez só fiz nas raízes :p irá ficar uma desfrisagem mais lisa só na parte de cima, nas pontas já esta a frisar.. mas gostei muito do efeito *.*
    beijinho grandeeeeeee minha querida ♥ obrigada por teres passado no blog estes dias :)

    ResponderEliminar
  12. R: Obrigada Andreia! É sempre bom ler um comentário de apoio, principalmente de quem sabe o que é estar nesta posição. É chato, mas enfim, o que é que não é na universidade? O bom é realmente ver o nosso esforço ser recompensando, e agora é preciso continuar o esforço..e resta-me esperar que tenhas razão e que eu passe em recurso! Beijinho querida :) *

    ResponderEliminar
  13. É uma aventura em pêras, deixar tudo e descobrir o mundo. Um dia também gostava de fazer assim uma aventura. Deixar tudo. Viver do que é o real mundo, desprezando grandes materialismos, desprezando extravagâncias. Qualquer coisa como o filme "Into the wild". ♥

    ResponderEliminar
  14. Uma grande história! Não é qualquer um que se aventura a isso.

    ResponderEliminar