«Até que a utopia nos separe»


Entre estudar para frequências, jantar de curso, reuniões de voluntariado (que vos falarei depois) e as típicas compras de Natal, o tempo não tem sido muito. Mas hoje deixo-vos uma crónica que não me deixou indiferente, por ser tudo aquilo que eu penso. E por isso mesmo não preciso de fazer qualquer comentário: está tudo ali, conforme sinto e conforme defendo, só não foi escrito por mim, mas até parece que a autora me leu os pensamentos.

Vamos viver felizes para sempre? Então comecemos já. No amor não há tempo a perder, porque amar também é ter tempo. E como eu continuo a acreditar que «não falta amor, falta amar», sim, mais do que viver, quero ser feliz para sempre. Com amor! 



«Até que a utopia nos separe

Essa coisa de amar alguém tem um botão de “on” e “off” e andámos todos a desligá-lo da corrente nos últimos anos? É isso?

Ouve-se por aí: “Amor? Já não acredito em nada disso.”.

Mas… como assim? Quer dizer que deixaste de acreditar que tens a capacidade de gostar de pessoas e de partilhar coisas bonitas com elas? Então mas… controla-se, isso?

Essa coisa de amar alguém tem um botão de “on” e “off” e andámos todos a desligá-lo da corrente nos últimos anos? É isso? Eu acho que o problema é que antes se embalavam as crianças ao sabor de histórias onde os protagonistas usavam coroas e rasgavam os céus montados em cavalos brancos. Agora, como já pouco se brinca com esse imaginário, e são também raras as histórias que ainda terminam com o triunfal “felizes para sempre”, parece que se declarou a morte ao amor. Pois bem, ele existe, está de boa saúde, come legumes e verduras e pratica desporto três vezes por semana. É um amor da vida real.

As utopias são isso mesmo, utopias. Só existem em paralelo com outra realidade, caso contrário não existem. Ou seja, o amor não anda montado em cavalos. E as pessoas não usam coroas ou vestidos de seda e tule bordado para ir trabalhar no dia-a-dia. O “felizes para sempre”, sabes quando é que ele aparece num livro ou num filme? No fim. Alguém teve de escrever tudo o que está para trás. Há uma história repleta de peripécias e também com algumas bruxas — sim, das que têm verrugas — e um ou dois dragões que cospem fogo pelo meio.

É uma história que se vive a um compasso duplo, lado a lado, a dois. São as músicas que se ouvem e cujas letras ambos conhecem de trás para a frente, os planos para amanhã que se tornam em programas de hoje e que se prolongam noite dentro. Os lábios a saber a mar que se enlaçam no Verão, o chapéu-de-chuva que se partiu mas que não é por isso que deixa de servir para abrigar os dois e os pequenos-almoços com direito a torradas queimadas porque se deixaram ficar na cama mais um bocadinho naquele domingo.

Mas isto dá trabalho. Escrever um livro inteiro, entrelaçar tantos episódios, tantos capítulos, pontuar sem tirar o sentido das frases, evitar o uso excessivo de reticências, transformar pontos finais em pontos e vírgulas…! Uff! É obra. Talvez seja por isso que a grande maioria de nós acaba por criar blogues ou escrever rubricas para jornais de quando a quando. Dá menos trabalho, não requer tanta imaginação, tanto tempo disponível.

Mas o amor não se presta a essas coisas da disponibilidade. O amor é prosa, é narrativa, é poesia. São as histórias que escrevemos a dois, e dão mesmo trabalho, e levam-nos mesmo muito tempo. Por isso, se quiseres chegar ao final da tua história e pontuá-la com um majestoso “vivemos felizes para sempre, SIM”, tens muito que escrever.

Que se deixem as personagens que usam varinhas de condão para as utopias, que se retire a declaração de óbito ao amor, se faz favor!» (aqui)

You Might Also Like

20 comentários

  1. Andas super ocupada, mas quanto ao amor, há sempre tempo para amar!!

    Gosto imenso do que escreves. Querida dá-me o teu email pff

    ResponderEliminar
  2. Adoro as decorações de natal :D
    r: Acho que há outras hipóteses :P

    ResponderEliminar
  3. OHHH! fiquei encantada com o espírito natalício aqui no teu blogue!

    Adorei a crónica e bem verdade... as pessoas é que têm a mania de agora andar a "matar" o amor! O amor é lixado, às vezes é, mas as pessoas é que fazem questão de o andar a lixar... Não ter amor é bem mais lixado do que o ter e como há que preservar aquilo que é bom... há que tratar o amor com mais carinho, com mais gomas, beijinhos, flores, etc. O amor só precisa de amor... :)

    Andreia, bem te compreendo nesta fase... As frequências, os trabalhos, tudo o que vai aparecendo... a universidade dá realmente trabalho, mas com um bocadinho de alegria e um sorriso na boca tudo lá vai indo :)
    Muitos beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. óhh, tão queridaaaaa :) sabes, quando queremos e gostamos mesmo temos tempo para tudo! essa é a verdade..

    acreditas que eu tenho pensado sempre nas tranças e nunca o fiz?! ahah tenho mesmo que experimentar caramba!
    After-eigth também adoro, e milkaaa como tu.. ahah :3
    também prefiro fazer sozinha para não me prejudicar, acaba sendo o melhor mesmo..
    óhh, a sério?! :o tu antes não aparecias que me estavas a seguir.. agora apareces
    beijinho queridaa *

    ResponderEliminar
  5. é verdade querida! essas pessoas são as que estão sempre lá :) e receber abraços deixa-nos melhor ainda..
    beijinhoo *

    ps. o teu blog está tão giro à natal :p

    ResponderEliminar
  6. Finalmente, alguém que pense como eu! Com força tudo se consegue :)

    ResponderEliminar
  7. Também já li o "Como é linda a puta da vida" e será uns dos próximos a ser cuscado lá no Dear Jonny Books :)
    É bem verdade, o amor e a vida são vítimas como nós, são fodidos como nós... Mas um dia há-de mudar, tem de mudar!
    Acho que um olhar é tudo. Com um olhar também se fala. Com um olhar também se ama. Com um olhar também se deixa... Se as pessoas olhassem mais umas para as outras, a conversa entre elas seria bem mais fácil e mais compreendida.

    Muitos beijinhos.

    ResponderEliminar
  8. O problema não é o amor, é as pessoas não saberem amor!

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  9. Não podia concordar mais com esta crónica! E viva o amor ;)

    p.s.: Adorei a decoração aqui no teu espaçinho, está maravilhosa :)

    ResponderEliminar
  10. É verdade! Acho que o mais importante é darmos de nós e sentirmos que estamos a amar quem realmente merece :)
    eu nunca fiz páhh :c tenho que começar a tratar disso! ahah mas os meus caracóis até andam mais ou menos "giros" por isso ainda não recorri a isso xp
    De nadaa! é que está mesmo giro o blog assim! gosto tantooo :)
    ahh :o penso que sim também! porque antes não aparecias nos meus seguidores, mas pensei que estivesses a seguir-me como anónima, mas agora já apareces :p ahah

    beijinhoo querida **

    ResponderEliminar
  11. A quem o dizes! :) mais vale gostar do que ser contrariado!
    isso dos papelotes resulta mesmo?! :oo
    óhh de nada queridaa :))
    :oo que estranho! realmente foi à segunda que deu certo, pelos vistos xD ahah eu até pensei que fosse "descuido" teu, porque nem tenho andado muito aqui e nem tenho atualizado muito isto, mas cheguei à conclusão que mesmo não vindo cá comentar tenho vindo cá publicar qualquer coisa xp mas o que importa é que o "problema" já está resolvidoo !

    beijinhoo querida ** :)

    ResponderEliminar
  12. ahahah, acredito! com os caracóis assim ficavas com o cabelo mais curto xp
    ainda bem que deixas-te de seguir e seguir de novo ahah :p

    beijinhoo *

    ResponderEliminar
  13. Eu também acredito no Amor, no felizes para sempre, na alegria, nos sorrisos... Claro que amar por vezes não é fácil, mas muitas vezes somos nós que complicamos! Eu costumo dizer muitas vezes que a vida é simples, para quê complicar? ;)

    R de Rita

    ResponderEliminar
  14. Eu na faculdade não tinha tempo nenhum, mas agora muito menos ahaha mas foi esta a vida que eu escolhi e tenho de aprender a conciliar tudo. Obrigada pelo teu email querida

    ResponderEliminar
  15. é que a palavra certa é mesmo "magia" para isso :p
    ahah, o que vale é que já está :) **

    ResponderEliminar
  16. Adorei o texto, mais uma vez! =)) E tu sê feliz e nunca te esqueças que a nossa felicidade não pode depender de terceiros. O resto vem! =))

    Um beijinho d'A Gata *

    P.S.: Estou a pensar sortear um header feito à mão, tipo o meu, mas bem ao gosto da(o) sorteada(o). Gostavas de ter um? Tens algo idealizado mas que não encontras imagem na net e a solução passa por construir a imagem? Fica atenta, porque em breve o sorteio será lançado! =)

    http://agatadesaltosaltos.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  17. Obrigada mais uma vez por todas essas palavras. *o*

    ResponderEliminar
  18. Bem, tenho de admitir que essa da preguiça não me tinha ocorrido ;)
    Sim, ás vezes aquele ar desleixado pode ser bastante... sensual será a palavra?

    ResponderEliminar